i

quinta-feira, 27 de março de 2014

Secretário de Ipanguaçu alerta para último prazo no pagamento para acesso a ração animal


Em busca de minimizar os prejuízos decorrentes da estiagem, os produtores rurais podem ter acesso a compra de produtos usados para ração animal com preços abaixo dos de mercado. A medida faz parte do programa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

O Programa de Vendas em Balcão pretender atender a criadores rurais e agroindústrias com preços subsidiados. 

Segundo o secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Mario Silvério, com a falta de água e de alimentos, os pequenos agricultores vêm contabilizando perdas frequentes nos rebanhos, com isso o programa tenta minimizar está perda com a venda da ração a preço abaixo do mercado. “Os produtores rurais para terem acesso ao programa devem procurar a secretaria de agricultura até sexta, para pegar o boleto e efetuar o pagamento. Menos da metade já efetuaram o pagamento, é importante visto que o governo prorrogou o pagamento”, informa o secretário. 

O grão para a alimentação animal na região do Semiárido, que engloba dez estados, é a mais atingida pela estiagem, e tem sido vendido pela Conab ao preço de R$ 18 por saca de 60 quilos, no mercado este valor pode chegar a R$46.

Com a prorrogação as vendas com os preços vigentes no balcão especial continuarão até 28 de fevereiro, conforme portaria publicada no Diário Oficial da União de quinta-feira (27), para ter acesso os criadores rurais devem pagar a guia de pagamento até esta sexta(28), os boletos podem ser emitidos na sede da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente de Ipanguaçu, das 8 às 12h. Serão beneficiados com o programa em Ipanguaçu 110 criadores. 

quarta-feira, 26 de março de 2014

Em Ipanguaçu mais 300 pessoas são atendidas com o Pronatec



Oportunizar o acesso a capacitação profissional, possibilitando condições iguais para disputar uma vaga no mercado de trabalho é um dos objetivos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego – Pronatec dado início a mais sete turmas através da parceria entre a Prefeitura de Ipanguaçu através da Secretaria de Trabalho, Habitação e Assistência Social(SEMTHAS) e a Escola Agrícola de Jundiaí junto ao Governo Federal.

Em mais uma aula de abertura, que aconteceu no Espaço Pastoral Padre Valtair Lira Lucas, contou com a presença do secretário do Gabinete do Prefeito, Tales Praxedes; a secretária de Trabalho, Habitação e Assistência Social, Cristina Oliveira; Sumaira Fonseca(saúde); Jeane Dantas (educação); Genilo Rodriguês (obras), Joacy Lopes (articulação política); Marcos Bezerra (esporte) e Fernando Neto (cultura e turismo). 

Cristina Oliveira, destacou que o crescimento de novos cursos estão sendo implantado no município, em busca de atender as demandas a qual o município vem tendo com o crescimento econômico e social das famílias do município potiguar, “Ipanguaçu vem apresentando importantes avanços, com isso precisamos estar atentos para atender as novas demandas sociais, e o acesso ao emprego é de extrema importância que a nossa população esteja qualificada para os desafios do mercado”, disse. 

Nos últimos anos, mais de 2.800 pessoas foram qualificadas para o mercado de trabalho e para abertura de novos negócios. Em fevereiro deste ano, cinco novas turmas foram abertas com o Pronatec atendendo a um público de 96 pessoas. 

Nesta nova etapa, o Pronatec beneficiará 210 pessoas, nos cursos de agente de alimentação escolar, agricultor familiar, horticultor de legumes orgânicos, agente de beneficiamento de pescado, programador web, agente de informações turísticas, recepcionista de eventos. As aulas serão ministradas na zona rural e urbana da cidade. 


Os alunos ainda recebem uma bolsa de apoio mensalmente para custear o transporte e alimentação, garantindo condições para permanência nos cursos. Neste primeiro semestre 306 alunos estão sendo beneficiados com o programa. Os alunos são pessoas com idade entre 16 e 59 anos, inscritos no Cadastro Único para Acesso aos Programas Sociais do Governo Federal (CADÚNICO), com renda familiar de até três salários. 

A secretária Cristina Oliveira ainda disse que a expectativa é que novos cursos venham a ser implantados no município até o fim do ano. “Estamos articulando novas parcerias e convênios que possibilitem a execução de novos cursos. Assim que concretizarmos abriremos novas vagas”, conclui.



















Prefeitura de Ipanguaçu faz entrega de filtros de água em parceria com a Defesa Civil


Esta semana moradores da zona rural de Ipanguaçu começaram a receber filtros d’água em busca de atender as famílias afetadas pela seca e que estão sendo atendidas com água de carros pipas e cisternas. A Prefeitura do município através da Secretaria Municipal de Saúde e a Defesa Civil Municipal iniciaram a entrega dos filtros recebido através do convênio com o Ministério da Integração Nacional. 

Segundo o coordenador da Defesa Civil no município, Genilo Rodrigues, o objetivo é que os filtros sejam utilizados na redução da exposição de micro-organismos encontradas na água aos riscos à saúde humana. “Com a estiagem, muitas de nossas comunidades estão sendo atendias com água de mananciais advindo do carro pipa, e armazenadas nas cisternas, com isso os filtros assumem um papel fundamental na prevenção de doenças advindas da água”, fala Genilo Rodrigues. 

Os filtros de polipropileno tem a capacidade de 7,5 litros d'água. Em Ipanguaçu serão entregues 887 filtros de polipropileno as famílias que receberam água do carro pipa, entregues pela Prefeitura, ou onde há riscos na qualidade da água. De acordo com a Defesa Civil mais de 600 filtros já foram entregues. 


Durante a entrega uma equipe da Secretaria Municipal de Saúde orienta as famílias sobre a limpeza e manutenção dos filtros, na perspectiva de dá eficácia ao equipamento. 

"O eleitor não abre mão do seu direito democrático de escolher", diz Fátima

Na entrevista concedida ao Jornal Omossoroense, a deputada federal Fátima Bezerra analisa a conjuntura política do Rio Grande do Norte, reafirma o projeto de ser eleita senadora e faz várias críticas ao projeto do PMDB de reunir em torno de si várias lideranças políticas do Estado. A deputada ainda comenta a respeito da aliança com o PSD e das questões internas do PT.

Veja a matéria completa, aqui

Câmara aprova Marco Civil da Internet

Luciano Nascimento - Repórter da Agência Brasil

Após cinco meses de polêmica e intensos debates, a Câmara aprovou hoje (25) o projeto do Marco Civil da Internet (PL 2.126/11). Os deputados aprovaram o texto em votação simbólica. Desde 28 de outubro de 2013, o projeto passou a trancar a pauta da Câmara.

O projeto define os direitos e deveres de usuários e provedores de serviços de conexão e aplicativos na internet. A aprovação abre caminho para que os internautas brasileiros possam ter garantido o direito à privacidade e à não discriminação do tráfego de conteúdos. O texto agora segue para o Senado e, caso seja aprovado lá também, irá para sanção presidencial.

“Hoje em dia precisamos de lei para proteger a essência da internet que está ameaçada por praticadas de mercado e, até mesmo, de governo. Assim, precisamos garantir regras para que a liberdade na rede seja garantida", disse o relator do projeto deputado Alessandro Molon (PT-RJ).

Antes da votação, um grupo de manifestantes entregou ao presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), uma petição com mais de 340 mil assinaturas a favor do Marco Civil da Internet. Na ocasião, Alves disse que o projeto já estava "amadurecido"para ir à votação.

Entre os principais pontos da proposta estão: a garantia do direito à privacidade dos usuários, especialmente à inviolabilidade e ao sigilo de suas comunicações pela internet. Atualmente, as informações são usadas livremente por empresas que vendem esses dados para o setores demarketing ou vendas.

Os provedores não poderão fornecer a terceiros as informações dos usuários, a não ser que haja consentimento do internauta; os registros constantes de sites de buscas, os e-mails, entre outros dados, só poderão ser armazenados por seis meses. O projeto também define os casos em que a Justiça pode requisitar registros de acesso à rede e a comunicações de usuários.

De acordo com o texto, as empresas não vão poder limitar o acesso a certos conteúdos ou cobrar preços diferenciados para cada tipo de serviço prestado.

Antes da votação, o governo recuou e aceitou alterar alguns pontos considerados polêmicos por parlamentares da oposição e da base aliada. O principal deles é o princípio da neutralidade de rede que assegura a não discriminação do tráfego de conteúdos. Após negociação os deputados acordaram que a regulamentação deste trecho da lei caberá a um decreto da Presidência da República, depois de consulta à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e ao Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI)

Também caiu a obrigatoriedade das empresas provedoras de conexão e aplicações de internet manterem em território nacional estrutura de armazenamento de dados, os chamados data centers.

A obrigatoriedade havia sido incluída após as denúncias de espionagem do governo brasileiro, por parte dos Estados Unidos, revelados pelo ex-consultor que prestava serviços à Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) norte-americana, Edward Snowden. Como forma de punição para a violação das comunicações, ficou assegurado no texto que deverá ser “obrigatoriamente respeitada a legislação brasileira”.

“Felizmente, o governo recuou e o relator acatou a sugestão da oposição e retirou do texto a obrigatoriedade de data centers no território brasileiro”, disse o líder do DEM, Mendonça Filho (PE).

Outro ponto do projeto é o que isenta os provedores de conexão à internet de serem responsabilizados civilmente por danos decorrentes de conteúdos gerados por terceiros. Isso só ocorrerá se, após ordem judicial específica, o provedor não tomar as providências para retirar o conteúdo da rede.

Nesses casos, o projeto determina que a retirada de material com cenas de sexo ou nudez deve ocorrer a partir de apresentação pela pessoa vítima da violação de intimidade e não pelo ofendido, o que poderia dar interpretação de que qualquer pessoa ofendida poderia pedir a retirada do material. Agora, a retirada deverá ser feita a partir de ordem judicial.

Além disso, o relator também incluiu um artigo para prever que os pais possam escolher e usar programas de controle na internet para evitar o acesso de crianças e adolescentes a conteúdo inadequado para a idade. “O usuário terá a opção de livre escolha da utilização de controle parental em seu terminal e caberá ao Poder Público em conjunto com os provedores de conexão a definição de aplicativos para realizar este controle e a definição de boas práticas de inclusão digital de crianças e adolescentes”, discursou Molon.

Após diversas negociações, o governo conseguiu com que os partidos contrários ao marco civil mudassem de ideia. O PPS foi o único partido que votou contra o projeto. O PMDB, que era contra a proposta, mudou de opinião e defendeu a aprovação. "Continuo com uma parte do receio de que a internet chegou onde chegou por falta de regulação", disse o líder do partido na Casa, Eduardo Cunha (RJ), que justificou a mudança de postura como fruto de negociações do governo e da alteração de pontos considerados polêmicos no texto. "O PMDB vai se posicionar favoravelmente ao projeto", completou.

A aprovação do Marco Civil da Internet foi vista como uma vitória pelo líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP). "Eu acho que é uma vitória porque nós vivemos momentos variados, o mínimo que eu posso dizer sobre esta matéria é que houve tensões. A paciência e determinação em buscar através de um diálogo, independentemente de quem quer que seja, isso é uma grande vitória", disse Chinaglia.

terça-feira, 25 de março de 2014

Processo eleitoral deverá ser assunto do Panorama do Vale de hoje

Nesta terça-feira(25) o convidado do programa Panorama do Vale é o assessor jurídico e advogado Ivanaldo Paulo Salustino. 

No programa transmitido pela rádio Princesa do Vale, o advogado deverá falar sobre o recursos eleitoral nº 897-57.2012.6.20.0029 que tem o prefeito Leonardo Oliveira e o vice-prefeito Josimar Lopes como recorrentes no processo na qual o TRE cassou o diplomas dos gestores eleitos por mais 1.800 votos. 


O programa vai ao ar às 18h e pode ser ouvido pelo site www.radioprincesadovale.com.br

segunda-feira, 24 de março de 2014

Aulas para novas turmas do Pronatec terão início na terça

A Prefeitura de Ipanguaçu através da Secretaria Municipal de Trabalho Habitação e Assistência Social darão início nesta terça-feira, dia 25, aos novos sete cursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego – PRONATEC 2014, que será desenvolvido em parceria com a Escola Agrícola de Jundiaí. 

Segundo a secretária da pasta, Cristina Oliveira, os cursos irão beneficiar a população das mais diferentes localidades do município, a estratégia faz parte da qualificação dos moradores em áreas que possibilitam o exercício da profissional onde residem, “temos organizado estrategicamente as políticas de qualificação de nossa população, para logo que eles venham concluir, tenham a oportunidade e acesso ao emprego, ou abrir o próprio negócio na geração de renda. Os cursos oferecidos ainda gerarão mais oportunidade a nossa população, em busca da independência financeira”, frisa a secretária. 

A aula de abertura nesta terça-feira acontecerá às 19h no Espaço Pastoral Padre Valtair Lira Lucas.

Nestas novas turmas serão beneficiadas 210 pessoas, nos cursos de agente de alimentação escolar, agricultor familiar, horticultor de legumes orgânicos, agente de beneficiamento de pescado, programador web, agente de informações turísticas, recepcionista de eventos. As aulas serão ministradas no Centro Integrado da Cidadania (CIC), no Sindicato dos Trabalhadores Rurais e nos Centros de vivencias nas comunidades de Pataxó, Porto e Tabuleiro Alto. 

Em fevereiro deste ano em parceria com o Senac a Prefeitura deu inicio também aos cursos de recepcionista, auxiliar administrativo, auxiliar de cozinha e depilador, atendendo cerca de 96 pessoas. No total estarão sendo beneficiadas em Ipanguaçu 306 pessoas, que ao fim receberão a certificação dos cursos. 

sábado, 22 de março de 2014

IPANGUAÇU PELOS IPANGUAÇUENSES: A CASSAÇÃO, O PREFEITO E O POVO

O direito à opinião nem sempre foi um direito.



Certamente, você leitor, deve ter conhecimento de que o direito a expressar sua opinião publicamente, sendo ela qual for, é uma conquista muito recente nos autos da história do nosso país, conclamada graças a muitas vozes, que ecoaram de muitos lugares. Inclusive dos mais “baixos”: da miséria, da pobreza, do marginalizado, dos socialmente desvalidos e sempre postos à margem do resto. Cientes da nossa história como brasileiros – e, por isso, aptos a opinar sobre o que está expresso no título deste texto – colocamo-nos numa condição de rechaça e pesar no que se refere ao recente afastamento do gestor executivo ipanguaçuense, Leonardo Oliveira. 

Antes mesmo que você construa opiniões egoístas e elitistas sobre o que nos propomos aqui (já que isso é direito seu), lembramos que se dispor a compreender o que ora escrevemos é condição mínima de um sujeito social de préstimo e plenamente cidadão. Força, amigos leitores! Daqui à frente, pelo senso comum ou pelo científico, você terá acesso a um percurso já conhecido – mas que vale a pena ser lembrado – da nossa cidade, levando-nos a certa culminância dos pensamentos: a cassação de Leonardo é também uma cassação aos direitos de uma cidade livre, em desenvolvimento e, em sua maioria expressiva, consciente de como tomou “ares de gente grande” nos últimos anos. Prossigamos.

Se o assunto é história, então comecemos pela do nosso país. O Brasil é uma nação cuja história foi marcada por constantes ditaduras (aquele movimentozinho bem comum onde eu poderia ser preso, torturado ou morto – ou tudo junto – por estar escrevendo isso e, certamente, estar desagradando um segmento qualquer, a alguém mais importante). Ditadura colonial, ditadura imperial, ditadura republicana, ditadura militar... Ditadura para todos os gostos, inclusive o seu, caso goste do “teor” nacionalista, opressor e moralista muito comum ao levante dos ditadores. Muito recentemente isto vem sendo alterado nas terras tupiniquins. Sem muitas delongas: desde quando o PT assumiu o governo federal. Não, não somos petistas. Eu, que vos escrevo, particularmente, não possuo filiação alguma ao partido. A não ser uma. A filiação ideológica, consciente e politizada de como brasileiro perceber os avanços que o país onde vivo, onde nasci, vem experimentando ultimamente. Olavo Bilac diria: “Ora direis ouvir estrelas! Certo perdeste o senso!”. E nós vos diremos: Ora direis que isto é besteira! Certo enlouquecemos? Loucos são aqueles que mesmo ouvindo a música prendem-se ao pudor de não dançar. A corrupção, os escândalos, as contradições existem, sim, no atual governo brasileiro. Ingênuos seríamos de pensar, ou propor a vocês isso, que a atual linha governista do Brasil é um espectro de perfeição. Na verdade, fazemos questão de lembrar o valor de um governo petista aqui por outras razões. Dentre elas uma em especial: o nosso país nunca – em qualquer momento da sua história – foi tão Brasil como é hoje. Nunca possibilitou tantos caminhos ao povo que realmente é Brasil. Nunca foi tão nosso, como brasileiros, como caminha hoje nessa perspectiva. Aos que discordam, sugiro deixar a revista VEJA de lado, desligar a Globo um pouquinho, parar o culto de endeusamento da colega Sherazade e estudar o que é um governo popular, como isso se constrói, como se faz política com e para o povo. Sugestão apenas. De imposições, vive outra galera. 

Chegamos, pois, a Ipanguaçu. Leonardo Oliveira, prefeito reeleito na última eleição com cerca de 1.800 votos de maioria, está sendo cassado pela justiça eleitoral do estado. Temos visto muitas justificativas de alguns corações um tanto conturbados na nossa cidade. Sinceramente, parece mais uma questão religiosa. Deus, divindade que cultuamos, exemplo maior de amor que temos, está sendo comumente envolvido em justificativas até engraçadas, por assim dizer. Coitado, deve estar revoltado com o uso indevido que as pessoas têm feito do seu nome e o desuso que tem sido protagonizado no que se refere a sua lição maior: amar o outro. Rechaçamos e somos amplamente contrários, como cidadãos ipanguaçuenses, à retirada – mesmo que temporária – de Leonardo Oliveira do executivo municipal. Nossa cidade nunca desfrutou, mesmo em meio a tantas dificuldades, do que hoje possui. E faltaria espaço nesta rede social para apontar exatamente tudo de positivo que Ipanguaçu tem ganhado desde quando Leonardo assumiu a gestão municipal. 
Desfrutamos de uma atenção nunca dispensada ao povo anteriormente. Atenção no que diz respeito a desenvolvimento e não a assistencialismo barato e degradante. Dispomos de uma educação que ainda não é a melhor, mas é incomparável a que era oferecida anteriormente – seja no que se refere ao tratamento dos profissionais da educação, aos materiais dispensados aos alunos, a implementação de novos projetos educacionais, ao estabelecimento de parcerias ousadas para a educação das nossas crianças ou, simplesmente, à compreensão de que a educação, sim, pode mudar o mundo. Uma saúde que é preocupada com o outro, atendimento que atualmente goza de condições melhores que as oferecidas pelo próprio estado do RN. Espaços vitalícios de cultura e promoção da nossa cidade, o que era visto anteriormente como gasto, perda de tempo, caminho errôneo que “não dá voto”. Apoio aos agricultores familiares e demais pequenos negócios do campo que sequer era mencionado. E quando era, configurava-se como mero conchavo de troca vil entre poderes e mandados. Sinceramente, a gente até tenta pensar que essa gestão não é tão boa assim. Mas admitimos: fica difícil quando quem nos manda abrir os olhos, quando quem clama por justiça a Deus, tem testemunhos tão irrelevantes quanto a crítica do invejoso. Como falar da compra de votos, se você defendeu e defende abertamente os maiores artífices dessa política em nosso município? Como denunciar perseguição, se você compôs ou endossou gestões que oprimiram enquanto puderam as pessoas que simplesmente não concordavam com o desmando delas? Com que direito você pode pedir justiça e polimento político, se exatamente você não enxerga que está defendendo a volta de Ipanguaçu à verdadeira Idade Média, ao tempo de gritos, de subdesenvolvimento e de pouco pão. Caríssimo leitor, é preciso, sim, dividir o pão. Mas nós estamos em busca de algo maior: partilhar o caviar. Partilhar entre os ipanguaçuenses o que de melhor há entre os próprios ipanguaçuenses – na educação, na saúde, na economia, na agricultura e em todos os demais setores.

Lamentamos o que a cidade está enfrentando não porque dependemos da instituição “prefeitura” para sobreviver. Todos somos competentes o bastante para sonhar e construir nossas vidas. Caso contrário, os que já não ocupam os pedestais de outrora já teriam definhado. Mas não. Lamentamos porque acreditamos nos esforços ímpares de Leonardo, cuja força está enraizada etimologicamente em seu próprio nome – “bravo leão”. É com esse sentimento de pesar e revolta, mas de profundo otimismo e esperança, que atestamos que não vemos hoje, principalmente dentre os algozes de plantão, ninguém com a competência, com o espírito empreendedor e com a vitalidade necessárias para governar nossa cidade e ajudar nosso povo a desenvolver-se. Demagogia? Cada um opina como quer. Nós chamamos de representação popular, de voz social, de sentimento coletivo. Afinal seria, no mínimo, inócuo desconsiderar que a maior porcentagem de votos numa eleição ipanguaçuense – conseguida pelo prefeito Leonardo – seja expressão legítima do povo. O que está na história, lá está. Não sai mais. Seja um histórico de descaso com a população, opressão dos mais carentes e desleixo com o desenvolvimento; seja um caminho de constantes avanços, constantes conquistas e contínua força de vontade para fazer melhor – não só por obrigação, mas por dedicação a Ipanguaçu. Já que estamos falando de Ipanguaçuense para Ipanguaçuense. Na nossa terra, a voz deve ser do povo. E isso agride as vozes que ecoam dos lados, das adjacências, da onde pouco, quase nada, ou nada mesmo, se tem a contribuir. 

Convidamos aqueles que compartilham da nossa visão a compartilharem nossa mensagem. Chico Buarque cantou: “hoje você é quem manda, falou tá falado, não tem discussão, não”. Somos felizes por tomar outros versos, agora de Carlos Drummond de Andrade, para dizer que, com relação ao passado: “a festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou”. Ipanguaçu está crescendo, seu povo crescendo. O que antes era elogiado de fora, muito bem recebido e divulgado, encontra-se hoje aqui dentro: de Nova Descoberta a São Miguel. Em tempo algum, os ipanguaçuenses estiveram tão em evidência: no mundo, no país, mas principalmente, na própria Ipanguaçu. Uma cidade que não canta seu povo de nada prosperará, pois desvalida o essencial: sua gente. Assim são os gestores que escolhemos. Diferente disso é Leonardo Oliveira, que tem garantido uma equidade nunca vista no que tange às oportunidades para o povo e que são demandadas pelo próprio povo. Nossa posição contrária à cassação de Leonardo é clara e seus motivos também: cassá-lo não é só cassá-lo. É, primordialmente, cassar o nosso direito a uma cidade melhor, cassar o desenvolvimento que ora vivemos, cassar sonhos de um lugar melhor para se viver, cassar a paz que temos experimentado, cassar o respeito à dignidade do ipanguaçuense. Por isso, dizemos não à cassação. Sentimo-nos cassados também. O povo sente-se cassado. Aquilo que foi muito difícil de edificar está sendo cassado e ser conivente com isso é querer rememorar tempos onde o direito à opinião, por exemplo, era dilacerado. Daqui para melhor. Retrocesso é morte. E a premissa aqui é outra: não há revolução sem resistência. E pelo não retorno à agonia, resistiremos – ao passo que revolucionamos.

Artigo  extraído do facebook, escrito por André Magri, estudante do curso de letras pela UERN.

quinta-feira, 20 de março de 2014

Estudantes do Cursinho Pré-Universitário em Ipanguaçu são aprovados em Universidades do RN

Este ano mais de 28 alunos foram aprovados em mais de 16 cursos em Universidade públicas do RN, além de bolsas parcial e integral pelo ProUni. 


Em Ipanguaçu, desde 2012 alunos de escolas públicas vem tendo oportunidades a mais na hora de fazer o Exame Nacional do Ensino Médio(ENEM), isso porque um convênio entre a Prefeitura do município e a Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) vem oportunizando os jovens estudantes com aulas no Cursinho Pré-Universitário Popular, de forma gratuita.

As aulas são ministradas todos os sábados na Escola Municipal Professora Francisca da Salete Ribeiro no conjunto Ilha Nova, por alunos de Ipanguaçu dos mais diferentes cursos de graduação da Ufersa/Angicos-Mossoró, que recebem uma bolsa de extensão, financiado pelo município para a realização das atividades. A prefeitura ainda apoia contribuindo na alimentação e transporte para os estudantes virem do campo para assistir as aulas aos sábados.

Para a secretária de Educação, a professora Jeane Dantas, o cursinho tem sido uma importante política de inclusão dos jovens que estão concluindo ou já tenham concluído o ensino médio para ingressarem na universidade. “Desde o primeiro ano temos conseguido alcançado um bom êxito no projeto, acreditamos que este projeto pode oportunizar e democratização os alunos de nossas escolas a ingressarem na universidade”, fala a Jeane. 

No primeiro ano do cursinho mais de 70% dos alunos inscritos foram aprovados em universidades públicas como Ufersa, Ifrn, Uern ou com bolsas parciais eu integrais pelo Programa Universidade para Todos (ProUni). Neste ano, o número de aprovados chegou a 85% em cursos como: Ciência e Tecnologia, Licenciatura em Computação e Informática, Sistemas de Informação, Enfermagem, Serviço Social, Administração, Meio Ambiente, Licenciatura em Química, Música, Ciências Econômicas, Ciências Contábeis, Geografia, História e Medicina Veterinária. 

Rayron Ribeiro é um dos monitores do Cursinho Pré-Universitário Popular, ele disse estar feliz pela aprovação dos alunos, “fico muito feliz com o desempenho e sucesso dos nossos ex-alunos, futuros universitários, e quem sabe os próximos monitores! Isso prova o quanto batalhamos para chegarmos onde estamos. Acredito que quem faz escolha, escreve sua própria história, constrói seus próprios caminhos e alimentam os seus sonhos e no Cursinho Pré-Universitário, construo minha história, uma história que sempre terá um final feliz”, conta o monitor que é aluno do 7º período no curso em Licenciatura em computação e informática no campus da Ufersa em Angicos. 

Ipanguaçu é o único município do estado a financiar o projeto de extensão junto a Ufersa. Em municípios como Angicos, Caraúbas, Lajes, Afonso Bezerra e Pedro Avelino onde cursinho também funcionam, as bolsas dos monitores são pagas pela Secretaria de Estado de Educação e da Cultura.

Jeane Dantas, afirma ainda que tal política faz parte das inúmeras ações da Prefeitura através da Secretaria de Educação do município, em busca de ver os munícipes em um crescimento educacional e profissional, “continuaremos apoiando o Cursinho Pré-Universitário, o nosso governo tem acreditado e investido na educação nos mais diferentes âmbitos, partido do princípio que a educação tem papel fundamental na hora de mudar a vida das pessoas para melhor”, acrescenta a secretária, que informa ainda que o convênio com a Universidade deverá ser renovado e as aulas iniciadas ainda este semestre.




quarta-feira, 19 de março de 2014

Del Monte vai demitir 6,2 mil trabalhadores no RN e Ceará

Vinícius Menna
repórter

Seis mil e duzentas pessoas deverão ser demitidas no Rio Grane do Norte e no Ceará com a saída da Del Monte Fresh Produce Brasil do mercado internacional de banana. Principal exportadora do produto em solo potiguar, a Del Monte informou que deverá manter em torno de 700 dos 6.900 empregados no RN e CE, corte de quase 90% no número de colaboradores. O número é equivalente a três vezes e meia o total de trabalhadores contratados por todo o setor agropecuário nos dois estados, em 2013, que foi de 1.806, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, do Ministério do Trabalho e Emprego. A empresa não detalhou em quanto tempo as demissões vão ocorrer nem o total de trabalhadores que serão dispensados apenas no RN.

césar alvesPlantação de bananas no RN: a Del Monte vai reduzir em 38% a área destinada ao cultivo da fruta, no Rio Grande do Norte e Ceará


No estado, a Del Monte mantém 10 fazendas na região do Vale do Açu com 1.450 hectares de área plantada. De acordo com o gerente geral da Del Monte no Brasil, Sérgio Camacho, com a mudança de estratégia, até julho de 2014 essa área para o plantio de banana será diminuída para 900 hectares, o que equivale a uma redução de 38%. Em 2013, a produção da multinacional no RN fechou em 3,5 milhões de caixas de 18 quilos de banana, sendo que 60% desse valor – 2,1 milhões de caixas – foi para o mercado externo.

Na última semana, a Del Monte já havia anunciado que deixaria de produzir para o mercado internacional. Entre os motivos apontados pelo gerente geral da companhia está a cobrança de taxa de 40% para a banana brasileira que é exportada aos países europeus, enquanto que concorrentes são isentos devido a acordos comerciais. 

Sérgio Camacho acrescenta entre os fatores negativos os custos que seriam altos com insumos no RN e CE, em comparação com outros países produtores que competem com a Del Monte, além de dificuldades na liberação de agroquímicos que em outros países não são proibidos, o que gera custos maiores do que os enfrentados pelos concorrentes.

Na opinião do gerente geral, uma solução possível seria a diminuição da taxa de importação do produto, o que poderia ser viabilizado com negociações entre o Mercosul e a União Europeia. “O ambiente não é positivo. A Del Monte não pode seguir arcando com essa situação negativa. Estamos gratos por estar aqui. Não se trata de uma crítica. É uma decisão. Já estamos aqui há 12 anos e podemos dizer que é muito complicado exportar do Brasil”, afirma.

Com a mudança, a estimativa do gerente geral é que a produção em 2014 chegue a um patamar de 2,25 milhões de caixas de 18 quilos de banana no RN, que serão distribuídos para a Grande São Paulo, Ribeirão Preto, Campinas e Manaus. “Também estamos fazendo contatos para vender para a Bahia”, diz. A Del Monte planeja produzir coco nos 550 hectares que deixarão de ter bananas, ideia que ainda está em fase de estudo, segundo ele.

Deu na Tribuna do Norte, continue lendo aqui

Atendimento biométrico suspenso nos municípios da 29ª Zona

Em razão de princípio de incêndio na sala de equipamentos de comunicação do sistema de telefonia móvel e fixa no prédio da concessionária de serviços de telecomunicações Oi, no município de Assú, o atendimento da revisão biométrica nos municípios de Assú, Ipanguaçu, Porto do Mangue está suspenso.

Em Mossoró, o atendimento está instável desde ontem, em razão do mesmo problema.

Em Carnaubais e Itajá, a revisão segue normalmente, vez que em tais municípios a tecnologia de transmissão de dados é diferente.

Blog do VT

TRE-RN mantém cassação de prefeito e vice-prefeito de Ipanguaçu

O prefeito Leonardo Oliveira, do PT, e seu vice Josimar Lopes, do PSB, do município de Ipanguaçu, acabam de ser cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte. A decisão de segunda instância confirma sentença da juíza Aline Daniele Belém Cordeiro Lucas, de Assu.

O placar foi por 3 votos a 2. O prefeito Leonardo Oliveira, pela decisão do TRE, também deverá ser substituído pelo presidente da Câmara Municipal, vereador Geraldo Paulino, tão logo seja publicado o Acórdao da decisão da tarde desta terça-feira, 18, no Diário Oficial da Justiça. A decisão cabe recurso no Tribunal Superior Eleitoral.

Fonte: Jornal de Fato

sábado, 15 de março de 2014

Fim da exportação não é definitivo

Da Tribuna do Norte
Daísa Alves - Repórter

A decisão da multinacional americana Del Monte Fresh Produce Brasil Ltda em não produzir banana para o mercado internacional, anunciada esta semana, não é definitiva. Segundo fonte ligada ao setor de fruticultura, com a confirmação de acordos comerciais, possibilitando o custo-benefício da exportação, a empresa retornaria ao plantio da fruta de imediato. No entanto, o afastamento da Del Monte Brasil, do ramo da exportação da banana, deve ser sentido, significativamente, na relação empregatícia.
Rodrigo Sena
Plantação de banana: A Del Monte decidiu focar no BrasilPlantação de banana: A Del Monte decidiu focar no Brasil

Uma possível confirmação da diminuição da taxa de importação do produto, por meio de negociações entre o Mercosul e a União Européia, seria um dos fatores determinantes para o retorno ao mercado externo, pois as altas taxas de impostos desfavorecem a competitividade. Segundo Roberto Barcelos, presidente do Comitê Executivo de Fruticultura do RN (Coex), na exportação aos países europeus, cobra-se sobre a banana uma taxa de 40% de imposto, enquanto para as demais frutas o imposto está na média de 10%. Aos concorrentes, a taxa é zero, por acordos comerciais entre seus países.

A decisão da produtora de banana de converter em uma empresa de pequeno porte acarretaria na transformação das áreas de plantio. Em algumas fazendas, a empresa deixará de plantar bananas, para produzir outras culturas frutíferas. A conversão da linha de produção impactará com cortes no quadro de funcionários de maneira “significativa”, relata fonte.

Continue lendo, aqui.

Deputada confirma que pré-candidatura ao Senado está firme

Ainda na entrevista concedia à Rádio Rural AM, a deputada federal Fátima Bezerra confirmou que sua “pré-candidatura ao Senado firme, até porque não é um projeto pessoal, mas que se insere no contexto nacional, diante do desafio, a partir do próximo ano, de manter a governabilidade de ação parlamentar comprometida com o interesse da nação”.
Fátima destacou que “as manifestações de carinho estão cada vez mais intensas”“E estamos espalhando isso por todas as regiões. As conversas estão bastante avançadas com o PSD, liderado pelo vice-governador Robinson Faria, e tentando trazer mais partidos”, continuou Fátima.
Segundo a deputada, o PT segue firme priorizando a eleição da presidente Dilma e no RN “conquistar o Senado, manter a vaga na Câmara Federal e aumentar a presença na Assembleia Legislativa”. Sobre o palanque Dilma Rousseff, Fátima disse que a presidente terá o seu próprio palanque. “E todos os candidatos que tenham compromisso com a sua reeleição, embora o palanque natural seja o do PT pela natureza partidária”.
Por Robson Pires

Começa agendamento eletrônico para cadastro biométrico na região do Vale do Açu

Cadastramento biométrico agilizará eleições no município Cadastramento biométrico agilizará eleições no município
ASSÚ – Através da página eletrônica do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE/RN) já pode ser realizado o agendamento dos eleitores do município do Assú com referência ao cadastramento biométrico que ocorrerá na cidade e demais municípios circunscritos à 29ª Zona Eleitoral: Carnaubais, Ipanguaçu, Itajá e Porto do Mangue.
Porém, é explicado pelo responsável pela coordenação de Biometria do TRE, Rogério Torres, que somente o eleitorado de Assú poderá acessar o referido benefício. Nas outras cidades o trabalho ocorrerá nos postos de atendimento da Justiça Eleitoral dentro do calendário traçado pelo órgão da Justiça Eleitoral norte-rio-grandense.

O recadastramento biométrico foi regulamentado pela Resolução nº 23.335/2011 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e está sendo realizado gradativamente pela Justiça Eleitoral em todo o país. Ainda segundo a informação dada por Rogério Torres, o local de realização da tarefa biométrica em Assú é o Ginásio Poliesportivo Deputado Arnóbio Abreu.

ROTEIRO
Através do Provimento nº 6/2014, a Corregedoria do TRE/RN marcou para o período de 13 de março a 12 de abril de 2014, a revisão do eleitorado com coleta de dados biométricos dos municípios que integram a 29ª Zona Eleitoral. A atividade no município de Assú funcionará no período de 13 de março a 12 de abril; em Ipanguaçu, de 17 de março a 11 de abril; em Carnaubais, de 14 de março a 5 de abril; e, em Itajá e Porto do Mangue, de 18 de março a 5 de abril.

O Mossoroense 

Del Monte no Brasil emite comunicado e decide não exportar banana

Após a veiculação na mídia da suposta suspensão das atividades na multinacional Del Monte Fresh Produce Brasil, com uma de suas fazendas na cidade de Ipanguaçu, interior do Rio Grande do Norte, a direção da empresa emitiu um comunicado oficial na qual menciona a falta de condições internas desfavoráveis, sitando a seca como uma delas, além de não conseguir manter os altos custos com as exportações no mercado Europeu, a qual ainda se recupera da crise econômica.

Ainda no comunicado Del Monte afirma que vem fazendo mudanças significativas na área de banana, permitindo converter em uma empresa de menor porte, e que desde dezembro do ano passo seus clientes foram informados de tal decisão, visto que seus produtos estão sendo comercializados apenas no mercado nacional. 

Veja o comunicado na integra: 

Ante as especulações que surgiram a partir da decisão da Del Monte Fresh Produce Brasil de parar de exportar a partir da semana 26/2014, consideramos oportuno comunicar aos nossos trabalhadores, nossos clientes e ao público em geral que, depois de lutar por vários anos para alcançar uma operação que pudesse competir com os demais países latino-americanos produtores de frutas (Banana, Abacaxi e Melão) e ter oferecido emprego direto a 6.900 trabalhadores nos Estados do RN e CE, com uma logística de mais de 10 mil contêineres por ano, a Del Monte Brasil já não pode sustentar os altos custos e um mercado Europeu fraco, aliado a condições internas desfavoráveis (seca e outras) que impactaram de forma severa e negativa as nossas operações.

Por esse motivo, decidiu fazer mudanças significativas na área de Banana que permitam converter-se em uma empresa de menor porte, mas eficiente. Para isso, decidiu reduzir a operação mantendo produção somente para mercado nacional, buscando outras alternativas de culturas e, conservando, sem dúvida, nossos Sistemas de Gestão e Certificações, os quais são garantia absoluta dos nossos produtos a nível global, sendo o que nos mantêm na liderança e preferência dos consumidores na competitiva indústria mundial de frutas frescas.

Desde dezembro, nosso quadro gerencial comunicou tal decisão pessoalmente a nossa seleta carteira de clientes, sem ter havido nenhuma mudança desde então.

Após esclarecimentos, convidamos os consumidores a continuar preferindo nossos produtos, pois esta decisão considerou produzir somente nas nossas melhores plantações, assegurando não somente manter como melhorar de forma consistente a QUALIDADE e INOCUIDADE dos nossos produtos.

Comunicado extraído do blog, Pauta Aberta. 

Atenção professores

Estão abertas as pré-inscrições para os cursos de especialização em "Educação Especial" e em "Geo-História", no Campus de Assu/UERN. 

Os interessados devem procurar Fernanda, das 13h e 30min às 17h e 30min, na secretaria do campus.

Ótima oportunidade para ampliar conhecimentos.

quinta-feira, 13 de março de 2014

Prefeitura de Ipanguaçu dá início às atividades da Olimpíada de Língua Portuguesa

Em cerimônia realizada nesta última quinta (13) no Teatro Municipal Maria Eugênia Maciera Montenegro, foi lançada oficialmente a 4ª Edição da Olimpíada de Língua Portuguesa (OLP) - Escrevendo o Futuro. 

Com a participação de educadores da rede municipal e estadual do município, além de professores do Alto do Rodrigues, o lançamento pretendeu estimular os professores na participação da nova edição do concurso. O lançamento contou com o apoio da Prefeitura de Ipanguaçu, através da Secretaria de Educação. 

Segundo a coordenadora da OLP no município, Aloma Saraiva de Farias, na ocasião foi apresentada a ‘Caravana da Olimpíada’, que visitará todas as escolas divulgando a OLP. “Essa caravana objetiva motivar professores e alunos a participarem da olimpíada através de rodas de conversa com docentes e discentes que já participaram de outras edições. Eles contarão suas experiências para incentivarem a participação dos alunos novos ou que nunca participaram”, informa a professora. 

A caravana marca uma atividade pioneira em todo o Brasil, iniciativa que pretende formar grupos de estudo acerca de cada gênero discursivo privilegiado na configuração da OLP, para que assim possam ser efetivados os momentos de formação e troca de saberes entre professores e estudantes participantes do processo.

A Olimpíada é realizada a cada dois anos. Podem participar docentes e alunos de 5º ao 9º do ensino fundamental e 1º ao 3º anos do ensino médio. Os estudantes de 5º e 6º anos participarão no gênero poema, os alunos de 7º e 8º anos desenvolverão textos de memórias literárias e os do 9º ano do ensino fundamental e do 1º ano do ensino médio irão trabalhar com crônica. Os alunos do 2º e 3º ano do ensino médio articulam-se em torno do gênero artigo de opinião.

O lançamento em Ipanguaçu contou com a participação de Ladmires Luis Gomes Carvalho, professor da rede estadual na cidade de Natal, um dos semifinalistas em 2010 no gênero Crônica e vencedor nacional no gênero artigo de opinião em 2012, dentro da OLP. Registrou-se, ainda, a participação da secretária municipal de Educação, professora Jeane Dantas. Para a dirigente da educação municipal, o momento foi muito relevante: "acreditamos que este ano a OLP configurar-se-á num importante instrumento no processo de formação dos professores e alunos que integram esta competição nacional, auxiliando o desenvolvimento da aprendizagem dos nossos educandos e constando como atividade atrelada a iniciativas do próprio município, como o projeto Ipanguaçu, Cidade que Lê", destaca.