i

sexta-feira, 9 de julho de 2010

José de Deus na gangorra?

O jornalista Roberto Guedes levantou nesta sexta-feira (9), no Jornal de Roberto Guedes Via e-mail, um questionamento sobre a presença do ex-prefeito de Ipanguaçu, José de Deus, como segundo suplente na chapa para reeleição do senador Garibaldi Filho.

Com uma matéria cuja manchete é ‘Depois de Benes, Garibaldi Filho precisa se afastar do candidato a suplente’, o jornalista Roberto Guedes diz que ‘o senador Garibaldi Alves Filho, candidato à reeleição pelo PMDB, descobriu-se nesta quinta-feira, 8, ontem, envolvido com outro cavalo de tróia, do qual provavelmente precisará se livrar, sob pena de, mantendo-o perto de si, prejudicar o relacionamento que precisa manter, ao longo da campanha eleitoral em curso, com a colega Rosalba Ciarlini, a governadorável do Dem. Trata-se do policial rodoviário federal José de Deus Barbosa, ex-prefeito de Ipanguaçu, no Vale do Açu, e filiado ao PR... Garibaldi Filho soube que precisará tomar uma decisão quanto a mantê-lo ou não na candidatura ontem, durante encontro que Rosalba manteve com seus aliados, num hotel da orla marítima natalense.”

Em seguida Roberto Guedes levanta a tese que a indicação de José de Deus pelo PR de João Maia teve a finalidade de enfraquecer à candidatura de Rosalba Ciarlini. E acrescenta: “A inclusão do policial rodoviário [José de Deus] na chapa do Senador serviu ontem para que aliados deste se perguntassem sobre como ele aceitou passivamente a situação sem questionar antes nada sobre o currículo e propósitos do novo acólito e sem participar esta agregação, previamente, ao aliado mais importante para ele na presente campanha, o candidato de seu grupo ao governo do Estado.”

Roberto Guedes levanta a hipótese que o deputado federal João Maia (PR), responsável pela indicação de José de Deus, deixou a indicação para a última hora “porque então Garibaldi Filho estaria tão ansioso para registrar sua chapa no Tribunal Regional Eleitoral que não prestaria muita atenção no que estivesse desembarcando em seu palanque.” E acrescenta que “de fato, o Senador acatou prontamente o nome de José de Deus e informou a todos os correligionários mais próximos sobre a aquisição, que até lhe parecia uma compensação pelo fato de estar perdendo a atuação de Benes Leocádio como coordenador geral de sua campanha.”

O jornalista diz na matéria que na noite da quarta-feira, “políticos de Ipanguaçu e de Assu subsidiaram Rosalba e principalmente o marido desta, agropecuarista e ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado, presidente do diretório municipal do Dem em Mossoró e principal “sparring” e colaborador da candidata, sobre a vinculação que João [José] de Deus estava criando, em detrimento da senadora, entre as candidaturas de Garibaldi Filho e Iberê.”

Em seguida Roberto Guedes diz que a candidatura de José de Deus a suplente de senador “foi articulada por Ronaldo Soares, nas negociações em que pactuou com João Maia seu apoio à reeleição deste e de Iberê. Até então, José de Deus apoiava a candidatura do deputado estadual Ricardo Motta pelo PMN e, portanto, no bloco de oposição a Iberê. Para se acertar com João Maia e com o governador, Ronaldo incluiu na agenda a conquista do apoio de José de Deus para a candidatura de seu primogênito, George...”

Para Roberto Guedes “incluir José de Deus no estafe da coligação que o Senador compõe informalmente com Rosalba significaria Garibaldi Filho mostrar diariamente à colega uma defecção que a incomodaria, a exemplo do que aconteceria com a manutenção de Benes como coordenador da campanha pela sua recondução ao Senado. Por isto horas depois de Garibaldi Filho se tranqüilizar quanto à formação de sua chapa, o chamado “rosalbismo” passou a lhe mostrar que o ato de arrumar a sua casa correspondia de certa forma a desarrumar a de sua candidata ao governo, em benefício exatamente do concorrente mais estruturado.”

Roberto Guedes finaliza a matéria dizendo que se Garibaldi Filho “mantiver José de Deus na sua chapa, estará abrindo um fosso entre ele e Rosalba, aliada com a qual há mais de três anos trabalha em função das urnas de outubro próximo. Se, porém, resolver se descartar de José de Deus, desarrumará o entendimento entre João Maia e Ronaldo, no qual o deputado investiu muitos argumentos nos últimos dias.”
 
*retirado do blog de Samuel Jr.

Patrimônios

Reunião esclarecerá prefeitos sobre projetos do PAC 2

As formas de acesso, o cronograma e os critérios de seleção do PAC2 serão esclarecidos na próxima segunda-feira, 12, às 15h, pelo Grupo Executivo do Programa de Aceleração do Crescimento - GEPAC, em reunião que será realizada no auditório do IFRN/Cidade Alta, em Natal, para gestores de municípios que possuem menos de 50 mil habitantes.
Segundo a deputada Fátima Bezerra (PT), o evento vai abordar projetos nas áreas de habitação, pavimentação e aquisição de máquinas e equipamentos. "É uma reunião de trabalho para dar oportunidade aos prefeitos de tirar todas as dúvidas sobre os projetos", ressaltou a deputada.

A reunião é promovida pela Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República.

Do Rio Grande do Norte, devem participar gestores de 158 municípios:

Acari / Afonso Bezerra / Água Nova / Alexandria / Almino Afonso / Alto do Rodrigues / Angicos / Antônio Martins / Apodi / Areia Branca / Arês / Augusto Severo / Baía Formosa / Baraúna / Barcelona / Bento Fernandes / Bodó / Bom Jesus / Brejinho / Caiçara do Norte / Caiçara do Rio do Vento / Campo Redondo / Canguaretama / Caraúbas / Carnaúba dos Dantas / Carnaubais / Cerro  Corá / Coronel Ezequiel / Coronel João Pessoa / Cruzeta / Currais Novos / Doutor Severiano / Encanto / Equador / Espírito Santo / Extremoz / Felipe Guerra / Fernando Pedroza / Florânia / Francisco Dantas / Frutuoso Gomes / Galinhos / Goianinha / Governador Dix-Sept Rosado / Grossos / Guamaré / Ielmo Marinho / Ipanguaçu / Ipueira / Itajá / Itaú / Jaçanã / Jandaíra / Janduís / Japi / Jardim de Angicos / Jardim de Piranhas / Jardim do Seridó / João Câmara / João Dias / José da Penha / Jucurutu / Jundiá / Lagoa d'Anta / Lagoa de Pedras / Lagoa de Velhos / Lagoa Nova / Lagoa Salgada / Lajes / Lajes Pintadas / Lucrécia / Luís Gomes / Macau / Major Sales / Marcelino Vieira / Martins / Maxaranguape / Messias Targino / Montanhas / Monte Alegre / Monte das Gameleiras / Nísia Floresta / Nova Cruz / Olho d'Água do Borges / Ouro Branco / Paraná / Paraú / Parazinho / Parelhas / Passa e Fica / Passagem / Patu / Pau dos Ferros / Pedra  Grande / Pedra Preta / Pedro Avelino / Pedro Velho / Pendências / Pilões / Poço Branco / Portalegre / Porto do Mangue / Presidente Juscelino / Pureza / Rafael Fernandes / Rafael Godeiro / Riacho da Cruz / Riacho de Santana / Riachuelo / Rio do Fogo / Rodolfo Fernandes / Ruy Barbosa / Santa Cruz / Santa Maria / Santana do Matos / Santana do Seridó / Santo Antônio / São Bento do Norte / São Bento do Trairí / São Fernando / São Francisco do Oeste / São João do Sabugi / São José de Mipibu / São José do Campestre / São José do Seridó / São Miguel / São Miguel do Gostoso / São Paulo do Potengi / São Pedro / São Rafael / São Tomé / São Vicente / Senador Elói de Souza / Senador Georgino Avelino / Serra de São Bento / Serra do Mel / Serra Negra do Norte / Serrinha / Serrinha dos Pintos / Severiano Melo / Sítio Novo / Taboleiro Grande / Taipu / Tangará / Tenente Ananias / Tenente Laurentino Cruz / Tibau / Tibau do Sul / Timbaúba dos Batistas / Touros / Triunfo Potiguar / Umarizal / Upanema / Várzea / Venha-Ver / Vera Cruz / Viçosa / Vila Flor.

*O mossoroense

O BISPO MAGNUS HENRIQUE LOPES VAI AO REGIStrando

Convidado pela produção do programa REGIStrando, o Bispo Magnus Henrique Lopes,  natural de Assu, vai estar neste sábado 10 de julho no programa REGIStrando como convidado especial.
Voce poderá ouvir atraves do site: www.radioprincesadovale.com.br
REGIStrando

Laudo beneficia município de Carnaubais. Mas prefeito de Assu decide ir à Justiça outra vez

Carnaubais e Assu disputam a posse de comunidades e poços de 
petróleo no limite entre as cidades
A Secretaria Estadual de Assuntos Fundiários e Apoio à Reforma Agrária (Seara) enviou há cerca de duas semanas, à Agência Nacional do Petróleo (ANP), um laudo apontando que a área onde está localizada a estação coletora “Estreito B” fica no território de Carnaubais. O resultado confirma um primeiro laudo, produzido em maio por técnicos da secretaria e do IBGE, e só acirra a disputa entre o município contemplado e Assu, pela posse de comunidades e poços de petróleo no limite entre as duas cidades.
 
O prefeito de Carnaubais, Luizinho Cavalcante, comemora a conclusão do laudo e espera que a prefeitura volte a receber os recursos de royalties do petróleo produzido pela estação coletora, que, segundo ele, totaliza até R$ 150 mil por mês e que há cerca de três anos estaria sendo pago indevidamente ao município de Assu. Já o prefeito de Assu, Ivan Júnior, nega que tenha havido transferência de royalties a favor de seu município, mas promete entrar na Justiça pelo direito aos recursos da região.
“Estamos entrando judicialmente. Esse laudo da Seara é o mesmo de antes, que já havíamos contestado. A Seara ficou mantendo a questão em ‘banho-maria’ e, por isso, decidimos acionar a Justiça. Estamos contratando um especialista em georreferenciamento e vamos apresentar os dados técnicos que provam que a área pertence a nosso município”, afirma Ivan Júnior.

Questionado sobre o que achava do laudo da Seara, o prefeito de Assu foi claro: “O governo é contra a gente.” Ele pertence a um grupo de oposição a Iberê Ferreira de Souza, ao contrário de  Luizinho Cavalcante, aliado político do governador. Ivan Júnior garante que a cidade de Assu tem direito a receber os royalties dos poços da região de Mutambinha e Vila Nova, mas nega que isso já tenha sido obtido junto à ANP. A agência informou em maio, através de sua assessoria, que de fato não houve transferência dos direitos sobre os royalties entre os dois municípios.

Luizinho Cavalcante, no entanto, afirma que Carnaubais vem perdendo sim, e estima o valor em cerca de R$ 150 mil mensais. “É muito feio entrar na casa dos outros e levar o que não lhe pertence”, critica o prefeito. De acordo com ele, a ANP ainda não se pronunciou a respeito do novo laudo da Seara, mas a expectativa é que os valores relativos a “Estreito B” mais que dobrem o volume de royalties recebidos atualmente pelo município, que gira em torno dos R$ 100 mil mensais.
“Estamos prontos para qualquer discussão judicial, só não entramos na Justiça por entendermos que o processo administrativo seria menos doloroso em toda essa história”, diz Luizinho Cavalcante.
O secretário de Assuntos Fundiários e Apoio à Reforma Agrária, Paulo Henrique de Macêdo, não se mostrou surpreso com a ação que a Prefeitura de Assu pretende ingressar, mas garante que a análise feita pelo órgão sobre a localização da área, que deu ganho de causa a Carnaubais, foi exclusivamente técnica. 
Polêmica se acirrou em 2006
Desde que Carnaubais se emancipou de Assu, em 1963, a população das comunidades de Vila Nova e Mutambinha se consideram moradores do novo município. Porém, em 2006, quando da elaboração do Plano Diretor de Assu, o então prefeito Ronaldo Soares identificou que a região pertenceria à sua cidade. Desde então a polêmica vem se acirrando e tem ganho fôlego devido à presença de mais de uma centena de poços de petróleo na área em litígio.

A Prefeitura de Carnaubais reclama que os royalties desses poços, assim como o ICMS e o ISS gerado nas duas comunidades, teriam sido transferidos para Assu, o que representaria perda de cerca de R$ 2 milhões anuais aos cofres do município. No entanto, o atual prefeito de Assu, Ivan Júnior, afirma que não houve transferência e sim queda na arrecadação dos royalties, provavelmente por diminuição da produção.

De acordo com Assu, de 134 poços da região, os royalties de 20 estariam sendo pagos ao município, outros 80 a Carnaubais e os demais não viriam produzindo. A situação não teria mudado depois do Plano Diretor, mas Ivan Júnior admite que a Prefeitura vai lutar para receber pelos 80 poços que hoje geram dinheiro para a cidade vizinha. Em meio à disputa, as comunidades de Vila Nova e Mutambinha sofrem com problemas como o de moradia, já que muitas casas ainda são de taipa. A região é carente de equipamentos públicos, como posto de saúde e áreas de lazer, e a infraestrutura é mínima.
 
Fonte: Tribuna do Norte