i

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

‘Melhor do Mundo’ não muda de mãos: Messi é bi, e Marta é penta

Craque argentino supera os companheiros de Barcelona Xavi e Iniesta e
fatura a Bola de Ouro. José Mourinho é eleito o melhor técnico de 2010


or Bianca RothierDireto de Zurique, Suíça
Bola de Ouro Messi MartaLionel Messi e Marta repetem dobradinha de 2009: melhores do mundo em 2010 também  (Foto: EFE)













Os prognósticos de que a Copa do Mundo seria um fator decisivo falharam. E o título de melhor jogador do mundo é, pela segunda vez consecutiva, de Lionel Messi. O craque argentino não conquistou a Liga dos Campeões nem o Mundial na África do Sul, mas seu desempenho pelo Barcelona o fez superar os amigos espanhóis Xavi Hernández e Andrés Iniesta em eleição divulgada nesta segunda-feira no Teatro Kongresshaus, em Zurique, cidade-sede da Fifa. Entre as mulheres, a brasileira Marta seguiu soberana ao se sagrar pentacampeã de forma consecutiva e fez os protagonistas serem os mesmos de 2009.
Messi já havia conquistado a mesma premiação em janeiro do ano passado, mas de forma muito mais tranquila, já que havia comandado o Barça em incríveis seis títulos na temporada. Dessa vez, jornais espanhóis e italianos chegaram até a bancar sem citar fontes que o título ficaria com algum campeão mundial, seja ele Xavi ou Iniesta.
Exceção ao espanhol "Marca", diários também falharam ao apontar o espanhol Vicente del Bosque como melhor técnico. Campeão da tríplice coroa com o Inter de Milão, o português José Mourinho, que chegou atrasado por conta de problemas com o voo, estreou a premiação. O atual treinador do Real Madrid se emocionou no palco e citou os títulos da Copa da Itália, Campeonato Italiano e Liga dos Campeões após abraçar os ex-comandados Lucio, Maicon e Sneijder, além de Casillas.
Tanto Messi quanto Iniesta e Xavi foram formados em La Masia, a fábrica de craques do clube catalão. Com a oitava conquista da Bola de Ouro, o Barcelona se igualou a Milan e Juventus entre os maiores vencedores. Foi também o mesmo número se levado em conta somente as premiações da Fifa, dessa vez de forma isolada – o Real Madrid é o segundo, com quatro.
Bola de OuroCristiano Ronaldo, Sneijder, Xavi e Messi na seleção dos 11 melhores em votação de jogadores  (Foto: EFE)
Brasileiros também estiveram presentes na festa. O lateral-direito Maicon e o zagueiro Lucio, ambos do Inter de Milão, figuraram na seleção do planeta (Fifa/FIFPro World XI), que contou ainda com seis espanhóis campeões na África do Sul, Sneijder, Cristiano Ronaldo e, é claro, Lionel Messi.
Seleção feminina sub-17 do Haiti e arcebispo sul-africano também são homenageados
O terremoto de sete graus na escala Richter devastou o Haiti em janeiro, mas não impediu que duas dezenas de meninas continuassem treinando a apenas 25 quilômetros do epicentro do abalo. O fato fez com que a Fifa desse à seleção feminina sub-17 do país Prêmio Fifa Fair Play de 2010. "Sem o futebol, não sobraria nada", disse a capitã Hayana Jean François ao receber a honraria.
O Prêmio Fifa Presidencial ficou com o arcebispo sul-africano Desmond Tutu, um dos responsáveis para o sucesso da Copa do Mundo de 2010. “Foi um torneio além das expectativas. É preciso enfrentar uma mentira de frente. É importante realizar juntando ricos e pobres. Percebemos que todos somos uma família. Deveria ter trazido minha vuvuzela”, brincou.

Fonte: G1

A cantiga de grilo dos governadores no RN

Parece cantiga de grilo. As eleições para o governo de estado, embora seja de quatro em quatro anos, repete sempre velhas histórias.


Em março de 1987, Geraldo Melo assumiu o governo do estado e prometeu fazer as mudanças que o Rio Grande do Norte tanto pediu. No seu discurso de posse falou das dificuldades financeiras que o Estado tinha e garantiu que um “Novo Tempo” estaria chegando para os potiguares. Logo nos primeiros dias viajou para Brasília atrás dos recursos salvadores para o RN.
Em janeiro de 1991, José Agripino retornou ao governo do Rio Grande do Norte e prometeu recuperar o Estado que tinha perdido o Bandern. Prometeu modernizar o Estado assim como o então presidente Collor prometeu modernizar o Brasil. Logos nos primeiros dias de governo viajou para Brasília em busca dos recursos salvadores para o RN.
governadores

Em janeiro de 1994, Garibaldi Filho assumiu o governo do Rio Grande do Norte e prometeu um ampla reforma administrativa cortando cargos comissionados, secretarias e órgãos estaduais. Reclamou como os ex-governadores Geraldo Melo e José Agripino das dificuldades financeiras do Estado e foi a Brasília atrás dos recursos financeiros salvadores.

Em janeiro de 1999, Garibaldi, reeleito, assumiu o governo e prometeu melhorar em relação ao seu primeiro governo.
Em janeiro de 2002, Wilma de Faria assumiu o governo embalada no clima de mudança que o presidente Lula puxou Brasil afora. Falou das dificuldades financeiras do Estado, prometeu mudar a prática política no Rio Grande do Norte e viajou para Brasília atrás dos recursos financeiros salvadores.
Em janeiro de 2006, Wilma de Faria, reeleita, assumiu o governo e prometeu avançar em relação ao seu primeiro governo.

Em janeiro de 2011, Rosalba Ciarlini assumiu o governo do Rio Grande do Norte e repetiu a cantilena dos governadores que a antecederam sobre as condições financeiras do Estado. Já prometeu viajar para Brasília em busca de recursos para salvar o RN.

Como farsa, a história se repete no Rio Grande do Norte. Os personagens principais estão sempre se revezando nas principais cadeiras do poder, ora como adversários, ora como aliados, mas sempre como as mesmas práticas e argumentos. Basta checar os registros históricos.


*Matéria enviada por Edimilson José