i

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Secretaria de Agricultura alerta para o prazo de inscrição do programa Garantia Safra que terminará dia 15

O Secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Jaires Azevedo, esteve na capital do estado no inicio desta semana para se informar sobre alguns projetos ligados a secretaria. Conforme o secretário, uma das visitas se deu a Secretaria de Agricultura do Estado onde se reuniu com a coordenadora do programa Garantia Safra e com a equipe da EMATER/RN.
Na reunião o secretário foi informado do fim do prazo de inscrição que esta acabando para os agricultores se inscreverem no programa Garantia Safra. O benefício é um seguro que garante renda em caso de perda das lavouras.
Caso a seca ou as chuvas venham causar prejuízos, o produtor rural recebe quatro parcelas de R$ 160, que somando dá R$ 640. “O bom é que o agricultor tem uma segurança, uma garantia que está plantando e se porventura vier a perder a lavoura, terá o seguro ativado, o valor é pequeno mais ajuda”, frisa Jaires Azevedo, secretário de agricultura.
O prazo para a inscrição no Garantia Safra termina dia 15 de janeiro e poderão ser feitas no escritório da EMATER na cidade.
Para se inscrever é necessário que o agricultor se enquadre no Pronaf - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar. O agricultor também precisa pagar uma taxa única de R$ 6,40.

Barragem Armando Ribeiro deverá ter obra de recuperação iniciada nos próximos dias

A obra de recuperação da parede da barragem Armando Ribeiro Gonçalves deverá ser iniciada brevemente.

A empresa deverá receber a ordem de serviço nos próximos dias. A informação foi de uma fonte do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs).

Vamos torcer para que realmente aconteça o controle da erosão na parede do maior reservatório d'água do Rio Grande do Norte.
 

RN está entre 13 de risco mais elevado

O Rio Grande do Norte está na lista dos 13 Estados de maior risco de epidemia de dengue no Brasil, de acordo com o novo mapa da doença divulgado ontem pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Natal aparece entre os 36 municípios onde a situação é mais grave e que, portanto, terão atenção redobrada das autoridades.

O RN é também um dos que não enviaram plano de contingência ao Ministério até o momento. Por conta disso, Padilha determinou que se faça o acompanhamento sistemático da implantação desses planos, com monitoramento semanal de casos e diários de mortes pela doença. Atualmente, esse trabalho é mensal.

O monitoramento será feito em parceria com as Secretarias Estaduais de Saúde e vai integrar as ações de vigilância, assistência e mobilização em saúde. Na próxima semana, o ministro se reunirá com secretários de Saúde dos 16 Estados com risco muito alto de epidemia da doença. "A cobrança e a parceria do Ministério da Saúde com esses secretários é a implantação das diretrizes de combate à dengue e a rede de atenção. Os Estados têm papel fundamental de apoiar municípios", disse Alexandre Padilha. 

O novo mapa da doença foi traçado com base no Risco Dengue, ferramenta lançada pelo Ministério da Saúde em setembro de 2010, que leva em consideração seis critérios básicos, dos quais quatro são do setor Saúde - incidência atual de casos; incidência de casos nos anos anteriores, índices de infestação pelo mosquito Aedes aegypti e sorotipos em circulação. O quinto critério é ambiental - cobertura de abastecimento de água e coleta de lixo; e o último é demográfico - densidade populacional. 

A mudança no mapeamento se deve aos novos dados do LIRAa e ao monitoramento do número de casos de dengue no início de 2011. Atualmente, de acordo com as Secretarias Estaduais de Saúde, cinco Estados apresentam aumento no número de casos da doença: Amazonas, Acre, Mato Grosso, Goiás e Espírito Santo.

Em setembro de 2010, quando o Risco Dengue foi lançado, o Rio Grande do Norte estava com risco "alto". No novo levantamento a sua situação piorou e o Estado foi enquadrado na lista do risco "muito alto" de epidemia.

No mapa atual do país, Acre, Amazonas, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Tocantins, Mato Grosso, Espírito Santo e Rio de Janeiro são os Estados com alto risco de enfrentar epidemia neste começo de ano. Roraima, Amapá, Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul estão com risco alto para a dengue e também precisam reforçar as ações de prevenção e combate à doença. 

"É importante nos antecipar a um crescimento de casos e óbitos de dengue. Para isso, estamos monitorando, nesses 70 municípios, o número de óbitos diariamente e o número de casos semanalmente", completou Alexandre Padilha.

Fonte: Jornal de Fato