i

quarta-feira, 6 de maio de 2009

SECRETÁRIOS DE SAÚDE DISCUTEM CONFECÇÃO DE DIAGNÓSTICO DE CADA MUNICÍPIO HOJE EM ASSU

Está confirmada para esta quarta-feira, 6 de maio, a partir de 9h30, na sede da Secretaria Municipal de Saúde, em Assú, a realização de uma reunião de trabalho contando com a participação dos secretários de Saúde dos municípios que estão pactuando a criação do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento. Tal acontecimento foi agendado por ocasião do segundo encontro de prefeitos do Consórcio, realizado dia 28 de abril último, na cidade de Porto do Mangue. Naquela oportunidade pautaram a discussão os temas “Saúde” e “Cultura”. No tocante a Saúde, de acordo com a secretária Maria Goretti da Costa Fonseca, foi definido que aconteceria este encontro para que cada secretário possa elaborar o diagnóstico individual de seu município. Este diagnóstico será apresentado por ocasião do terceiro encontro dos prefeitos, antecipadamente marcado para o dia 26 de maio, uma terça-feira, também na cidade do Assú. Goretti Fonseca frisou que, no encontro de quarta-feira também entrará no debate a Programação Pactuada Integrada (PPI). A secretária de Saúde de Assú transmitiu que um encontro de secretários foi realizado na segunda-feira, 4 de maio, em Assú. Estiveram presentes os secretários municipais de Saúde de Assú, Pendências, Alto do Rodrigues, Itajá, Carnaubais, Porto do Mangue e Ipanguaçu. Goretti Fonseca salientou que o resultado da reunião foi à elaboração de um documento reivindicatório, assinado por todos os presentes, dirigido ao secretário estadual de Saúde, George Antunes. Entre as reivindicações constam: kit medicamento para cada município; 03 (três) ambulâncias para ficar disponível no Hospital Regional Dr. Nélson Inácio dos Santos; equipe médica 24 (vinte e quatro) horas na referida unidade hospitalar estadual; e, implantação efetiva do aparelho de Raios-X também na instância do Hospital Regional.

VEM MAIS PROMESSA AÍ: MINISTRO VAI SOBREVOAR VALE DO AÇU

A convite do deputado Henrique Alves, a proxima autoridade a sobrevoar o vale do Açu, será o ministro da integração nacional, Gedel Vieira.

Vimos esse filme o ano passado, quando sofremos o mesmo efeito com as enchentes e as promessas do governo federal que resultou em medidas paliativas e tardias, o que prova o pouco caso em que é visto na otica do poder o sofrimento do agricultor nordestino.


Esperamos que desta vez o passeio aéreo das autoridades, resulte em ação efetiva e que recursos sejam alocadaos com a maior brevidade.



FONTE: REGIStrando

Nivel das águas.

Nesta manhã de quarta feira 06, as 06:38hs, a Barragem Armando Ribeiro Gonçalves sangra com uma lamina de: 2,40cm, a barragem vem diminuindo 2cm por hora.

E o açude de Pataxó sangra com 26cm.

Nos bairros de Ipanguaçu, as águas das cheias vem diminuindo bem rapida, também não passa mais água na BR - 016 na entrada da cidade, onde antes se fazia uma correntesa de água assustadora entre outros bairros da cidade.

O momento agora e de ajudar as pessoas que estão desabrigadas, rever os extragos nas extruturar das casas e plantações.

RN corre risco de sofrer mais um ano com epidemia de dengue.



O Rio Grande do Norte corre o risco de uma epidemia de dengue este ano’’.A afirmação é da subcoordenadora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Estadual de Saúde (Sesap), Juliana Araújo. A chegada do período de chuvas no estado, o armazenamento dágua de forma inadequada - especialmente nas cidades do interior e o lixo jogado nas ruas e terrenos baldios podem contribuir para o surgimento de um novo surto da doença. Outro problema enfrentado para conter os novos casos da doença, segundo Juliana, é o aumento do Índice de Infestação Predial. A maioria dos 167 municípios potiguares estão com o índice acima do preconizado pelo Ministério da Saúde que é de até 1%. Juliana afirma que existem municípios que apresentam o índice atual de 30%. Ou seja, a cada 100 imóveis visitados pelo agente de endemias, 30 apresentam focos do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue. Juliana ainda informou que 80% dos casos notificados no RN, em 2008, foram concentrados em 20 cidades - conhecidos como municípios prioritários. Desde o ano passado essas cidades estão recebendo uma atenção diferenciada por parte da Sesap. A utilização do carro fumacê, o sistema de abastecimento de água e o lixo jogado pela população nas ruas são alguns dos critérios avaliados para tornar um município prioritário. ‘‘Os gestores tiveram que elaborar um plano de ação para combater a doença e receberam capacitação da Sesap’’, afirma. Em 2008 o RN contabilizou 43.812 casos notificados de dengue. Destes, 417 foram confirmados como dengue clássica, 362 como Febre Hemorrágica da Dengue (FHD) e 12 óbitos. De janeiro a abril deste ano foram notificados 1.683 casos, sendo 22 com suspeita da forma hemorrágica da doença e seis óbitos notificados sem confirmação. Uma redução de 1.360,96% se comparando com o mesmo período do ano passado quando foram notificados 24.588 casos. Apesar da aparente redução nos quatro primeiros meses deste ano, Juliana diz que o momento é de cautela e prevenção porque o estado ainda está no período chuvoso. ‘‘Tivemos uma epidemia horrível ano passado e estamos correndo sérios riscos de enfrentar outra se a população não cooperar. É necessário lembrar da importância de limpar as casas e terrenos, não jogar o lixo nas ruas e tampar as caixas d’água, potes e depósitos que armazenam água. Essas pequenas atitudes podem salvar muitas vidas’’, lembra Juliana.


Tipos

A subcoordenadora alerta para outro fator que pode ser determinante no caso de um novo surto da doença, a provável chegada ao Brasil do tipo sorotipo nº 4, que foi detectado na Venezuela, país que faz fronteira com Roraima, estado da Região Norte. Como ainda não foi notificado nenhum caso da doença no Brasil referente ao sorotipo nº 4, as pessoas não tem imunidade. ‘‘Temos casos dos sorotipos 1, 2 e 3 e já sabemos como é. O problema é que como não tivemos nenhum caso do tipo 4, o organismo dos brasileiros não está preparado e todos estão suscetíveis a contrair a doença’’, disse. Os sintomas são basicamente os mesmos, porém a intensidade como cada pessoa vai desenvolver a doença é desconhecida. ‘‘Como não conhecemos o sorotipo fica mais complicado de tratar, por isso a importância de evitar a doença afastando o mosquito. Esse é um problema de todos’’, disse. Juliana explica que o RN conta atualmente com 2.548 agentes de endemias e 366 supervisores. ‘‘Durante o ano eles fazem seis ciclos, ou seja, visitam os imóveis a cada dois meses’’, afirma.

Aviões fará show hoje em Guamaré


Nesta quarta-feira, 6, começam as festividades em alusão ao aniversário de emancipação política de Guamaré. A programação consta de shows com as Bandas Aviões do Forró e Garotões do Forró (06), Forró do Muido e Pegação (07) e Show de Joana (08).


Histórico da Emancipação Política de Guamaré


O município de Guamaré, localizado no litoral norte potiguar, pertenceu à jurisdição dos municípios de Açu, Angicos e Macau. A sua Emancipação Política teve como propositor o Deputado Veras Saldanha e como relator o Deputado Jácio Fiúza, que através do Processo 071/62 defenderam na Assembléia Legislativa a liberdade sonhada pelo povo dessa terra, que já buscava há muito sua independência. A Lei 2.744 que criou o município de Guamaré foi aprovada no dia 01 de maio de 1962 e sancionada pelo Governador Aluízio Alves no dia 07. Sua publicação deu-se no Diário Oficial em 09 de maio de 1962.


O Governador do Estado nomeou no dia 10 de dezembro de 1962, conforme o Art. 3º da Lei 2.744, o Sr. João Batista Carmo, como Prefeito do Município de Guamaré, o qual foi empossado no dia 11, na Secretaria do Interior e Justiça de Natal. João Batista do Carmo governou Guamaré, até 30 de janeiro de 1964 quando deu posse ao primeiro Prefeito Constitucional eleito pelo voto popular, Luiz Virgílio de Brito.

S.O.S IPANGUAÇU ENCHENTES

Para as pessoas que querem ajudar aos desabrigados da cidade de Ipanguaçu . Aqui está o número para depósito: Banco do Brasil agência - 2136-9 , conta corrente - 18.730-5 . Toda a arrecadação será repassada para as famílias desabrigadas.

Chuva afeta mais de 40 mil pessoas no RN


O Gabinete Preventivo instalado na vice-governadoria informa que foi reduzido de 24 para apenas quatro o número de exigências do Ministério da Integração Nacional, a fim de atender os municípios e as famílias atingidas pelas enchentes dos últimos dias no Rio Grande do Norte, onde o número de pessoas atingidas com o impacto das cheias agora chegou a 40.411, das quais 1.645 estão desabrigadas e 3.552 deslocadas ou desalojadas.


Já o vice-governador Iberê Ferreira de Souza, que coordena o Gabinete Emergencial criado para tratar dos danos causados pelas enchentes no Estado, sobrevoa hoje o Vale do Apodi para acompanhar a situação das cheias na região. A vistoria atende à solicitação da Comissão de Defesa Civil do município de Apodi, que teme a chegada das águas trazidas pelas fortes chuvas do Ceará.


“Vamos verificar a situação no local e tomar as devidas precauções para que a situação não se agrave ainda mais”, disse ele, que visitará a área ao lado dos secretários de Assistência Social e Agricultura, Francisco Azevedo, do presidente da Emparn, Henrique Santana Júnior, e do comandante da 7ª Brigada do Exército, general
De acordo com o governo, para o município ter reconhecida a situação de emergência, basta apenas que o prefeito edite o decreto com essa finalidade e envie ofício para Brasília, comunicando o estado em que ficou o município por causa das cheias.


Além disso, o Ministério da Integração Nacional passou a exigir dos municípios, que apenas encaminhem à Secretaria Nacional de Defesa Civil um documento denominado de Notificação Preventiva de Desastre (Nopred) e outro denominado de Avaliação de Danos (Avandan), onde deve ser informado, por exemplo, o número de pessoas atingidas e desabrigadas. “É o primeiro passo para começar a assistência, com a distribuição de cestas alimentares”, informou a coordenadora estadual da Defesa Civil, Marta Geisa da Silva.


Segundo o governo, o número de municípios em estado de emergência estabilizou-se em 13 municípios: Angicos, Alto do Rodrigues, Apodi, Assú, Campo Grande, Espírito Santo, Gov. Dix-Sept Rosado, Ipanguaçu, Mossoró, Upanema, Pendências, Porto do Mangue e São Rafael. Segundo o vice-governador e secretário estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, Iberê Ferreira de Souza, as regiões mais atingidas são Vale do Açu e Apodi. 3.419 pessoas já foram desalojadas ou deslocadas e outras 1.645 estão desabrigadas. Mossoró, Alto do Rodrigues e Ipanguaçu foram os mais afetados, com 985, 275 e 234 pessoas desabrigadas, respectivamente. “Estamos agilizando o processo de decretação de emergência para que a ajuda do Governo Federal seja liberada mais rapidamente”, explicou o vice-governador.


Desde o último sábado (02), o Governo do Estado criou um grupo de trabalho, que reúne Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, DER e Secretaria de Trabalho, Habitação e Assistência Social (Sethas) para coordenar o auxílio às famílias desabrigadas na região do Vale do Açu. Cestas básicas, medicamentos e materiais de emergência já estão sendo encaminhados para Assu para serem distribuídos aos desabrigados e desalojados, como seis caminhões com cestas alimentares da Conab.


Sete barcos, o helicóptero do Governo do Estado e outros cedidos pela Petrobras, Aeronáutica e pela Polícia Rodoviária Federal estão trabalhando no auxílio. Segundo a secretária nacional de Defesa Civil, o governo federal está encaminhando 11 mil cestas básicas para as vítimas das enchentes e vai desburocratizar o processo para liberação de recursos.


As chuvas de 2009 danificaram diversas rodovias, que já estão recebendo os primeiros reparos do Estado. O Governo, através do Departamento Estadual de Estradas e Rodagens (DER), já contratou emergencialmente serviços para reconstrução de trechos das estradas RN -117, RN 078, RN 104, RN 042, RN 013 e RN 018. “Parte das rodovias já está sendo reparada, mas em alguns casos, como o da estrada do perímetro urbano de Dix-Sept Rosado, precisaremos esperar que as chuvas diminuam ”, diz o vice-governador.


Projeto de prevenção e contenção


O Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) espera pela aprovação no Ministério da Integração de um projeto para prevenção e contenção das inundações no Vale do Assu a partir da readequação da Barragem Oiticica, instalação de comportas e monitoramento do rio Piranhas-Açu.


Segundo o engenheiro Elias Fernandes, diretor nacional do DNOCS, será necessário adaptar o projeto da Barragem Oiticica, projetado pelo Governo do Estado, para, através de instalação de comportas e ampliação do reservatório fazer o monitoramento da vazão do rio Piranhas-Açu. Fernandes disse, ontem por telefone, que “será proposto um sistema de proteção das cheias do Baixo Açu”.


Os detalhes da proposta serão apresentados na reunião que acontece em Natal, na sexta-feira, 08, com a participação dos ministros Fernando Haddad (Educação), Geddel Vieira (Integração) e Mangabeira Unger (Fazenda), além do presidente do BNDES, Antônio Coutinho e governadores.


Defesa Civil evita usar salas de aula e prejudicar estudantes


O nível do Rio Mossoró continua a baixar. Caiu de 1 metro e 70 centímetros, domingo, para 1 metro e 20 centímetros ontem de manhã, segundo a Defesa Civil do município. Entretanto, continua alto e as autoridades públicas municipais permanecem alertas, já que o nível subirá se voltar a chover nas cabeceiras do rio, no Alto Oeste, como é provável, o que provocará novos alagamentos nas áreas ribeirinhas de Mossoró.


Anteontem, o Município enviou ao Conselho Estadual de Defesa Civil e à Secretaria Nacional de Defesa Civil documento de Notificação Prévia de Danos, a fim de agilizar o reconhecimento da situação de emergência em Mossoró, decretada pela Prefeitura no último domingo. O próximo passo é o envio de relatório de avaliação de prejuízos.


“Esse documento será enviado até o final da semana, avaliará danos materiais e econômicos provocados pelas chuvas e servirá de base para a ajuda que Mossoró receberá dos governos Estadual e Federal”, informa o coordenador de Defesa Civil local, Álber Nóbrega.


Após a confecção desse relatório, a comissão de Defesa Civil se reunirá para dissecar os prejuízos caudados pelas chuvas, que já atingiram 639 milímetros, segundo a Estação Meteorológica da Universidade Federal Rural do Semi-árido (UFERSA).


Segundo Nóbrega, são cerca de 2.500 pessoas desalojadas e 500 famílias desabrigadas, das quais 181 atendidas pela Prefeitura e provisoriamente instaladas em 32 equipamentos públicos do Município, que evita alojá-las em salas de aula para não comprometer o ano letivo na rede municipal.
“Por isso, priorizamos escolas com quadras de esportes e também alugamos casas para não prejudicar as aulas”, diz Álber Nóbrega, acrescentando que o número de pessoas desalojadas, apesar de alto, está longe do total da enchente do ano passado, que chegou a cerca de 7 mil.
Álber Nóbrega acompanhou a prefeita Fafá Rosado (DEM) na visita a áreas afetadas pelas enchentes do rio Mossoró, anteontem, Eles avaliaram assistência a desabrigados sendo realizado pela Defesa Civil. “São 200 equipes, com quase mil pessoas trabalhando nos três expedientes para ajudar as famílias atingidas”, informou.


A Prefeitura, segundo ele, custeia sozinha toda a assistência, até agora, com fornecimento de alimentação medicamentos, aluguel, palestras e terapia ocupacional. O telefone de emergência da Prefeitura continua disponível: 3315-5000.