i

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

CRIANÇAS E ADOLESCENTES DO PROJETO ESPERANÇA DE IPANGUAÇU VISITAM PONTOS TURÍSTICOS DO RIO GRANDE DO NORTE

Crianças e Adolescentes conhecem a história da fortaleza


Neste ultimo sábado (07) crianças e adolescentes do Projeto Esperança, foram à cidade de Natal para visitar pontos turísticos da cidade Potiguar.
Crianças e adolescentes que participam do “Projeto Esperança”, que é financiado pela Petrobras e a Prefeitura Municipal de Ipanguaçu fizeram uma visita a alguns pontos turísticos na cidade de Natal.
Conhecendo os povos indígenas
Para a coordenadora local do projeto, Izabel Cristina Fonseca, o objetivo da visita aos pontos turísticos e levar as crianças e adolescentes a ver de perto a história do Rio grande do Norte. “Nesta primeira viagem podemos levar os alunos da comunidade da Agrovila Picada, onde visitamos a Fortaleza dos Reis magos, um ponto turístico que é um marco na história do Rio Grande do Norte, as crianças adoraram e puderam aprender um pouco mais da sua história”.
Isabel Cristina ainda adianta que no próximo sábado (14) os alunos do projeto da comunidade de Arapuá e do centro da cidade serão os próximos a visitarem os principais pontos turísticos da capital Potiguar.
Com a ajuda da equipe local do projeto e de membros do Núcleo de Desenvolvimento Social – NDS, as crianças puderam ser levadas aos pontos turísticos com segurança.  



O projeto

Projeto Esperança de Ipanguaçu/RN
O Projeto Esperança tem como objetivo implementar iniciativas e estratégias  de promoção social e de desenvolvimento pessoal e coletivo com enfoque na educação, esporte, cultura, lazer e cidadania, proporcionando o fortalecimento dos laços familiares e uma melhor qualidade de vida para as crianças e adolescentes.

Cerca de 220 crianças e adolescentes participarão do projeto, sendo 100 na zona urbana e 120 na zona rural, Agrovila Picada e comunidade de Arapuá, compreendidos entre 7 e 17 anos, do município de Ipanguaçu, em situação de risco pessoal e social, exclusão e vulnerabilidade.

O Projeto Esperança é financiado pela Petrobras em parceria com a Prefeitura Municipal de Ipanguaçu.

Sindicato rural de Ipanguaçu promove assembleia para discutir pauta reivindicatória da categoria


Presidente em exercício do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Ipanguaçu, cidade localizada na região do Vale do Açu, o agricultor João Batista Mota de Oliveira, "João das Peças", confirmou para hoje, às 8h, na sede da entidade, a realização de assembléia geral na qual será discutida, votada e aprovada a pauta dos trabalhadores rurais assalariados com vistas à campanha reivindicatória/2010. No mesmo dia acontecerão idênticas assembleias gerais em outras cidades na área do Polo Sindical Rural Assú-Mossoró.


O representante sindical destacou que este ano um item da pauta que merecerá maior destaque é a proposta de redução da jornada de trabalho. "Claro que todos os pontos da pauta são importantes, mas vamos dedicar especial atenção nos debates com os patrões à proposta de diminuição da jornada de trabalho", repetiu. Com referência ao valor que será reivindicado pela categoria como piso salarial, "João das Peças" disse que a definição só surgirá efetivamente na assembleia. Mas arriscou que o valor a ser pleiteado deverá se situar na faixa dos R$ 600,00.


O líder ruralista considerou de extrema relevância que haja uma boa participação dos associados na assembleia. "Antecipo que é fundamental que a gente possa contar com uma boa presença dos trabalhadores, pois quanto maior o número de presentes, melhor será o nível de discussões e, naturalmente, o que for decidido terá maior legitimidade", defendeu. "João das Peças" disse que, para estimular o comparecimento dos sindicalizados, pretende adquirir uma TV de plasma, 20 polegadas, para ser sorteada entre os presentes após a conclusão da assembleia. Haverá ainda um prêmio extra de R$ 300,00 para o sorteado, caso seja sócio do sindicato.


NEGOCIAÇÃO


O presidente em exercício do sindicato declarou que, superada a aprovação na instância local, a pauta será encaminhada na forma de proposta para o início do diálogo com os representantes do parque agroindustrial na área de jurisdição do Polo Sindical Rural Assú-Mossoró, que é composto por aproximadamente 14 municípios.

Novamente, as negociações serão intermediadas pela unidade do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), em Mossoró. "Nossa expectativa é que possamos ter uma etapa rápida de debates com os patrões e possamos aprovar as reivindicações que representarão benefício para os trabalhadores", disse. Os sindicatos serão representados nessa oportunidade pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Norte (Fetarn).
Fonte: O mossoroense

Redução do nível dos reservatórios ainda não preocupa


Os níveis dos principais reservatórios de água doce que abastecem as cidades da região Oeste, Vale do Açu, Central, Seridó e Agreste, do Rio Grande do Norte estão baixando rapidamente, mas, em sua maioria, ainda não é motivo de preocupação dos técnicos da Coordenadoria de Gestão dos Açudes da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMARH).
De todos, o que mais preocupa é o Açude Dourado, que armazena até 10 milhões de metros cúbicos de água no município de Currais Novos, responsável pelo abastecimento da cidade, que tem 44 mil habitantes. Segundo o coordenador de Gestão de Águas da Semarh, Félix Fialho, o reservatório está abaixo de 40% de sua capacidade total de armazenamento.
O açude transbordou em 2008 e 2009, sendo motivo de festa da população. Neste caso, já ligamos o sinal de alerta, mas não nos preocupa muito, pois a água existente no reservatório ainda é suficiente para garantir o abastecimento por um período de nove meses. "Antes com certeza teremos inverno e a água vai estar garantida para o abastecimento", diz Fialho.
Conforme Fialho, todos os reservatórios do Rio Grande do Norte transbordaram em 2008 e novamente em 2009. Isto contribuiu, segundo o coordenador, com a renovação da água dos reservatórios (mais qualidade na água) e principalmente garantia do abastecimento. Apesar de ter transbordado em 2009, o Açude Dourado, em Currais Novos, enfrenta a evaporação.
O açude com maior número de cidades abastecidas é a Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, com paredão em Itajá. Neste caso, Fialho destacou que a situação é confortável. Armando Ribeiro armazena 2,4 bilhões de metros cúbicos de água e com 80% de sua capacidade. "Este reservatório tem algumas particularidades (64km de extensão e volume) que o diferencia dos demais", diz.
Outro açude que também é monitorado de 15 em 15 dias no Rio Grande do Norte é a Barragem de Santa Cruz, em Apodi, que se prepara para começar a abastecer cerca de 10 cidades da região do Alto Oeste, através do Sistema Adutor do Alto Oeste, e, futuramente, 40% da cidade de Mossoró, Apodi e Governador Dix-sept Rosado também através de sistema adutor.
Neste caso, Fialho lembra que o reservatório armazena 600 milhões de metros cúbicos e está com 87% de sua capacidade. Acrescenta que a particularidade que o difere dos demais reservatórios é a qualidade da água. Em recente levantamento do Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente (IDEMA), se constatou que a água é boa em todos os quesitos pesquisados.
A Barragem de Pau dos Ferros, que está com 73% de sua capacidade e Itans, em Caicó, que está com 76% de sua capacidade, estão relativamente confortável. Não é motivo de preocupação da Semarh. Fialho lembra, porém, que se no próximo ano não houver um inverno, aí terá início a preocupação da Secretaria, pois estes reservatórios abastecem grande número de habitantes.
No caso do Itans, somente Caicó tem mais de 65 mil habitantes e, no caso de Pau dos Ferros, que armazena até 55 milhões de metros cúbicos, é responsável pelo abastecimento da cidade de Pau dos Ferros, que tem 28 mil habitantes; São Francisco do Oeste, que tem 5 mil habitantes; e se prepara para abastecer mais de uma dezena de outras cidades do Alto Oeste através do Sistema Adutor do Alto Oeste, que está sendo concluído.
No geral, em todas as regiões do Estado, conforme Fialho, os reservatórios estão com níveis relativamente bons, sendo que apenas o Dourado, em Currais Novos, que desperta um pouco de atenção por parte do Estado. O coordenador disse que o trabalho de monitoramento quinzenal permite ter um bom controle das reservas hídricas do Estado, servindo de base para decisões políticas importantes neste setor, como a construção de adutoras.

Fonte: Jornal de Fato/ Cezar Alves Da Redação