i

sábado, 1 de setembro de 2012

Em Angélica, empreendedora revela: “Vivíamos no abandono. Hoje, o que tenho consegui graças ao trabalho de Leonardo”

Aos 26 anos de idade, Josiane Ramos de Azevedo é uma empreendedora. Moradora da comunidade de Angélica, na zona rural de Ipanguaçu, ela atravessou dias difíceis em um passado recente, causados pela falta de investimentos dos gestores municipais. Hoje, dona do seu próprio negócio, realizando com seu suor o sonho da casa própria, a jovem não tem dúvidas: “O que tenho não foi o prefeito Leonardo (PT) quem me deu, mas foi por causa do trabalho dele que cheguei até aqui”, diz.

Para entender a trajetória de Josiane, é preciso conhecer a realidade da comunidade de Angélica. Razoavelmente afastada do centro da cidade, a quase 20 quilômetros de distância, Angélica por muito tempo não teve nem mesmo um Posto de Saúde. Até a escola municipal que atendia às crianças da comunidade foi desativada. O cenário era de total abandono.

A virada, para a comunidade e para a empreendedora Josiane, começou com a eleição de Leonardo para a prefeitura, no ano de 2008. “Leonardo foi o prefeito que olhou para a gente. Abriu o primeiro Posto de Saúde de Angélica, o que para muitos é o que fez de mais importante aqui. Mas pra mim, mais importante foi a praça”, revela.

A praça a que se refere Josiane foi construída por Leonardo no ano de 2010, em local central. Trata-se de uma pequena estrutura para lazer e convivência. “Para quem mora na cidade, acostumado com praças grandes, essa pode não significar nada. Mas para a gente é nosso ponto de encontro, onde nos reunimos para conversar e brincar com nossos filhos”, conta.

E foi com o seu olhar apurado que Josiane percebeu o potencial que a construção da praça teria para incrementar a renda de sua família. “Foi através dessa praça que me desenvolvi, vendendo espetinhos. Aqui tiro o pão para minha família. Depois dessa praça é que consegui iniciar a construção da minha casa”, fala com emoção.

Por isso que nesta sexta-feira (31), dia em que a Caravana do Povo visitou Angélica para apresentar as propostas que Leonardo e Josimar (PSB) têm para os próximos quatro anos, Josiane fez questão de receber o prefeito e os vereadores da Coligação Aliança do Povo de forma especial. A jovem empreendedora chegou às lágrimas, motivadas pela gratidão e carinho, emocionando a todos.

Nas outras casas, os candidatos também receberam muito apoio e estímulos. Mas foi a história de vida de Josiane motivou as palavras do prefeito. “Os ipanguaçuenses precisam é de oportunidade. Nós, políticos, precisamos investir em oportunidade de renda, para que as famílias vivam dias melhores, para que tenham a sua liberdade financeira. Por isso é que qualificamos profissionalmente, em poucos anos, mais de 11% da população de Ipanguaçu. Hoje em dia, com os investimentos que realizamos, muitas famílias de Angélica já começam a iniciar esse processo de independência. E para fortalecermos ainda mais a comunidade, vamos erradicar as casas de taipa, um problema de muitos anos que lutaremos pra acabar de vez”, afirmou Leonardo.

Agenda
Neste sábado (01), Leonardo e Josimar visitam o bairro Pinheirão a partir das 16 horas.

Veja mais fotos (AQUI)


População brasileira chega a 194 milhões


Em 1º julho deste ano, a população brasileira alcançou 193.946.886 de pessoas, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) publicada hoje (31) pelo Diário Oficial da União.
Segundo a projeção, a população cresceu 1,57 milhão (0,81%), em relação a julho de 2011. Pela projeção, o estado de São Paulo é o mais populoso, com 41,9 milhões de pessoas (21,6% do total de habitantes do país).
Depois de São Paulo, Minas Gerais é a unidade da Federação mais populosa (19,8 milhões), seguida do Rio de Janeiro (16,2 milhões), da Bahia (14,1 milhões), do Rio Grande do Sul (10,7 milhões), Paraná (10,5 milhões), de Pernambuco (8,9 milhões) e do Pará (7,7 milhões).
O município de São Paulo continua sendo a cidade mais populosa do Brasil com aproximadamente 11,4 milhões de pessoas (27% dos residentes no estado e 5,86% do total da população brasileira).
A divulgação das estimativas populacionais está prevista em lei, e os dados estatísticos são usados para o cálculo de indicadores econômicos e sociodemográficos do governo federal, além de servir de parâmetro para a repartição de recursos das políticas públicas e para a distribuição do Fundo de Participação de Estados e Municípios.

Líder sindical vê arbitrariedade em proposta da Del Monte para o acesso de trabalhadores a transporte


joao_das_pecas
A fim de compensar uma parte do custo em razão da obrigatoriedade do pagamento da chamada hora "in itinere" aos trabalhadores, a empresa Del Monte Fresh Produce Ltda., instalada no município de Ipanguaçu, está pedindo aos operários que assinem uma autorização pela qual concordariam com a dedução mensal de R$ 38,00 no contracheque de pagamento, como forma de custear os veículos disponibilizados pela empresa para conduzi-los ao local de trabalho.
O fato está sendo denunciado pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Ipanguaçu, João Batista Moura de Oliveira, "João das Peças". Preocupado, o dirigente sindical orientou os trabalhadores a recusarem a proposta da empresa. Para ele, a cobrança é indevida e arbitrária.

"Ela [a firma] está querendo cobrar dos trabalhadores para andar no próprio transporte da empresa", relatou, indignado. "Achamos isso uma aberração, somos contra esta medida e pedimos aos trabalhadores que não aceitem", disse.

"João das Peças" adianta que procurará a assessoria jurídica da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do RN (Fetarn) a fim de dar ciência do fato e saber de que modo o sindicato poderá reagir à intenção da Del Monte.
"Por isso peço aos trabalhadores que não assinem nenhum documento desta natureza até que a gente tenha uma posição dada pelos advogados da Fetarn sobre este assunto", advertiu, salientando que a empresa adotou o procedimento em "regime de urgência" para obter a resposta dos servidores.

"A empresa está dando dois ou três dias para o trabalhador assinar sob pena de segunda-feira não poder mais entrar nos transportes da própria empresa", descreveu. 
Diretoria da empresa afirma que definição tem amparo legal
O líder sindical explicou que o argumento apresentado por executivos da Del Monte é que a cobrança estaria sob amparo legal. No entanto, ele vê como insensatez a atitude.
"Há mais de dez anos, a Del Monte está no município e cede os veículos para o deslocamento dos trabalhadores para o campo", revelou "João das Peças".

Para ele, o ato nada mais é que um exclusivo ato de represália, pelo fato de a Del Monte estar sendo obrigada pela lei a pagar a hora "in itinere".

"A gente é contra porque isso [o pagamento] representaria uma média de R$ 480,00 por ano, quase o valor do salário mínimo, e o trabalhador não pode pagar porque já ganha um salário de miséria para sobreviver e merece mais respeito", desabafou o líder sindical, esclarecendo que, quando entra no veículo da empresa, o trabalhador já está oficialmente a serviço dela.
 Fonte: O mossoroense

Presidente da Câmara Municipal de Assu é suspeito de encomendar morte de deputado

Joana Lima


Polícia Civil e Ministério Público concederam coletiva na manhã desta sexta
Marksuel Figueredo/Jornal De Fato - Da Redação Natal

Um Deputado Estadual, que tem sua identidade mantida em sigilo pela Polícia Civil, estava no alvo do bando do presidente da Câmara Municipal de Assu, vereador Odelmo de Moura Rodrigues, preso na tarde de ontem (30), no município, por suspeita de envolvimento em vários homicídios que aconteceram na região do Vale nos últimos 20 anos.

De acordo com o delegado Odilon Teodósio, diretor da Divisão de Polícia do Oeste (Divipoe), com sede em Mossoró, Odelmo era o mentor intelectual do grupo que aterrorizava a região. Odilon é quem conduz a investigação que recebe o nome de Malassombro.

O vereador teria contratado dois pistoleiros identificados como Paulo Douglas e Valdemar Ulisses para matar o Deputado, mas como o serviço não foi feito, os dois acabaram sendo executados, possivelmente a mando do próprio Odelmo.

O presidente da Câmara Municipal de Assu já tinha sido preso em junho desde ano durante a deflagração da operação "Mal Assombro". Ainda segundo o delegado, contra o bando pesam mais de 20 homicídios por diversos motivos.

"Não vou dizer que o motivo era apenas político. Poderia ser político, poderia? Mas o grupo chegava a matar até por motivos fúteis e por queima de arquivo também", disse Odilon Teodósio.

Aliás, a queima de arquivo teria sido o motivo da morte de Joaquim Gomes, executado com quatro tiros em 29 de fevereiro do ano 2000, às 22h, na Avenida Prudente de Morais, no bairro de Petrópolis, Zona Sul de Natal, por quatro homens que chegaram em um palio de cor verde, quatro portas.

Joaquim Gomes tinha morado em Assu e suspostamente era pistoleiro do bando, expulso da cidade por desavenças. "Temos informações, que na época, deram 24h para o Joaquim sair da cidade, mas depois vieram em Natal e o mataram", disse o delegado.

Um motorista identificado como Cândido Henrique de Medeiros é testemunha do caso e também teria sido vítima com um tiro deferido contra ele. Cândido estava no local, quando o crime aconteceu.

Segundo as investigações, o irmão de Odelmo, Aureliano Rodrigues da Silva, também fazia parte do bando. De acordo com a polícia, Aureliano era pistoleiro e foi preso em março deste ano no Rio de Janeiro, porque tinha contra ele três mandados de prisão em aberto.

Aureliano foi transferido para Natal e chegou a ser reconhecido por Cândido, em agosto, como o autor dos disparos que acabou executando Joaquim Gomes 12 anos atrás, além do tiro que veio em sua direção.