i

domingo, 22 de abril de 2012

‘Inclusão social: além das barreiras’

Alex Costa

Da Redação de Natal/Jornal de Fato


FOTO:  JOANA LIMA
Mailson Ferreira cursa Pedagogia
na UFRN e está estagiando.
Além do que os olhos podem ver. A estranha visão dos cegos faz que essas pessoas superem muita gente que tem a vista aguçada, mas que no final não enxergam meio palmo do que o mundo lhes proporciona. Em busca da inclusão social, muitos deficientes visuais provam, a cada dia, que estão preparados para lutar com toda força em mundo competitivo e cheio de obstáculos. Nada disso parece implicar em medo na vida dos personagens dessa reportagem: dois potiguares cegos, com uma grande visão em suas vidas.

O olhar preconceituoso ou de compaixão das pessoas gera, em muitos deficientes visuais, um comodismo que os leva a estacionar e viver uma vida restrita do que o mundo pode lhes oferecer. Mas existem aqueles que não se dobram diante das dificuldades e são capazes de derrubar todos os preconceitos para ver cumprido o propósito de suas vidas.

Natural de Ipanguaçu, Marilson Ferreira da Silva, de 39 anos, começou a perder a visão totalmente aos 30 anos. Em consequência do diabetes, a visão do comerciante começou a ficar comprometida. "Me olhei no espelho e via manchas vermelhas no vidro. Limpei, mas não saíam. Ao esfregar os olhos, o sangue que estava na minha retina se espalhou e a mancha sumiu; então percebi: estou com algum problema em minha vista".

Gradativamente, a visão de Marilson foi desaparecendo. Ficar cego, para ele, foi a pior das experiências da sua vida. Mas era preciso adaptar-se. Não desistindo de crescer na vida, o comerciante ingressou no Instituto de Cegos do Rio Grande do Norte (IERC), no qual aprendeu braile e atua como professor voluntário. O fato de ver pessoas acomodadas em sua realidade de cegueira o incomodava. Era preciso mais do que isso para ser uma pessoa totalmente feliz: era preciso lutar, crescer e se tornar independente, em meio às dificuldades.

Ao conhecer Vanessa, uma amiga com deficiência visual que também frequentava o IERC, percebeu que a jovem era diferente. Ela estudava Pedagogia na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e não desistiu dos seus sonhos em meio à falta de visão. "Eu vi nela alguém parecido comigo que queria correr atrás de objetivos. Por isso, decidi enveredar pelo mesmo caminho, até porque sempre gostei de crianças", conta.

Em 2009, depois de 20 anos sem contato com os estudos, Marilson prestou vestibular para Pedagogia. Pediu a prova em braile e logo recebeu um portfólio com quase 200 páginas. "É muito extensa a linguagem em braile. O tempo disponível para a prova era curto para que eu apurasse todo aquele material. Então, decidi optar por um leitor que, com um gravador, me ajudou na elaboração da prova e eu pude confiar no que estava fazendo", disse.

Atualmente, o estudante está no terceiro ano da faculdade e já estagia no Núcleo de Educação Infantil da UFRN, como professor infantil. "É bem diferente o contato das crianças com a gente. Elas estranham ter alguém que não as vê falando com elas, mas contemplando-as olhos nos olhos. Me enxergo como uma pessoa que não desiste de lutar e isso é bom para os pequenos, que terão de passar por muitas escolhas, desafios e conquistas nas suas vidas", considera Marilson.

O mundo começou, então, a ser explorado por um homem cego, mas com uma visão superior à natural. Marilson descobriu que os olhos não veem tanto quanto o tato, os ouvidos e o coração. "Entender o mundo com os sentimentos é muito mais agradável e desafiador", diz. 

Independente, Marilson conta também com o apoio de sua família. Sua irmã mais nova, Uberlânia Ferreira da Silva, não poupa esforços para ver a realização pessoal do seu irmão. "Ele é a pessoa mais esforçada da família e não há barreira que o impeça de avançar. Ele é assim: um exemplo de perseverança para todos que o conhecem", pontua.

Nas ruas, Marilson reclama apenas de uma coisa: falta de acessibilidade. Com sua bengala, ele desvia-se dos carros nas calçadas, dos buracos nas ruas e de vários obstáculos. "Eu não falo só por mim. Falo por idosos e deficientes físicos que não têm o vigor que eu tenho. É preciso mudar essa realidade", frisa.
Para Marilson, querer chegar a algum lugar depende da força de vontade e seu maior sonho é que cada vez mais deficientes, sejam de que tipo forem, consigam entrar na universidade e crescer na vida. "Só assim o mundo passará a ser mais tolerante com a gente e as oportunidades aumentarão. Hoje, eu não me vejo mais como um perdedor, mas como um vencedor que quer fazer outros vencerem", encerra.

Leia toda a matéria (AQUI),
Foto: Joana Lima

Papa diz que jovens devem adquirir valores, além de conhecimento

Diário de Pernambuco

Os jovens devem aprender "os valores" e não se limitar a adquirir conhecimentos científicos, considerou neste domingo o papa Bento XVI, após a oração Regina Coeli, que substitui o Angelus no período pascoal.

"É importante que os jovens aprendam os valores, além dos conhecimentos científicos e técnicos", declarou diante de milhares de pessoas o Papa, que prestou homenagem ao franciscano Agostino Gemelli, fundador em 1921 da Universidade Católica de Milão (norte da Itália).

Bento XVI pediu que esta instituição privada esteja "em consonância com sua época, mas mantendo-se fiel as suas origens".

Dilma tem aprovação recorde, mas Lula é favorito para 2014

A presidente Dilma Rousseff bateu mais um recorde de popularidade, mas seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, é o preferido dos brasileiros para ser o candidato do PT ao Planalto em 2014.
Esse é o resultado principal da pesquisa Datafolha realizada nos dias 18 e 19 deste mês com 2.588 pessoas em todos os Estados e no Distrito Federal. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.
O governo da petista é avaliado como ótimo ou bom por 64% dos brasileiros, contra 59% em janeiro.
Trata-se de um recorde sob dois aspectos: é a mais alta taxa obtida por Dilma desde a sua posse, em 1º de janeiro de 2011, e é também a maior aprovação presidencial com um ano e três meses de mandato em todas as pesquisas até hoje feitas pelo Datafolha.
Para 29%, Dilma faz um governo regular. Outros 5% consideram que a atual administração é ruim ou péssima. Em janeiro, essas taxas eram de 33% e 6%, respectivamente.

Prefeitura do Assú divulga atrações musicais do São João do Assú 2012


As sanfonas vão fazer a festa no São João do Assú 2012, através das grandes atrações que integram a programação. Neste ano, a festa vai contar com os shows de Garota Safada, Circuito Musical, Forró Estourado, Forró do Bom, Dorgival Dantas, Cavaleiros do Forró, Deixe de Brincadeira, Grafith, Forró Pegado, Amigos Sertanejos e a dupla Victor & Leo.
O evento feito para comemorar o padroeiro São João Batista e as festas juninas completa 286 anos, com uma vasta programação reunindo festa, alegria e fé, atrativos que colocou o São João do Assú no roteiro dos grandes eventos festivos e religiosos do Nordeste do Brasil.
A parte religiosa do São João do Assú será de 14 a 24 de junho. E para a festa ficar do jeito que todo mundo gosta, a prefeitura do Assú promove uma programação sociocultural com grandes shows musicais, festival de quadrilhas tradicional e estilizada, encontro de sanfoneiros, comidas típicas, artesanato e muito mais atrativos no período de 1º a 30 de junho.
Em 2012, o São João do Assú traz como tema o centenário do “Rei do Baião”.

Reforma no código penal aumentará para 11 anos pena para quem dirigir embriagado


A impunidade para o motorista acusado de cometer crime por dirigir alcoolizado tem chance de chegar ao fim com a reforma do Código Penal.
A comissão de juristas criada pelo Senado para discutir as atualizações na lei modificou a redação do artigo do Código de Trânsito Brasileiro que trata dos delitos na direção de um veículo. Entre as mudanças está o aumento da pena para 11 anos nos casos de homicídio culposo (sem intenção de matar) quando o condutor estiver embriagado ou disputando racha, além da exclusão do índice de álcool no organismo para configurar crime.
Especialistas ouvidos pela reportagem, acreditam que, se a proposta passar, as brechas da lei seca desaparecerão.