i

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Prefeitura de Ipanguaçu consegue autorização emergencial do governo para limpar leito do rio Pataxó em área de preservação ambiental

Águas já desabrigaram quase 60 famílias e isolaram 11 comunidades

A prefeitura de Ipanguaçu conseguiu no início da tarde de hoje (28) junto ao governo do Estado, em caráter emergencial, permissão para, enfim, realizar a limpeza de trecho do Rio Pataxó localizado em propriedade particular e em área de preservação ambiental. O prefeito Leonardo Oliveira recebeu o ofício com a autorização através de fax, após contatos com assessores do secretário estadual de Recursos Hídricos, o vice-governador Robinson Faria, e com a direção do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema).

No entanto, a autorização não garante que o serviço será realizado de imediato. O acúmulo de água na área talvez impossibilite a realização do trabalho neste momento. “Vamos avaliar com os técnicos do Idema se essa limpeza poderá ser feita agora. Do contrário, provavelmente teremos que aguardar até o final do período chuvoso”, afirmou o prefeito de Ipanguaçu.

A liberação do Idema ocorreu em um dia tenso em Ipanguaçu. Cansada de esperar os tramites burocráticos para a limpeza do trecho em questão do Rio Pataxó, parte da população do município, especialmente agricultores, resolveu protestar e fechou com troncos e pneus em chamas os acessos ao município na rodovia RN-118. Durante boa parte da manhã ninguém entrou ou saiu de carro de Ipanguaçu.



Formou-se na estrada uma longa fila. A polícia chegou rapidamente ao local, mas o movimento foi pacífico, não havendo registros de confusões ou prisões. O protesto só chegou ao fim quando o prefeito anunciou aos agricultores que havia recebido a autorização do IDEMA. “Esses agricultores tiveram diversos prejuízos causados pelas enchentes dos últimos anos. Alguns já amargam prejuízos por conta de alagamentos ocorridos esta semana, e acreditam que eles decorreram em função da não limpeza desse trecho do rio”, explicou o prefeito Leonardo Oliveira.

“Há anos que tentamos obter essa autorização junto ao governo do Estado. Em 2009 só nos foi autorizado limpar o trecho do Rio Pataxó que vai da comunidade Itú até a cerca de uma empresa. Realizamos essa limpeza dentro dos limites do orçamento da prefeitura e, nesse trecho, a água ainda não transbordou. Como a área não autorizada à época é de preservação ambiental, se mexêssemos na vegetação estaríamos cometendo um crime inafiançável”, completou o prefeito.

Limpeza do Pataxó é medida paliativa
Apesar de acalmar os ânimos dos agricultores ipanguaçuenses, a limpeza do Rio Pataxó é apenas uma medida paliativa. Mesmo que fosse realizada hoje, a cidade ainda continuarua correndo riscos de ser inundada caso o Rio Assú venha a transbordar. Como a sangria da Barragem Armando Ribeiro Gonçalves pode acontecer a qualquer momento – o reservatório armazena hoje mais de 99% de sua capacidade – o risco de que o quadro atual se agrave nos próximos dias existe.


“Essa situação de ameaça à Ipanguaçu, que existe há várias décadas, só se resolverá definitivamente com a macrodrenagem do Rio Pataxó e a implantação de um dique no Rio Assú. Do contrário, só poderemos amenizar com realizações como a limpeza e a construção de desvios, como a parede que fizemos com recursos próprios e que desvia mais de 90% das águas do Pataxó que tentam invadir Ipanguaçu”, afirmou Leonardo Oliveira.

De acordo com informações da Defesa Civil e da Secretaria de Assistência Social de Ipanguaçu, as águas já desabrigaram aproximadamente 56 famílias e isolaram 11 comunidades: Santa Quitéria, Barra, São Miguel, Luzeiro, Cuó, Lagoa de Pedra, Itú, Picada, Porto, Salinas e Deus nos Guie.



A prefeitura e a Defesa Civil estão realizando a retirada dos móveis e demais pertences dessas famílias das casas invadidas pelas águas. A maioria preferiu se abrigar em casas de parentes. Até o início desta tarde pouco mais de 10 famílias estavam em abrigos municipais. “Todas as famílias estão recebendo assistência da prefeitura e da Defesa Civil, benefícios que vão de cestas básicas à assistência de saúde, por exemplo. Além disso, disponibilizamos canoas para o transporte em todas as comunidades isoladas. Estamos preparados para servir à população da melhor forma possível”, disse o presidente da Defesa Civil do município, Beto Rocha.




Texto/Fotos: Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Ipanguaçu


Afiliada da Rede Globo no RN apresenta reportagem hoje sobre situação de Ipanguaçu


Uma equipe da InterTV Cabugi, afiliada da Rede Globo no Rio Grande do Norte, se deslocou até o município de Ipanguaçu com o objetivo de registrar em reportagem os transtornos causados ao município pelas águas do Açude Pataxó, que já desabrigaram cerca de 56 famílias.

A reportagem deve ir ao ar no RNTV 2ª edição, as 18h55.

Protesto para autorização de limpeza do rio Pataxó aconteceu em Ipanguaçu

Moradores do município de Ipanguaçu, distante a 210 Km da capital do estado, está passando por mais um ano o sofrimento com as causas das enxurradas que assolam o município.

Chegava à tarde desta quinta-feira, dia 28, mais de 56 famílias desabrigados ou desalojados que estão sedo assistidas pela prefeitura de Ipanguaçu e pela Defesa Civil do município em decorrência das águas do Açude Pataxó, que chegam a algumas localidades da cidade e invadem um número crescente de casas desde a última segunda-feira (25).

A comissão de Defesa Civil do município estiveram reunidos na manhã de hoje na Secretaria de Assistência Social, com o propósito de levantar as informações oficiais em que se encontra o município. Terminada a reunião foram apresentada a situação real em que se encontra, os bairros Ubarana, Manoel Bonifácio e Maria Romana, a situação esta se agravando já que os desabrigados passam de 56 famílias, deixando mais de 10 comunidades rurais ilhadas, com acesso somente por canoas.

Levando em consideração o agravo da situação a comissão encaminhou oficio recomendando ao prefeito municipal que seja decretado estado de emergência.

O prefeito Leonardo Oliveira recebendo a recomendação assinará esta tarde o decreto de emergência do município.

Protesto
Mas ainda na manhã de hoje, agricultores e moradores das áreas afetadas realizam um protesto na RN/118 nos dois sentidos da cidade (entrada e saída do município). Pneus, troncos, tratores e outros veículos interditaram a RN como forma de protesto contra a empresa de fruticultura no município. Chegava à quase 3km o congestionamento.
Os manifestantes dizem que a realização do protesto é contra a não autorização do IDEMA, por parte da limpeza da mata ciliar no rio pataxó.

“O IDEMA autorizou a Prefeitura limpar próximo a Finobrasa, só que a partir das terras das da empresa não houve autorização, com isso a água chega com uma velocidade grande não conseguindo passar porque o leito esta obstruído, como também uma passagem molhada que atrapalha ainda mais” afirmavam diversos agricultores e moradores que já foram afetados.

Os protestos acabaram por volta do meio dia, quando o Prefeito Leonardo Oliveira esteve na Finobrasa, conversando com os responsáveis para uma conversa sobre a situação.

Decidido
O secretario de Recursos Hídricos, o vice-governador Robson Farias, ainda está tarde enviará técnicos para vistoriar o local para decidirem se há como realizar a limpeza no trecho na firma.









Faltam 20 centímetros para Barragem Armando Ribeiro sangrar


Defesa Civil se prepara para possível ocorrência de inundação. Bombeiros realizaram mapeamento das áreas de risco e abrigos temporários.



Foto: Vlademir Alexandre
O Vale do Açu está em estado de alerta, pois, de acordo com informações da Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh/RN), faltam apenas 20 centímetros para a Barragem Engenheiro Armando Ribeiro Gonçalves começar a sangrar.

O reservatório tem 62 km de extensão e um paredão de 3,5 km, onde os três sangradouros medem juntos outros 600 metros. Quando ele transborda significa que o reservatório passou dos 2,4 bilhões de metros cúbicos de água, podendo até chegar a 3,2 bilhões.

Por esse motivo, a Defesa Civil do Estado está a postos para uma possível inundação. O sistema de alerta já foi preparado pelas autoridades de Assu, além do mapeamento das áreas de risco e o cadastramento dos abrigos temporários.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil do Estado, o coronel Josenildo Acioli do Corpo de Bombeiros do Estado, o primeiro passo foi dado e que fica a cargo da Defesa Civil do município é supervisionar e emitir o alerta.

“Eles estão a postos, para uma situação de inundação, porém, até o presente momento não foi emitido nenhum sinal de alerta. Caso seja necessário, nós daremos todo o suporte necessário para ajudar a população local”, explica o coronel.

Fonte: Nominuto.com

Fátima reivindica medidas estruturais que acabem com enchentes em Ipanguaçu


Da redação do DIARIODENATAL.COM.BR

Em discurso feito na manhã desta quinta-feira(28) no plenário da Câmara dos Deputados, a deputada Fátima Bezerra relatou a situação de calamidade pública em que se encontra o município de Ipanguançu, devido as enchente. “Segundo o prefeito Leonardo Souza, até ontem cerca de 40 famílias foram removidas de suas residências. Problema idêntico ao ocorrido em 2009, quando o nível do rio Pataxó também subiu, expulsando a população de suas casas, arrasando plantações e destruindo fazendas de criação de camarão, que ao lado da fruticultura é umas das principais riquezas daquela região”, explicou.

“Agora, volta esse antigo problema e, no momento, essas famílias, os agricultores, os fruticultores e carcinicultores, enfim toda a população, carece da atenção do poder público e espera ações concretas dos governos federal e estadual no sentido de que sejam tomadas providências de caráter estruturantes que possam evitar esses desastres”, afirmou.

Fátima Bezerra lembrou que já existem recursos do Ministério da Integração para o desassoreamento do rio Pataxó. Afirmou, também, que a construção de diques resolveria, por definitivo, o problema das enchentes em Ipanguaçu. Por fim, a deputada fez um apelo à governadora Rosalba Ciarline e o ministro da Integração, Fernando Bezerra, para que tomem as providências estruturais que protejam a população de Ipanguaçu e região das recorrentes enchentes.