i

domingo, 17 de abril de 2011

Domingo de Ramos

Uma das manifestações mais tradicionais da Quaresma são as procissões em honra dos passos do Senhor. Neste Domingo de Ramos, que abre a Semana Santa, Jesus nos traça o seu itinerário pascal: frente ao homem que tem pretensão de ser como Deus, Cristo decide ser como homem, fazendo-se obediente até o extremo da morte na cruz, que se torna o seu “Sim” definitivo ao Pai e à humanidade.
Para segui-Lo, somos convidados a trazer palmas nas mãos, como os Macabeus, que da vitória sobre os invasores, entram triunfantes em Jerusalém (1 Mac 13, 49-52); e, semelhantes aos elitos, que empunharão palmas de vitória diante do Trono e do Cordeiro Imolado, depois de terem lavado suas vestes, tornando-as brancas no sangue do Cordeiro (Ap 7,9)
Por tudo isso, este domingo é como que uma chave de leitura para se entender o Mistério da Pácoa: Cristo é o protagonista da sua paixão, não um objeto da maldade humana, ou uma mera vítima das ciladas de seus inimigos. É Ele mesmos que se lança para a cruz, como um homem apaixonado, que se encaminha para o altar nupcial: a maldade dos homens nunca poderá preceder a Misericórdia de Deus.
(trecho extraído do folheto “A Missa” da Arquidiciocese do Rio de Janeiro)

Descredenciada funciona em Assu

Fechada no final do último mês de março pelo Detran/RN, a autoescola Piloto deixou de funcionar em Mossoró, mas continua atuando no município de Assu. Por telefone, a reportagem do JORNAL DE FATO, sem se identificar, confirmou que a Piloto mantém suas atividades mesmo não sendo mais credenciada no Detran/RN. A reportagem falou com a secretária da autoescola, que informou a formação de novas turmas nessa segunda-feira, 18. "Você pode iniciar as aulas teóricas na próxima segunda-feira pela manhã ou à noite", informou a secretária, ao ser questionada pela reportagem sobre os horários de aula disponíveis.

O diretor-geral do Detran/RN, Érico Souza, declarou que a Piloto está atuando de forma irregular em Assu. "Essa empresa (Piloto) está descredenciada de tudo. Só poderia atuar em Assu se fosse outra empresa", explicou o diretor.

A Piloto, juntamente com a Vitória e a Siga, todas de Mossoró, foram descredenciadas pelo Detran/RN por envolvimento no recebimento de propina para facilitar o acesso à carteira de motorista.
A Piloto e a Vitória têm filiais em outros municípios, mas estão proibidas de atuar no setor em todo o Rio Grande do Norte, segundo informou Érico Souza.

A partir das denúncias contra essas autoescolas, o Detran/RN intensificou a fiscalização. Outras três empresas estão sendo investigadas e também podem ser descredenciadas.
Toda a diretoria de fiscalização e os peritos examinadores foram afastados. Além de um médico responsável por exames de vista em Mossoró.

O recebimento de propina foi gravado em vídeo e entregue ao Ministério Público, que acompanha o caso.


Fonte: Jornal de Fato

Polícia tem mais de 3 mil inquéritos parados

Cerca de 3 mil inquéritos parados, sem serem remetidos à justiça ou sem andamento, se acumulam nas delegacias de Natal. Essa é uma estimativa feita pelo promotor Wendell Beetoven Agra, da Promotoria de Controle Externo da Atividade Policial. Ainda segundo ele, em cerca de 300 desses documentos, sobretudo em casos de investigações de homicídio, sequer familiares da vítima ou testemunhas de crimes foram ouvidos. Para o promotor, essa situação acaba gerando impunidade e, consequentemente, o aumento da violência e da criminalidade na capital potiguar.



Somente no Panatis, DP tem mais de 400 casos sem solução Foto:: Paulo de Sousa/DN/D.A.Press
Wendell Beetoven afirma que o número exato de inquéritos parados ainda não foi definido devido ao fato de ainda não lhe ter sido enviado um relatório que ele pediu à polícia sobre esses dados. Para o promotor, o grande prejuízo que essa situação causa é o de que muitos crimes não são sequer investigados. "Ou até são, mas de forma insuficiente, cheio de falhas. As provas obtidas pela polícia não são contundentes. Isso contribui para a impunidade, o que alimenta o incremento da violência na cidade".

De acordo com o promotor, a média de remessas de inquéritos ao Ministério Público é de 6 mil por ano. "Mas esse é um número muito baixo". Wendell Beetoven explica que a grande maioria desses documentos remetidos à justiça é de prisões em flagrante promovidas pela Polícia Militar. Ou, então, são inquéritos que pedem para retornar às delegacias para se continuar as investigações. "Esse número poderia ser bem maior se cada boletim de ocorrência registrado se transformasse em inquérito. Mas a maioria dos crimes comunicados nas delegacias não são investigados devido à falta de estrutura da polícia. A população fica até desestimulada a ir a uma DP para comunicar crimes, pois acredita que vai dar em nada".

O promotor chama ainda a atenção para os inquéritos que não tiveram qualquer movimentação. "Em alguns deles, só existe a guia de exame cadavérico do delegado que liberou o corpo para o Itep (Insituto Técnico-Científico de Polícia) e o laudo da perícia". Nesses documentos, não é possível encontrar o depoimento de qualquer envolvido, testemunha ou parente da vítima. "Ou seja, a investigação está completamente parada". 


Fonte: O Poti/Diário de Natal