i

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Veja as Imagens do assalto ao Posto de Combustível em Ipanguaçu

Por: Coelho Fatos e Notícias

A policia acredita que seja a mesma quadrilha, e as imagens foram cedidas e publicadas no intuito de que os elementos sejam localizados para os que comerciantes tenham mais um pouco de paz.

Qualquer informação ligue 190 ou para delegacia mais próxima.


Programação da Semana Santa na Paroquia Nossa Senhora de Lourdes

O roteiro da Semana Santa na paróquia de Nossa Senhora de Lourdes foi aberto domingo, dia 1º de abril, com o tradicional Domingo de Ramos. Houve a Procissão de Ramos e celebração litúrgica. Ontem na terça-feira, aconteceu o ‘Dia D da Saúde Pública’, tendo a presença do padre Alcimário Pereira, coordenador da Campanha da Fraternidade de 2012 na esfera da Arquidiocese de Natal, a qual a paróquia de Ipanguaçu é jurisdicionada.


 
Dando sequência a programa religioso da Semana Santa ocorrerá na quinta-feira, dia 5, a Missa do Lava Pés, às 19h30min, e a vigília e adoração ao Santíssimo Sacramento, às 21hs. Na sexta-feira, dia 6, A Adoração prossegue nos horários de 6 às 7 da manhã, com o Ministério Extraordinário Eucarístico; 7hs às 8 da manhã, Ofício da Imaculada Conceição; 8 às 9 horas, Pastoral do Dízimo; 9 às 10, coroinhas e membros da Pastoral da Comunicação; 10 às 11, Infância, Adolescência e Juventude Missionária; 11 às 12, Pastoral da Criança; de 12 horas até 13hs, movimento Mãe Peregrina; de 13 às 14, grupo de oração Santa Terezinha; e, de 14 às 15, Terço dos Homens. Ainda na sexta-feira, a partir de 15hs da tarde, ocorrerão a celebração da Paixão do Senhor e Adoração da Cruz. No sábado, dia 7, o itinerário terá a Vigília Pascal a partir de 22 da noite. E, no domingo, dia 8, quando se comemora a Páscoa, o roteiro prevê a celebração de duas missas: às 7 horas da manhã e 19:30 da noite.

DEM: o último que sair apague a luz


O Democratas, antigo PFL, não conseguiu se firmar nesses nove anos de oposição ao governo do PT. Apesar de ter mantido a coerência, algo raro na política atual, a legenda vem definhando a cada eleição e pode não resistir aos duros golpes que vem sofrendo.
Além de ter diminuído seus quadros de 2002 para 2010, a agremiação sofreu um grande impacto com a criação do PSD, por uma dissidência da sigla que pretendia se aliar ao governo petista, e a descoberta de escândalos de corrupção envolvendo dois de seus ícones: José Roberto Arruda e Demóstenes Torres.
O então governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, caiu no escândalo denominado mensalão do DEM. Ele saiu do partido antes de ser expulso. O governo Arruda era vitrine do Democratas e acabou virando, com o perdão do trocadilho, sua principal vidraça. 
Agora, foi a vez do então líder da legenda no Senado, Demóstenes Torres, ter seu nome envolvido no escândalo da Cachoeira. Depois de descobertas gravações telefônicas que comprovaram sua ligação com o contraventor Carlinho Cachoeira, o senador pediu desfiliação da sigla para não expulso.
Diferente do PT, que “perdoou” José Dirceu, José Genuíno e Delúbio Soares, o Democratas abriu processo de expulsão para os corruptos filiados ao partido. Porém, tem diminuído a cada dia.
Com fundação do PSD e as saídas de Arruda e Torres, o DEM se resume praticamente à liderança do senador José Agripino Maia, presidente nacional e estadual da legenda e líder da bancada partidária no Senado. 
Agripino é investigado pela Procuradoria Geral da República, segundo o Ministério Público Estadual (MPE), devido à suspeita de ter recebido doação do chefe do esquema de corrupção no Detran/RN descoberto pela Operação Sinal Fechado, George Olímpio. 
O senador negou qualquer relação com Olímpio. No entanto, as investigações prosseguem. A descoberta de qualquer ato contra Agripino decretaria de vez o fim do Democratas.
 Por Robson Pires

Governo anuncia pacote para setor produtivo

Andrielle Mendes - Repórter/Tribuna do Norte 

O governo federal anunciou ontem uma série de medidas que prometem dar mais fôlego à indústria e garantir o crescimento da economia. O pacote, entre outras ações, estende a desoneração da folha de pagamento para mais 11 setores, eliminando a contribuição previdenciária de 20% sobre a folha de pagamento. No lugar da contribuição de INSS, as empresas pagarão ao governo uma alíquota de 1% ou 2% sobre o faturamento bruto. Outros quatro setores já haviam sido beneficiados com a medida no ano passado, entre eles, o segmento de confecções, que atravessa uma crise. 
Agência BrasilO Governo anunciou o pacote como arma para reaquecer a economiaO Governo anunciou o pacote como arma para reaquecer a economia

A desoneração da folha de pagamento totalizará uma renúncia fiscal de R$ 7,2 bilhões anuais, segundo estimativas do governo, que espera ganhar a longo prazo. "O Brasil terá os estímulos necessários para continuar na trajetória de crescimento", afirmou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, durante a apresentação do novo pacote, cujas medidas passam a valer em 90 dias.

No Rio Grande do Norte, o pacote foi bem recebido  por alguns dos setores contemplados, mas, diz o setor produtivo, o governo precisa fazer mais.

Na avaliação de João Lima, presidente do Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do RN (Sinditêxtil), o governo federal precisa tomar medidas mais energéticas. Ele cita pelo menos mais três: conter a valorização do real em relação ao dólar, reduzir o preço da energia elétrica e proteger as fronteiras contra a entrada de produtos contrabandeados. "As medidas anunciadas são positivas, mas ainda há muito chão pela frente", afirmou. Segundo ele, o impacto só poderá ser avaliado após as medidas entrarem em vigor. Ainda não dá para dizer em quanto a produção industrial subirá nem como a desoneração da folha de pagamento se refletirá em novas contratações. 

Para o presidente da Federação das Indústrias do RN (Fiern), Amaro Sales, qualquer pacote de incentivos adotado pelo governo federal será sempre bem vindo. Ele, entretanto, reconhece que o impacto no RN não será tão visível como em outros estados, como Rio de Janeiro e São Paulo. "Dos 15 setores contemplados, apenas quatro tem força no Estado: têxtil, confecções, couro e calçados e hotéis". O ideal, segundo ele, era que o impacto do novo plano fosse imediato. Mas as novas medidas só entrarão em vigor em julho. "Pedir para a indústria, que está enfrentando dificuldades, esperar, é complicado", observa.

No Estado, a indústria de móveis não espera benefícios. Para Francisco Assis de Medeiros, presidente do Sindicato de Serraria, Carpintaria e Marcenaria do RN (Sindimóveis), o impacto não será sentido pela indústria moveleira do estado, apesar de o setor estar entre os contemplados no novo pacote. Segundo ele, a desoneração da folha de pagamento só beneficia as grandes empresas. "E no RN, só há micro, pequenas e médias". Para Assis, "o governo federal fez todo esse alarde para posar de bonzinho".

A Fecomercio São Paulo também foi dura nas críticas, afirmando que o plano de estímulo a indústria apenas maquia problemas, como o tamanho do Estado e o peso da carga tributária, tanto na produção quanto na folha de pagamento, sem, contudo, trazer vantagens significativas para ampliar a competitividade do País. A hotelaria, por outro lado, já enxerga os ganhos. Segundo George Gosson, vice-presidente da seccional potiguar da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), a medida vai reduzir as despesas do setor e tornar destinos nacionais mais competitivos frente aos internacionais. "A folha de pagamento é a nossa principal despesa. Pesa muito no final do mês". Hoje, só os hotéis de Natal empregam cerca de 10 mil pessoas. 

Enquanto isso, a indústria de beebidas se prepara para pagar a conta. É que, para compensar a renúncia fiscal de R$ 60,4 bilhões do pacote de estímulo à competitividade industrial, o governo vai aumentar a tributação das chamadas bebidas frias (águas, cervejas e refrigerantes).

Polícia perde viaturas por falta de pagamento

Sem receber pelo contrato mensal de R$ 580 mil para aluguel de veículos, empresa retém carros em oficina



32 das 240 viaturas alugadas da PM estão paradas em Dix-Sept Rosado. Foto: Eduardo Maia/DN/D.A Press
A Locavel Serviços, empresa responsável pelo aluguel de 310 viaturas para as Polícias Militar e Civil do Rio Grande do Norte, não recebeu nenhum centavo este ano pelo contrato de R$ 580 mil mensais assinado com a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesed). Somados os três primeiros meses do ano, a dívida acumulada é de R$ 1,740 milhão. Diante da inadimplência do Governo do Estado, cada viatura quebrada que chega à oficina da Locavel está demorando em média 30 dias para ser consertada. A reportagem do Diário de Natal contabilizou 40 carros parados nas ruas ao redor da oficina.

A travessa da Campina e a Rua dos Potiguares, no bairro Dix-Sept Rosado, estão parecendo pátios da Polícia Militar. São 32 viaturas da corporação espalhadas pelas ruas que circunda a oficina da Locavel e ainda mais oito da Polícia Civil. Apesar do visível abarrotamento de carros, o gerente da empresa, Wagner Douglas, disse que não falaria sobre o contrato com a Sesed. Ele limitou-se a dizer que os serviços são de locação e manutenção. Segundo o levantamento feito pela reportagem do Diário de Natal, a empresa resolveu devolver "de forma mais lenta" as viaturas que chegam para o conserto. O representante da Locavel não confirmou nem desmentiu a informação. 

A assessoria de imprensa da Sesed admitiu o atraso no pagamento da locação das viaturas. De acordo com as informações divulgadas, o valor mensal é de R$ 580 mil para 310 carros, cerca de R$ 1.870 por cada veículo. O órgão esclarece que a solicitação de pagamento dos meses de janeiro e fevereiro foi enviada à Secretaria Estadual de Planejamento (Seplan). Já as quitações referentes aos meses de março, abril e maio serão feitas pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-RN). 

A reportagem entrou em contato com Seplan, mas não obteve resposta sobre quando será feito o pagamento. A assessoria da Sesed explicou que o Detran é quem fará o pagamento das viaturas porque fez um convênio com a secretária com esse propósito. Após o mês de maio, dataem que termina o contrato com a Locavel, a secretaria lançará um novo pregão para contratação do serviço. 

O presidente da Associação de Cabos e Soldados da PM (ACS/RN), Roberto Campos, afirmou que os policiais militares estão reclamando da demora na devolução dos carros. "Mas a gente não pode nem cobrar da empresa, já que é o Governo quem está devendo", salientou. 

O comandante geral da Polícia Militar, coronel Francisco Canindé de Araújo, reconhece que existe um desfalque de viaturas em alguns batalhões de Natal, Região Metropolitana, e no interior. Porém, o comando recebeu nessa segunda-feira a informação que a Sesed esteve em reunião com a Locavel para resolver a situação. Atualmente são cerca de 240 viaturas locadas a serviço da corporação.

Diário de Natal/Maiara Felipe 

PSD de Odelmo vai se coligar com os mpartidos da base do prefeito Ivan Júnior

Odelmo rompeu mas vai ser 'aliado' do prefeito Ivan Júnior
odelmo

O presidente da Câmara de Vereadores do Assu, Odelmo Rodrigues (Foto), ficou numa situação política completamente desconfortável, depois que o deputado federal Fábio Faria disse que ele terá a legenda para disputar o mandato pelo PSD, mas o partido não vai se coligar com o grupo de oposição ao prefeito Ivan Júnior.



Comenta-se nos bastidores que o prefeito Ivan Júnior já externou a amigos que vai querer sim o PSD (partido que o vereador Odelmo Rodrigues é filiado) se coligar com os partidos da base governista no município, já que terá o deputado federal Fábio Faria e o presidente estadual do PSD e vice-governador Robinson Faria apoiando a sua reeleição.

Pois bem. Quem apostava que o PSD iria fazer coligação com a oposição, perdeu. Na entrevista Fábio Faria deixa claro que a escolha do PSD do Assu de se coligar ou deixar de se coligar será do prefeito Ivan Júnior.

Blog do VT

Três médicos são presos acusados de vender e aplicar botox falsificado

Investigações pelo país revelam a prática de crimes contra a saúde pública por quem deveria se preocupar em preservá-la. Ontem, três médicos foram presos pela Polícia Federal (PF) em Pernambuco acusados de vender e usar em pacientes toxina botulínica falsificada — conhecida mundialmente pelo nome comercial de botox. No Rio de Janeiro, a Polícia Civil investiga a participação de médicos em um esquema de aplicação de silicone industrial em mulheres encabeçado por uma técnica de enfermagem. Três estão internadas com lesões gravíssimas. Segundo a Secretaria de Saúde do estado, o quadro de todas é estável e não há previsão de alta.

A operação comandada pela PF envolveu o cumprimento de mandados de busca e apreensão, de intimação e de prisão temporária em oito estados: São Paulo, Pernambuco, Minas Gerais, Paraíba, Alagoas, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe. Iniciadas há noves meses, as investigações indicam que o produto entra de maneira clandestina no país e é vendido para médicos de diversas cidades. A circulação ilegal ocorre há pelo menos cinco anos.

- Publicado por Robson Pires,