i

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Prefeitura de Ipanguaçu está reformando unidade da policia civil























Dentro das ações emergenciais firmadas pela Prefeitura de Ipanguaçu na audiência pública ocorrida no último 18 de março na câmara de vereadores que contou com a participação de diversos órgãos e da sociedade civil organizada, o poder público municipal está reformando a sede da unidade policial do município para ativação do posto policial. 

O local foi interditado pela policia civil do município por falta de estrutura e de material para a realização dos trabalhos desde o fim do ano passado, acarretando nos registros dos boletins de ocorrências (BO), que estão sendo realizados nas cidades de Macau e Alto do Rodrigues. 

Para o prefeito Leonardo Oliveira, a reforma no posto policial resulta de forma importante onde a policia terá as condições necessárias para realização do trabalho diário, “o posto policial esta sendo reformado e posteriormente será equipado para que haja uma melhor eficiência nos registros dos boletins e no atendimento em nossa cidade” frisa o prefeito que informou que a obra de reforma deverão ser concluídas até a próxima semana. 

Leonardo destaca ainda que a população vem se adequando com as últimas operações do Núcleo de Operação Rodoviário Estadual – NORE, “já é notório que a população vem utilizando o equipamento de segurança, coisa que não se via na cidade, a utilização de capacete cumpre o que esta escrito na legislação de trânsito que exige a obrigatoriedade do uso do capacete de segurança pelos condutores e passageiros de motocicletas” disse o prefeito que acredita que a população continuará colaborando na efetivação da segurança na cidade.

Seca: situação continua grave no Nordeste e norte de Minas Gerais, diz Dilma

A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (8) que a situação da seca no Nordeste e no norte de Minas Gerais permanece grave. Segundo ela, o governo está investindo um total de R$ 32 bilhões nas chamadas obras estruturantes, que garantem o abastecimento de água de forma definitiva, como barragens, canais, adutoras e estações elevatórias.

No programa semanal de rádio Café com a Presidenta, ela lembrou que, na semana passada, o governo federal anunciou também a ampliação de ações emergenciais para combater a seca na região. Em reunião com governadores em Fortaleza, Dilma anunciou mais R$ 9 bilhões em ações de enfrentamento à estiagem.

“Esta seca é a maior dos últimos 50 anos e já atingiu mais de 1.415 municípios. O governo federal não vai permitir que o povo do Semiárido e de todo o Nordeste fique desamparado. Enquanto houver seca, nós vamos agir. Vamos acelerar as obras estruturantes, vamos acelerar as ações emergenciais para ajudar a população a enfrentar todas as dificuldades”.

Ministra: declarações de Feliciano incitam o ódio e a intolerância

Ministra Maria do Rosário critica deputado (Agência Brasil)Ministra Maria do Rosário critica deputado (Agência Brasil)
A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, disse hoje (8) que as declarações do presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), fora do Congresso Nacional têm incitado o ódio a e intolerância.

Há duas semana, o deputado Marco Feliciano, em um culto evangélico, disse que, antes da chegada dele à presidência da CDHM, o colegiado era comandado por Satanás. Em vídeos publicados na internet, o pastor diz que Deus teria mandado matar o cantor John Lennon, dos Beatles, e os integrantes da banda Mamonas Assassinas, vítimas de um acidente aéreo.
“É lamentável que nos deparemos a cada dia com mais um pronunciamento, intervenção que incita o ódio, a intolerância e o preconceito. Já ultrapassa a barreira de uma comissão da Câmara. Diz respeito a todos nós”, disse Maria do Rosário, no Senado. “A Câmara, certamente, encontrará uma solução, ou o próprio Ministério Público, porque incitar a violência e o ódio é uma atitude ilegal e inconstitucional”, acrescentou a ministra.
Em entrevista ao chegar à exposição em memória dos mortos no Holocausto e para marcar os 70 anos da insurreição dos judeus no Gueto de Varsóvia, na Polônia, Maria do Rosário lembrou que a intolerância e o preconceito foram responsáveis por massacres.
“Jamais uma etnia, uma religiosidade, uma forma de existência pode perceber-se superior às demais formas de existência humana. Estamos vendo aqui, em uma exposição sobre o Holocausto, o resultado do ódio, da intolerância e do desrespeito humano ao próximo, seja do ponto de vista étnico ou religioso”, disse a ministra.
O deputado Marco Feliciano é acusado de homofobia e racismo por ter postado nas redes sociais comentários considerados ofensivos a homossexuais e negros. Ele nega as acusações e já pediu desculpas pelas declarações publicadas na internet.
Depois de visitar a exposição, a ministra participou de sessão especial em memória às vítimas do Holocausto. Maria do Rosário ressaltou que o respeito às diferenças é uma cláusula fundamental da Constituição Federal de 1988 e disse que o governo federal não se afastará desse princípio.
“Cuidar para que o Brasil não aceite a discriminação é a nossa missão”, disse a ministra em discurso para a comunidade judaica presente no plenário do Senado. Segundo ela, o combate às diferenças e ao racismo deve mobilizar não apenas as instituições do país, mas “todos os brasileiros e todas as brasileiras”.
A ministra destacou ainda que o Brasil jamais adotará a postura ainda presente entre alguns povos de negar a existência do Holocausto promovido pelos nazistas contra o povo judeu na 2ª Guerra Mundial. “A negação do Holocausto como valor histórico e humano tem o significado de diminuir as atrocidades que foram cometidas contra um povo”, disse ela.
 Agência Brasil