i

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Irmão de Tiririca morre em acidente de Moto na RN 118, em Ipanguaçu




Francisco Coelho
Chico Higino foi atropelado no final da tarde desta quinta-feira (28) em Ipanguaçu
O aposentado Francisco Fonseca Sobrinho, de 69 anos, irmão por parte de pai do deputado federal Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiririca, morreu de acidente moto nas imediações da comunidade de Arapuá, em Ipanguaçu.

Chico de Higino, como é muito conhecido em Assu, onde reside com sua família, trafegava em sua motocicleta Tornado pela RN 118 às 17h30 quando foi colhido por um caminhão baú, dirigido por um homem que fugiu do local do acidente sem prestar socorro.

Como já público, o pai biológico de Tiririca o deixou no Ceará ainda pequeno com a mãe. Depois fixou residência em Assu, onde constituiu outra família. O próprio Tiririca já esteve em Assu e o conheceu, mas a aproximação não passou desta aproximação.

O corpo de Chico de Higino está sendo velado no Velório Caminho do Céu, na Rua Dr. Luiz Carlos, Centro, em Assu. O sepultamento está previsto para acontecer no final da tarde desta sexta-feira no Cemitério São João Batista, também no Centro.

Com informações do radialista blogueiro Francisco Coelho, de Assu.


Fonte: Nominuto.com/
Retrato do Oeste por C
ezar Alves

Novo relatório aponta sucessão de erros de pilotos para a causa do acidente do voo AF 447

O Escritório de Investigações e Análise (BEA), órgão oficial francês encarregado das investigações do acidente com o voo 447 da Air France, anunciou nesta sexta-feira (29) que identificou uma série de erros dos pilotos que causaram o acidente com o voo AF447 da Air France, que fazia o trajeto Rio-Paris em 1º de junho de 2009. O Airbus A330 caiu no Oceano Atlântico matando as 228 pessoas a bordo. O novo relatório, segundo a BEA, traz “circunstâncias exatas” do acidente que foi possível após a recuperação dos dados das caixas-pretas do Airbus A330 da Air France, recuperadas do mar.

O terceiro relatório sobre as investigações técnicas da tragédia revela que os pilotos não adotaram o procedimento adequado após os primeiros problemas detectados durante o voo: perda de indicadores de velocidade - falha para a qual eles não foram treinados para lidar - e perda de sustentação da aeronave.

Foi divulgado também que a tripulação não avisou os passageiros dos problemas que enfrentava na cabine.

A ministra de Ecologia e Transportes da França, Nathalie Kosciusko-Morizet, afirmou hoje que o BEA "define os fatos, baseado nesses fatos, estabelece recomendações. A responsabilidade é papel da Justiça”.

O primeiro relatório detalhando o acidente, divulgado em maio, apontava uma falha nas sondas Pitot, que medem a velocidade e são fabricadas pela empresa francesa Thales, mas não foi possível estabelecer se isso poderia ser a causa do acidente.

Com a recuperação dos primeiros dados das caixas-pretas, foi revelado ainda que um problema técnico privou os pilotos de dados válidos sobre o voo com os quais seria possível evitar que a aeronave caísse no mar após três minutos e meio de queda livre.

Os especialistas indicaram que houve uma divergência nos leitores de velocidade que fez com que o piloto automático desligasse e forçou os pilotos a tomar decisões sem ter à sua disposição informações corretas sobre a performance do avião.

Até agora, os investigadores tinham apontado como causa uma falha nas sondas de medição da velocidade, danificadas pelo gelo e que dessa forma enviaram informações contraditórias à cabine. Mas o BEA sempre advertiu que esse problema não podia ser sozinho a causa do acidente.

O voo AF447 da companhia aérea Air France, um A330 do fabricante europeu Airbus, decolou com normalidade às 19h29 (de Brasília) de 31 de maio de 2009 do aeroporto internacional Tom Jobim, no Rio, com destino a Paris, com 216 passageiros a bordo e 12 tripulantes.

Passadas 4h30, já em 1º de junho, ocorreu o acidente que acabou com o avião no fundo do mar e sem sobreviventes.

Das informações publicadas até agora pelos investigadores apenas a confirmação que os pilotos não dispunham de informações válidas na cabine no momento do episódio.

Isso levou a aumentar a altura da aeronave que, após alcançar os 38 mil pés, entrou em queda livre durante três minutos e meio antes de cair no mar.

Em toda a sequência revelada pelas caixas-pretas, os investigadores identificaram que os parâmetros de voo que trabalhavam os pilotos eram errôneos.

As pesquisas devem determinar onde ocorreu o erro e se os pilotos atuaram de forma adequada.

Além disso, devem estabelecer se Air France tinha preparado adequadamente seus pilotos para enfrentar este tipo de eventualidade e se Airbus havia alertado às companhias aéreas sobre as falhas nas sondas de velocidade, já registradas anteriormente.

Tanto Airbus quanto a Air France estão sendo processadas pela justiça francesa pelo acidente, embora ambas as empresas rejeitem qualquer responsabilidade sobre o mesmo.

No total, 154 corpos dos 228 que estavam a bordo do avião que fazia a rota Rio-Paris foram resgatados. Os primeiros 50, sendo 20 deles de brasileiros, foram retirados do mar logo após a catástrofe, em 31 de maio de 2009. Em outubro deste ano devem ser divulgados os primeiros resultados das identificações dos corpos resgatados. O relatório final do acidente está previsto para ser divulgado no início de 2012.

O acidente

O Airbus da Air France decolou às 22h29 GMT (19h30 no horário de Brasília) do dia 31 de maio de 2009 com 216 passageiros e 12 tripulantes e caiu pouco menos de quatro horas depois a cerca de 1.100 quilômetros da costa brasileira. Todos os passageiros e membros da tripulação morreram.

O destino final do voo era o aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, onde o Airbus 330 deveria pousar às 9h10 (GMT) do dia 1º de junho de 2009.

Fonte: Uol

Defesa Civil se encontra com secretário

 O prefeito de Ipanguaçu, Leonardo Oliveira, levou a equipe da Defesa Civil para se encontrar com o secretário Nacional de Defesa Civil, Humberto de Azevedo Viana Filho, em Natal. O encontro está previsto para acontecer hoje à tarde. Leonardo Oliveira vai cobrar do secretário mais agilidade na liberação de recursos para ajudar as vítimas da enxurrada em 2011.

O município de Ipanguaçu vem sofrendo desde 2004 com a correnteza das águas do rio Pataxó e também do rio Piranhas/Açu. O primeiro quando o açude transborda com mais de 25 centímetros e o segundo com a sangria da Barragem Armando Ribeiro Gonçalves com mais de 4 metros de lâmina de sangria. Em 2004, mais de mil famílias ficaram desabrigadas.
O cenário se repetiu em 2008 e 2009. Neste ano, apesar da intensidade das chuvas ter sido menor, a cidade terminou com 163 famílias desabrigadas. Desta, pelo menos 30 ainda não conseguiram retornar para suas casas. O prefeito Leonardo Oliveira disse que mesmo que estas famílias quisessem não permitiria o retorno, considerando que moravam em áreas de risco.

O secretário Nacional de Defesa Civil, Humberto de Azevedo Viana Filho, terá reuniões com autoridades estaduais para tratar de assuntos ligados ao órgão no Estado e no País. O convite para a visita foi feito pelo comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Elizeu Dantas. E em Ipanguaçu, foi o Corpo de Bombeiros que instruiu todo processo de elaboração dos documentos para o decreto de emergência, que hoje completa 3 meses e se encerra.

Durante a manhã, Humberto Viana se reúne com o secretário de Estado da Justiça e da Cidadania (SEJUC), Thiago Cortez; com o secretário de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (SESED), Aldair da Rocha; e com o coordenador estadual de Defesa Civil, tenente coronel Josenildo Acioli. À tarde, o secretário nacional de Defesa Civil viaja para o município de Assú, onde vai visitar as áreas de risco da região.

Para o comandante-geral do CBMRN, Cel. Elizeu Dantas, a presença de Humberto Viana no Estado será importante para que ele possa conhecer de perto os projetos executados pela Defesa Civil nos últimos seis meses. Para o prefeito Leonardo Oliveira, a presença do secretário Nacional de Defesa Civil é a oportunidade para cobrar agilidade nas obras para recuperar o prejuízo da população e também para evitar que a cidade volte a ficar inundada.

Fonte: Jornal de Fato

Previdência disponibiliza consulta sobre revisão dos benefícios


Os aposentados e pensionistas já podem verificar se têm ou não direito à revisão do teto previdenciário. O Ministério da Previdência disponibilizou hoje (25) no seu site um espaço para essa consulta, que pode ser feita no endereço http://www3.dataprev.gov.br/cws/revteto/index.asp. 
Além deste site a consulta também pode ser realizada pela central 135. Os beneficiários deverão informar o número de benefício, o CPF, a data de nascimento e o nome completo para saber se foram ou não selecionados para a revisão. Foram selecionados, para a análise da revisão, os benefícios com data de início entre 5 de abril de 1991 e 31 de dezembro de 2003, que tiveram o salário de benefício limitado ao teto previdenciário na data da concessão e os benefícios decorrentes.  Não terão direito à revisão os benefícios com data de início anterior a 5 de abril de 1991 e posterior a 31 de dezembro de 2003; os que não tiveram o salário de benefício limitado ao teto previdenciário na data da concessão; os precedidos de benefícios com data de início anterior a 5 de abril de 1991; os de valor equivalente a um salário-mínimo; os benefícios assistenciais – Benefício de Prestação Continuada – BPC/LOAS; e aqueles concedidos aos trabalhadores rurais.  Os que tiverem saldo a receber terão os valores incorporados ao salário de benefício no pagamento de agosto, que será depositado nos cinco primeiros dias úteis de setembro. As informações sobre os valores atrasados serão disponibilizadas posteriormente.
Atrasados
Segundo acordo homologado no Tribunal Regional Federal da 3ª Região, o pagamento dos atrasados será feito em quatro datas: 31/10/2011 para os que têm direito a receber até R$ 6 mil; 31/05/2012 para quem é credor de um valor na faixa entre R$ 6.000,01 até R$ 15 mil; 30/11/2012 para os valores entre R$ 15.000,01 e R$ 19 mil; e 31/01/2013 para os créditos superiores a R$ 19 mil.
Fonte: Nominuto.com