i

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Secretária de Educação de Ipanguaçu participará de discussão nacional sobre Educação Básica e Plano de Educação

A Secretária de Educação do município de Ipanguaçu, Jeane Dantas, vai participar na Bahia do 4º Fórum Nacional Extraordinário dos Dirigentes Municipais de Educação, que se inicia nesta terça-feira (30) e se estende até a sexta-feira (02), no município de Mata de São João, interior da Bahia. O Evento contará com a participação de mais de mil dirigentes municipais de educação, oriundos de municípios apontados como prioritários.

De acordo com Jeane Dantas, o objetivo do encontro é defender a educação básica de qualidade. “A educação básica é um direito público que deve ser baseado em princípios éticos, democráticos, de inclusão e libertação. Discutiremos ainda o Plano Nacional de Educação, em tramitação no Congresso, desde a questão pedagógica até a questão gerencial e financeira”, informa Jeane.

Na programação estão previstos ainda temas estratégicos, como: Prova Nacional de Concurso de Ingresso na Carreira Docente; Ideb; Prova Brasil; Provinha Brasil; Indicadores da Qualidade na Educação Infantil; Piso Salarial e Plano de Carreira e Remuneração do Magistério; educação inclusiva; direito à educação; e Siope, entre outros.

Prefeitura de Ipanguaçu entrega certificado à comunidade quilombola durante Festival Municipal de Folclore

A Prefeitura de Ipanguaçu entregou nesta sexta-feira (29) aos moradores de Picada, na zona rural do município, o certificado que declara a comunidade como remanescente de quilombo. O documento, expedido pela Fundação Cultural Palmares (FCP), é fruto do reconhecimento formal oficializado em 27 de outubro de 2010.

De acordo com o prefeito Leonardo Oliveira, o certificado é uma forma de reparação pelas perdas históricas sofridas desde a época dos escravos. “Esse documento garante prioridade na elaboração de projetos e na captação de recursos para o desenvolvimento cultural da comunidade. Com ele, vamos conseguir ainda mais benefícios na área da saúde, educação e infraestrutura, entre outros. É com grande satisfação e orgulho que entregamos este certificado,” destacou.

Para Luiza Helena, que recebeu o certificado das mãos do prefeito Leonardo Oliveira, o reconhecimento fortalece a cultura local. “Eu me autorreconheço como remanescente de quilombola. Essa é uma conquista que, acima de tudo, fortalece a identidade da comunidade de Picada. Agradecemos a todos que se empenharam para que esse dia chegasse”, disse.


Folclore
A entrega do certificado ocorreu durante o III Festival Municipal de Folclore, no Espaço Cultural da Praça Nossa Senhora de Lourdes. O evento, que teve como tema “Celebrar a vida e o sonho do povo brasileiro”, aliou o resgate da cultura popular brasileira e regional a ações de inclusão social que beneficiaram crianças, adolescentes e jovens do município.

Centenas de pessoas prestigiaram as apresentações culturais, encenadas por alunos das redes municipal e estadual de ensino. “As apresentações demonstraram o talento dos filhos de Ipanguaçu e a cultura do nosso povo. Fortaleceremos sempre a identidade regional, para garantir a continuidade dos nossos costumes e, assim, fortalecendo a cidadania e nossa bagagem cultural”, frisou o prefeito.

Para realizarem as apresentações, os alunos se dedicaram durante um mês à realização de pesquisas e à entrevistas com pessoas da família e idosos da comunidade. Os estudantes também participaram de oficinas de dança e foram incentivados a construir murais informativos para a exposição em suas escolas e no Festival de Folclore.
























Prévia do Assú Folia


Repasse de royalties em agosto é superior a R$ 33 milhões


Os royalties pagos pela atividade de exploração e produção de petróleo e gás natural na Bacia Potiguar totalizaram R$ 33,86 milhões no mês de agosto. Desse montante, R$ 16,56 milhões foram destinados ao governo de Estado e R$ 17,29 milhões a 94 municípios.

Todos os dados são públicos e divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), por meio do portal www.anp.gov.br.

Confira os valores em R$ pagos em agosto:

1. Macau: 2.385.355,27

2. Guamaré: 2.331.013,39

3. Mossoró: 2.010.159,40

4. Pendências: 1.920.563,07

5. Areia Branca: 705.788,82

6. Apodi: 380.543,15

7. Assú: 381.190,98

8. Governador Dix-Sept Rosado: 373.142,92

9. Alto do Rodrigues: 346.227,34

10. Porto do Mangue: 242.872,01

11. Carnaubais: 306.656,53

12. Caraúbas: 248.331,22

13. Upanema: 219.070,56

14. Felipe Guerra: 152.826,95

15. Serra do Mel: 150.503,84

16. Afonso Bezerra: 4.100,20

Com informações da Assessoria de Comunicação da Petrobras - Região Vale do Açu.
Postado por Samuel Júnior

INSS inicia pagamento da primeira parcela do 13° a aposentados e pensionistas

inss_1

O Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) começou a pagar a primeira parcela do 13° salário dos aposentados e pensionistas. O pagamento será realizado até o dia 8 de setembro e está sendo feito de acordo com cronograma estabelecido pelo Instituto. A gerência executiva do INSS em Mossoró, que engloba 89 municípios, está concedendo o benefício a cerca de 200 mil pessoas.


Na maioria dos casos, o aposentado ou pensionista deve receber 50% do valor do benefício. A exceção é para quem passou a receber o salário depois de janeiro. Nesse caso, o valor será calculado proporcionalmente. Os segurados que estão em auxílio-doença também recebem uma parcela menor que os 50%. Como esse benefício é temporário, o INSS calcula a antecipação proporcional ao período.


De acordo como gerente regional do INSS, Francisco Ozimar da Silva, a antecipação do benefício é satisfatória. "São valores que servirão para quitar as dívidas, adiantar algumas contas, e injetar a economia local", destaca.


Francisco Ozimar faz um alerta para os beneficiários que receberão a primeira parcela do 13°. "É preciso ter muito cuidado, pois esse é um orçamento extra, então se pode ter perspectiva de um crescimento mensal na renda baseada nessa antecipação", orienta o gerente regional do Instituto.


Para a aposentada Marinete Freire, o dinheiro extra será bem-vindo. Ela conta que utilizará a quantia para quitar algumas dívidas. "Eu gostei de saber que essa parcela vai sair agora. Vai servir para eu pagar algumas contas, e comprar algumas coisas", revela a aposentada.
Apesar da antecipação, a aposentada afirma que o salário deveria ter sofrido um reajuste maior que o ocorrido no início do ano. "É muito pouco, a presidente deveria ter dado um aumento maior, mas estou satisfeita com a antecipação do 13°", diz.


Em todo o Brasil, 24 milhões de pessoas serão beneficiadas com a primeira parcela do 13° salário, o que representa uma de injeção de cerca de R$ 10 bilhões na economia do país.

Fonte: O mossoroense

Futura Unidade da Receita Federal da Zpe do Sertão Homenageará Ex-Dirigente Falecida Prematuramente


Empreendimento considerado um divisor de águas no desenvolvimento de todo o interior do Rio Grande do Norte, a Zona de Processamento de Exportação (ZPE), cuja localização se verificará no município do Assú – batizada de “ZPE do Sertão” – ocupando uma área geográfica superior a 1.000 hectares, disporá, em sua área destinada ao setor administrativo, de um núcleo da Receita Federal do Brasil. E, de acordo com informação antecipada pelo projetista e gestor da ZPE, o empresário britânico Brian E Tipler, o órgão homenageará a ex-chefe do escritório regional da Receita, em Mossoró, vitimada num trágico acidente de avião em junho passado, a auditora Carla Sueli Barbosa Moreira.
“O projeto da ZPE do Sertão é uma iniciativa que não se faz só. É indispensável a participação de parceiros – pessoais e institucionais. A Receita Federal tem sido o mais importante parceiro neste processo. E, no caso de dona Carla Sueli, ela foi mais do que parceira, foi uma verdadeira “Amiga da ZPE do Sertão”, justificou Brian Tipler. “Essa será, portanto, uma homenagem mais do que justa a quem teve noção da grandeza do projeto e sua importância transformadora para o interior do Nordeste”, complementou Brian. Ele acrescentou que, desde o início, a Receita Federal revelou-se sensível ao investimento.
Lembrou que o antecessor de Carla Sueli, o auditor Allan Patrick Medeiros Lucas, já manifestava uma deferência especial à tramitação burocrática relativa ao processo de implantação da ZPE. “Allan Patrick compreendeu o propósito do negócio e deu uma relevante contribuição, colaboração esta que só fez crescer durante a participação de dona Carla Sueli à frente do núcleo regional da Receita, em Mossoró”, enfatizou Brian Tipler, que lamentou pessoalmente o falecimento precoce da ex-dirigente do órgão público.
Brian Tipler qualificou homenagem póstuma como “dever de justiça”
“Essa será uma justa homenagem a alguém que cooperou decisivamente para o projeto caminhar para se tornar realidade”, salientou o responsável pela gestão da ZPE do Sertão. A estrutura condominial da ZPE do Sertão começará em breve com a construção de seus dois primeiros prédios: a sede da administração geral e a unidade da Receita Federal do Brasil. “Portanto, quero desde já informar que a futura sede da Receita, na ZPE do Sertão, se chamará Carla Sueli Barbosa Moreira”, concluiu Brian Tipler, acrescentando que o marido da ex-dirigente, Adevaldo Buiati Mendonça, se comprometeu a vir ao RN sequenciar os esforços da ex-esposa, atuando junto à administradora da ZPE a fim de tornar o sonho uma realidade.
Enviado por Lúcio Flavio
Postado por Blog Registrando 

Convite

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Ipanguaçu convida todos os sócios que tem ação do FGTS para participarem de uma reunião com Dra. Valéria Lucena.

Data: 29 de agosto (nesta segunda feira)
Hora: 18:00
Local: Sindicato dos Servidores de Ipanguaçu

Agradece a Direção do SINDISEPI

Negociações em torno de pauta reivindicatória dos trabalhadores rurais terá prosseguimento no dia 6

trabalhadores_rurais_1Patrões e empregados do setor agroindustrial das regiões do Vale do Açu e de Mossoró voltarão a sentar à mesa de negociações, sob intermediação da Delegacia Regional do Trabalho (DRT), em Mossoró, no próximo dia 6 de setembro, uma terça-feira.
Em discussão estará a pauta reivindicatória da classe laboral, contendo mais de 40 cláusulas, apresentada oficialmente na última terça-feira, 23 de agosto, de acordo com informação do presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Ipanguaçu, João Batista Moura de Oliveira, "João das Peças".
"Ficou acertado terça-feira que a próxima reunião será durante todo o dia. Ou seja, começará durante o período da manhã, haverá a pausa para o almoço, e recomeçará a partir de 14h até que surja um entendimento", declarou o líder sindical.
Ele declarou que, na primeira audiência, ficou assegurada a data-base dos trabalhadores para o dia 1º de setembro. "Significa dizer que tudo que for negociado e acordado entre os empresários e os sindicatos terá validade a partir do dia 1º do mês que vem, independente de quando a negociação concluir", esclareceu o dirigente.
"João das Peças" lamentou que os representantes do patronato tivessem deixado de analisar as propostas apresentadas pelos sindicatos e a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Norte (Fetarn).
"Eles (os patrões) receberam o documento, mas não tiveram o menor interesse de ver o conteúdo, o que mostra claramente a intenção de levar a discussão mais longe. Isto é lamentável", protestou, dizendo que a reclamação foi feita perante os representantes das empresas e da DRT pelo tesoureiro da Federação, Manoel Cândido da Costa.

Entidade priorizará busca por melhoria salarial
O representante sindical rural "João das Peças" declarou que, embora contenha aproximadamente 40 cláusulas todas focalizando questões de grande importância para os trabalhadores, sem dúvida alguma a atenção maior dos trabalhadores está na proposta remuneratória.
"Claro que todos os itens da pauta são importantes. Mas, não há como negar que o interesse dos trabalhadores está na questão salarial", reconheceu. O pleito formulado pelas organizações sindicais e que será objeto de negociação com as empresas é pela fixação de um piso salarial no valor de R$ 680,00.
"Há uma previsão do Governo Federal de que o salário mínimo em 2012 seja de R$ 616,00. Portanto, os sindicatos e a Federação estão reivindicando R$ 680,00 que é para garantir, com este salário, um valor digno e um ganho real para a classe trabalhadora", argumentou "João das Peças".
Ele disse que, a exemplo do que verificou-se terça-feira, para a próxima audiência com os patrões novamente convidará alguns trabalhadores para que sejam testemunhas do diálogo entre os dois lados.
"Vejo como algo de fundamental importância que os trabalhadores participem para ver o esforço que é feito pelas lideranças sindicais e a Fetarn no sentido de tentar assegurar mais conquistas", justificou.
Fonte: Jornal O mossoroense 

Embrapa joga água fria nos fruticultores

O Rio Grande do Norte, por falta de força política, perdeu a refinaria de petróleo, não terá a Transnordestina e não será surpresa se ficar sem os recursos necessários para duplicar a BR 304, trecho Natal/Mossoró. Sexta-feira, 26, mais uma decepção. O diretor de transferência de tecnologia da Embrapa, Waldyr Stumpf Junior, disse que "hoje, instalar um escritório no RN é humanamente, financeiramente e logisticamente impossível".

O anúncio foi feito durante reunião com fruticultores, Governo do Estado e os pesquisadores da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) em Mossoró. Para Waldir Stumpf, "o órgão federal de pesquisa agropecuária é uma empresa de pesquisa e não de extensão rural". A solução, no entendimento do diretor, seria "qualificar, potencializar e revitalizar as estruturas existentes no País". Mas esta idéia não recebeu apoio dos fruticultores, pesquisadores e muito menos da classe política representando o Governo do Estado.

O diretor-presidente do Comitê de Fitossanidade do Rio Grande do Norte (COEX), Segundo Paula, disse: "Fiquei muito triste com a posição da Embrapa a respeito do pleito de instalação de um escritório de pesquisa em Mossoró. Não iria custar tanto para o Governo Federal e para a região seria muito importante. Ele (Waldyr Stumpf Júnior) colocou um pano de água fria nos sonhos dos pequenos produtores. Isto é muito ruim para o setor da fruticultura."

Segundo Paula disse mais: "Recebemos esta informação com muita tristeza. Beira o descaso. Precisamos de um órgão de pesquisa, principalmente os pequenos produtores, para aprimorar tecnologia conforme as necessidades de nossa região. Isto significa desenvolvimento. As tecnologias reduzem custos e amplia os mercados de consumo. Precisamos de novas tecnologias e seria a Embrapa que iria definir através de pesquisas."

O representante dos produtores discordou do diretor Waldyr Stumpf Junior com relação à descentralização das atividades da Embrapa. Para Segundo de Paula, o problema só não é mais grave uma vez que a maioria dos produtores da região são agrônomos formados pela Ufersa e antiga Esam. "A diversidade de solos, água e clima são indicativos que uma pesquisa realizada numa determinada área não sirva para outra de características adversas", reforçou o professor da Ufersa Porto Filho.

"O que é produzido em Petrolina não serve para cá; cada localidade tem a sua característica de produção", avaliou o pesquisador Porto Filho. O envolvimento dos estudantes seria outro diferencial caso a Embrapa instalasse um escritório na Ufersa. O professor vê com tristeza a desistência da empresa de pesquisa de se instalar em Mossoró. Ele contava com este núcleo de pesquisa para ampliar o leque de oportunidades no Oeste do Rio Grande do Norte.

O reitor Josivan Barbosa destacou que não foi por falta de apoio que a Embrapa desistiu de instalar um núcleo de pesquisa no Rio Grande do Norte. Tanto a Ufersa como a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN) se ofereceram para sediar o escritório da Empresa de Pesquisa Agropecuária. O reitor chegou a colocar à disposição da Embrapa os laboratórios da Ufersa, a Estação Experimental e até a cessão de um espaço para a construção da sede. "Mais uma vez estamos abertos para trabalhar em conjunto com as demais instituições parceiras para receber o escritório da Embrapa", afirmou Josivan Barbosa.

Diante do impasse, o secretário de Agricultura, Pecuária e Pesca do Rio Grande do Norte, Betinho Rosado, que propôs a reunião em Mossoró, disse que agora vai reunir a bancada federal e vai reiniciar a mobilização em Brasília para a vinda da Embrapa para Mossoró. "Vamos transferir as discussões para a bancada federal", disse Betinho Rosado, que também se mostrou frustrado com a desistência da Embrapa de se instalar em Mossoró.

Pequenos são os mais prejudicados
A região de Mossoró, que engloba os vales do Açu e do Apodi, reúne as maiores empresas de produção de frutas no sistema irrigado do país. O número de pequenos fruticultores é grande. A Delmont Fresh, com atuação nos municípios de Assú, Ipanguaçu, Carnaubais e Alto do Rodrigues, por exemplo, está entre as maiores empresas do mundo em produção de banana.

Os produtores de melão, abacaxi, melancia atuam principalmente na região de Mossoró, Baraúna e na Chapada do Apodi no Estado do Ceará, com destaque para Limoeiro do Norte. As grandes empresas, conforme observa Segundo Paula, do Comitê Gestor Fitossanitário (COEX), tem profissionais capacitados para desenvolver pesquisas.

Porém, conforme Segundo Paula, os pequenos produtores não dispõem dessas tecnologias e as consequências disso são o encarecimento da produção e a perda de mercado. Para Segundo Paula, a instalação de núcleo de pesquisa da Embrapa na região seria o principal vetor de crescimento da produção de frutas na região Oeste do Rio Grande do Norte.

Cezar Alves
Da Redação do Jornal DeFato.