i

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Dia de Finados: culto aos mortos nas diferentes culturas

Data começou a ser comemorada na França a partir do ano de 998 DC, e foi trazida ao Brasil durante a colonização.


Dia de finados é uma data estabelecida pela Igreja Católica.
O Dia de Finados é comemorado nesta quarta-feira (2), porém muitos não sabem a origem desta data, nem se ela é comemorada em outras religiões.

O Portal Nominuto.com fez uma pesquisa para que vocês leitores saibam mais sobre o dia em que prestamos homenagens as pessoas que já se foram.

As homenagens aos mortos na Igreja Católica começaram no ano a partir do ano 998 DC no Mosteiro beneditino de Cluny na França, onde o abade Odilon, ou Odílio, determinou que os monges rezassem por todos os mortos, conhecidos e desconhecidos, religiosos ou leigos, de todos os lugares e de todos os tempos.

Após quatro séculos, o Papa, em Roma, na Itália, adotou o dia 2 de novembro como o Dia de Finados, ou dia dos mortos, para a Igreja Católica.

No Brasil este costume foi trazido pelos portugueses, onde as igrejas e os cemitérios são visitados e têm missas encomendadas, os túmulos são decorados com flores, e milhares de velas são acesas.

FD/Nominuto
Na tradição passada por católicos portugueses, as velas acesas homenageiam os mortos.

Já no resto da América Latina, o dia 2 de novembro é bastante festejado. No México existe o tradicional “Dia dos Mortos”, onde é preparada uma grande festa popular. Esta é uma das festas mexicanas mais animadas, pois, segundo a tradição, os mortos retornam para visitar seus parentes neste dia. Ela é festejada com comida, bolos, festa, música e doces preferidos dos mortos.

Porém nem todos comemoram o “Dia de Finados”, no caso dos protestantes em geral, estes afirmam que a doutrina da Igreja Católica, que recomenda a oração pelos falecidos, é desprovida de fundamento bíblico.

Segundo eles, a única referência a este tipo de prática estaria em II Macabeus 12,43-46. Porém os protestantes não reconhecem a canonicidade deste livro, por tanto não cultuam esse dia.

Já os espíritas não comemoram a data da mesma maneira que a religião católica, porém independente de ideologia religiosa, ou limitação imposta pela doutrina, muitos realizam visitas a túmulos de parentes ou conhecidos.

Por Geraldo Miranda
/Nominuto.com

Wild Diniz diz que quase todos os estandes da oitava Feira de Negócios do Vale do Açu já foram vendidos


DINARTE-E-WILD-013
O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas, CDL, de Assú, empresário Wild Kern Marinho Vieira Diniz, revelou durante entrevista a Rádio Princesa do Vale que pouco menos de vinte estandes restam ser comercializados, da estrutura originalmente pensada de 150 espaços do gênero, da oitava Feira de Negócios do Vale do Açu.

A expectativa do presidente da CDL é que por todo o curso desta semana se atinja os 100% de venda dos espaços reservados à exposição e negociação de lojistas durante a programação oficial da 8ª Feira de Negócios do Vale do Açu, prevista para o período de 10 a 12 de novembro na cidade do Assú.

Wild Diniz adiantou que, também durante o decorrer desta semana pretende definir, juntamente com os demais parceiros da entidade, quais serão as atrações musicais que se apresentarão dentro do evento.

O presidente da CDL também crê que até o início da próxima semana começará o trabalho de montagem da estrutura da 8ª Feira de Negócios do Vale do Açu. Até o fim desta semana todo o material relativo à estrutura estará chegando ao município.

Fonte: Radio Princesa

Ré-forma do Pataxó


Construído há 16 anos, o velho canal do Pataxó que rasga a terra seca de Ipanguaçu, precisa de atenção. Urgente. Suas paredes estão rachadas e sujas, e os vazamentos se espalham ao longo dos seus nove quilômetros de extensão. Além do mais, tem gente experta com bica tirando água para encher açudes. Um descaso intolerável. Outra preocupação dos ipanguaçuenses é com a dragagem do rio Pataxó. 


Mas um inverno se aproxima e nada foi feito até agora!

Por Toni Martins

Brasil ocupa o 84ª do ranking de desenvolvimento humano do mundo


O Brasil é o 84° colocado no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) 2011, divulgado hoje (2) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). A lista tem 187 países e o índice varia de 0 a 1, sendo que quanto mais próximo de 1 o resultado, melhor o desempenho. O IDH 2011 do Brasil é 0,718, colocando o país no grupo de nações com desenvolvimento humano elevado. O índice brasileiro está acima da média global (0,682).
Na comparação com 2010, o Brasil subiu uma posição. A Noruega manteve a liderança no ranking, com IDH de 0,943. Em seguida estão a Austrália (0,929) e os Países Baixos (0,910) no grupo de países com desenvolvimento muito elevado. Nas últimas posições, com os piores índices, estão o Burundi (0,316), Níger (0,295) e a República Democrática do Congo (0,286), todos na África Subsaariana.
O IDH considera três dimensões fundamentais para o desenvolvimento humano: o conhecimento, medido por indicadores de educação; a saúde, medida pela longevidade; e o padrão de vida digno, medido pela renda.

Em 2011, para o Brasil, foram registrados 73,5 anos de expectativa de vida, 13,8 anos esperados de escolaridade (para crianças no início da vida escolar) e 7,2 anos de escolaridade média (considerando adultos com mais de 25 anos). A Renda Nacional Bruta (RNB) per capita dos brasileiros em 2011 considerada no cálculo do Pnud foi US$ 10.162.

Desde a criação do IDH, em 1980, o Brasil registra evolução no índice. Em três décadas, a expectativa de vida do brasileiro aumentou em 11 anos, a média de escolaridade subiu 4,6 anos, mas a expectativa de anos de escolaridade caiu 0,4 ano. No período, a RNB per capita subiu cerca de 40%.