i

terça-feira, 18 de junho de 2013

Prefeito de Ipanguaçu Leonardo Oliveira participa de reunião sobre aterro sanitário coletivo para o descarte dos resíduos sólidos

Com a transposição do Rio São Francisco os municípios Potiguares e de outros estados onde receberão a transposição deverão criar o plano de saneamento, que objetiva criar o sistema de aterro sanitário coletivo de forma a criar o saneamento básico e cuidados com os resíduos sólidos. Em busca de tratar estas questões, os prefeitos e secretários de 19 cidades das 24 que integram o Consórcio Público Regional de Saneamento Básico do Vale do Assú, participaram de uma reunião na tarde desta terça-feira (18) na sede do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)/Floresta Nacional no município de Assú. 

O prefeito de Ipanguaçu Leonardo Oliveira integra o consórcio que passarão por essa adequação. Para o gestor, além de levar água do Rio São Francisco que beneficiará as cidades brasileiras que vivem no semi-árido, colaborará para que os municípios construam os locais adequados para o destino final dos resíduos sólidos. “Este projeto passará por um processo longo, integramos o consórcio com a perspectiva que tudo possa sair do papel, daremos a nossa colaboração para que isso venha a se tornar real. Com a execução do projeto todas as cidades e o meio ambiente ganharão com o manejo correto do lixo” frisa o prefeito. 

Segundo o engenheiro Sérgio Pinheiro da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH que esteve na reunião acompanhado do Chefe de Gabinete Alexandre Silva e Geni Morais, às questões com o destino final do lixo prevê um investimento do Governo Federal de mais de 10 milhões de reais na região, onde os municípios que integram o consórcio serão responsáveis pela manutenção e funcionamento do aterro que em média poderá ter um custo de mais de R$ 165 mil ao mês. 

O município de Ipanguaçu será uma das cidades que terá uma Estação de Transbordo Simples, onde passará todos os resíduos para o município de Assú que será a cidade sede para o processamento do lixo. 

“Será um passo importante que daremos nas nossas cidades com a destinação correta do lixo, hoje passamos por problemas quando pensamos onde destinar estes resíduos” avalia o gestor. 

Integra o Consórcio Público Regional de Saneamento Básico do Vale do Assú, cidades da região do Vale do Assú, Central e Salineira: Assú, Ipanguaçu, Itajá, Carnaubais, Lajes, Alto do Rodrigues, Pendências, Guamaré, Angicos, Baraúnas, Grossos, Macau, Paraú, Pedra Preta, Pedro Avelino, Porto do Mangue, Santana dos Matos, São Rafael, Serra do Mel, Tibau, Areia Branca, Afonso Bezerra e Fernando Pedrosa. 

Nova Diretoria 

Durante a reunião os prefeitos das cidades deram novos encaminhamentos na estruturação do Consorcio Público Regional de Saneamento Básico do Vale do Assú com a renovação da mesa diretora que elegeu o prefeito de Pendências, Ivan Padilha como presidente.



Protestos se espalham pelo Brasil

São Paulo (AE) - Uma nova onda de protestos, maior que as anteriores e com um leque de reivindicações mais amplo, voltou ontem a tomar conta das ruas em diferentes pontos do País. Houve manifestações em 12 capitais – entre elas São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador – e também em Brasília. Um novo ato nacional está marcado para a quinta-feira (20), com protestos previstos, inclusive, em Natal.


Congresso Nacional, em Brasília: Manifestantes furaram o bloqueio policial na noite de ontem e invadiram a área externa do Congresso, aos gritos de “a-ha, u-hu, o Congresso é nosso”. Foto marcello casal / ae



Com o mote “Não são apenas 0,20 centavos”, além de se posicionar contra o preço do transporte público, os protestos criticaram, entre outros pontos, a condução da política brasileira, a corrupção e os gastos públicos com as obras para as Copa das Confederações e a Copa de 2014.

A maior das manifestações, em São Paulo, reuniu 65 mil pessoas, segundo estimativas do Datafolha. Foi a quinta na capital paulista.

Congresso

Em Brasília, mais de 7 mil pessoas realizaram um protesto na Esplanada dos Ministérios e no Congresso Nacional. Os manifestantes conseguiram furar o bloqueio policial e invadiram a área externa do Congresso, aos gritos de “a-ha, u-hu, o Congresso é nosso”.

Cartazes com os dizeres “Fora Renan” e “Fora Feliciano” apareceram no ato, referindo-se ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-RN) e ao presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, o pastor evangélico Marco Feliciano (PSC-SP).

Da marquise do Parlamento - as cúpulas côncava e convexa do Senado e da Câmara - os manifestantes gritaram palavras de ordem e entoaram o hino nacional. A Polícia Militar do Distrito Federal entrou em confronto com o grupo, embora não tenham conseguido conter o avanço até as imediações do prédio do Poder Legislativo.

Assim como em outras capitais, a pauta da manifestação era ampla e difusa. Eles dizem ser contrários à Proposta de Emenda à Constituição, a chamada PEC 37, que retira poderes de investigação do Ministério Público, queixaram-se da corrupção e dos gastos públicos com os grandes eventos no País, como as Copas do Mundo e das Confederações. Eles também demonstraram ser solidários aos protestos que tomaram o País desde a semana passada contra o aumento da passagem do transporte público coletivo, principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Curitiba, Belo Horizonte, Belém, Salvador e Maceió também registraram manifestações. As marchas ainda se estenderam a cidades de médio porte do interior, como Londrina e Ponta Grossa, no Paraná.

O principal ponto de ligação entre os manifestantes continuou sendo o protesto contra a elevação da tarifa dos transportes urbanos. Em Fortaleza, os manifestantes protestaram próximo ao hotel onde a seleção brasileira está hospedada. A seleção joga amanhã na capital cearense, contra o México.

Tribuna do Norte

RN é o menos transparente entre estados que sediarão a Copa, diz pesquisa

Uma pesquisa do Instituto Ethos apontou o Rio Grande do Norte como o estado menos transparente entre os que vão ser sede de jogos da Copa do Mundo 2014. O critério adotado foi o de medir a eficiência do funcionamento dos canais de comunicação para divulgar os gastos com o evento de forma que contribua para o controle social desses investimentos.

O RN obteve média de 15.74 pontos (em uma escala de 0 a 100), bem abaixo do primeiro colocado, Ceará, que registrou uma média de 65.22 pontos. A pontuação do governo potiguar foi considerada muito baixa, de acordo com os critérios do instituto.

O Instituto Ethos também fez a mesma pesquisa com as cidades-sedes da Copa. Natal também fez uma pontuação muito baixa – 15.36, mas em comparação com as outras cidades ficou bem posicionada no ranking, na quarta colocação.

Blog do BG