i

segunda-feira, 28 de março de 2011

Presidente do PSB afirma que discussão sobre composição de chapa majoritária ainda não aconteceu


Embora entenda como algo natural o partido pleitear se compor politicamente no âmbito majoritário depois de seu desembarque nas hostes governistas, o vereador e presidente do diretório municipal do PSB em Ipanguaçu, Josimar Lopes, desmentiu que este assunto tenha sido tratado com o prefeito Leonardo da Silva Oliveira, do PT. O vereador declarou que a única certeza é que o PSB chegou para somar com a administração municipal para ajudar Ipanguaçu. Ele frisou que a decisão do partido de unir-se ao bloco comandado pelo chefe do Executivo foi tomada praticamente de forma unânime por seus membros. Josimar Lopes declarou que, hoje, o PSB está presente no governo municipal de forma clara e direta. Repetiu que o compromisso assumido com o prefeito Leonardo Oliveira foi com o sentido de juntar esforços para trabalhar pelo desenvolvimento de Ipanguaçu. Campeão de votos na eleição municipal de 2008 com 754 sufrágios, Josimar Lopes é um dos representantes da agremiação no Legislativo, ao lado do vereador em exercício João Batista Pinheiro Lopes, ‘Mitota’, que substitui temporariamente o vereador licenciado e atual secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Jaires Azevedo dos Santos, ‘Gordo’. Apesar da eqüidistância do vereador e presidente do PSB do tema, seu nome é citado como uma forte opção para ser o companheiro de chapa do atual mandatário no virtual projeto de reeleição deste em 2012. Para Josimar Lopes, esta é uma questão que não deve ser tratada agora. O presidente da executiva do PSB ipanguaçuense frisou que seria precipitação discutir este ponto agora. Ressaltou que a sua preocupação e do PSB é ajudar o prefeito a realizar uma boa administração. O ingresso da sigla nas fileiras governistas ocorreu imediatamente após a cisão verificada neste grupamento, com o rompimento protagonizado pelo ex-prefeito José de Deus Barbosa Filho, do PR. O ex-prefeito procura reagrupar as forças de oposição para lançar candidatura própria à sucessão municipal que se aproxima.

Fonte: Rádio Princesa do Vale

Núcleo do IFRN do Vale do Açu inscreve para seleção de candidatos ao Programa de Iniciação Tecnologia e Cidadania

Já está aberto o calendário de inscrições com vistas à realização do processo de seleção pública do Programa de Iniciação Tecnologia e Cidadania (ProITEC), na alçada do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

A notícia é transmitida pelo coordenador de Extensão do Campus da instituição no Vale do Açu, com sede no município de Ipanguaçu, professor Fernando Freire. "As inscrições já foram abertas e prosseguem até o dia 15 de abril", registrou o dirigente acadêmico.

O ProITEC é um curso na modalidade a distância voltado para alunos do nono ano da rede pública de ensino. O programa prepara os estudantes por meio de livro, fascículos e teleaulas para o ingresso no ensino técnico integrado ministrado pelo IFRN.

A unidade do IFRN do Vale do Açu absorve uma demanda estudantil de aproximadamente 16 municípios da região e proximidades.

O coordenador de Extensão do Campus disse que, em setembro, o núcleo registrará cinco anos de funcionamento, fato que será inserido nas comemorações pela passagem dos 102 anos de existência da instituição em todo o país. "Posso afirmar com toda certeza que hoje o IFRN está consolidado na região do Vale do Açu", sentenciou.

"Para nós é motivo de alegria já ver os resultados desta ação de cinco anos nesta região", finalizou o docente.

Fonte: O mossoroense 

Escolinha de Futebol de Ipanguaçu se classifica para final

   ESCOLINHA FUTEBOL DE IPANGUAÇU

A ESCOLINHA DE FUTEBOL DE IPANGUAÇU, CATEGORIA INFANTIL JOGANDO HOJE(26) A TARDE NO EDGARZÃO DERROTOU A EQUIPE DO REAL JUVENTUDE PELO PLACAR DE 4 X 1 COM GOLS DE JUNIOR MELO, JARDEL, MADSON E ALLYSON O GOL DA EQUIPE DO REAL FOI CONTRA DO ZAGUEIRO FLÁVIO. A EQUIPE DE IPANGUAÇU JOGOU E VENCEU COM: MATHEUS, ÂNGELO, CARLOS, FLÁVIO E GARDEL, ALLYSON, BRUNO, HAILTON E MADSON, JUNIOR MELO E CLAÚDIO, AINDA PARTICIPARAM DA PARTIDA EVANDRO, JUNINHO E JARDEL NO BANCO: PEDRO NETO, DANIEL, JUNINHO PIT BULL TÉCNICO: FERNANDO SILVA. A EQUIPE APRESENTOU UM BOM FUTEBOL, E NO PRÓXIMO DOMINGO IRÁ EM BUSCA DO SEU PRIMEIRO TÍTULO QUE SERÁ MUITO IMPORTANTE PARA A GAROTADA COMO PARA O FUTEBOL DE IPANGUAÇU.

Fonte:  IPANGUAÇU DO BEM/Aluisio França

Maria dos Santos: a contadora de histórias


Maria dos Santos escreveu o seu primeiro livro aos 9 anos, não para ser escritora, mas para ter o que ler. Como não podia comprar livros, ela decidiu escrever os seus próprios para suprir sua necessidade de leitura. "A princesa Sonho no reino da educação" conta a história de uma princesa que se perde quando passeia pelo bosque do palácio real e acaba chegando no reino do analfabetismo, onde se depara com muitas outras personagens, caracterizados de forma maniqueísta.

A história escrita para o público infantil fala de princesas, príncipes, guerreiros e bruxas, mas acaba contanto um pouco do drama da pequena Maria dos Santos, hoje com 35 anos, e mãe de duas filhas maiores de idade. A luta contra a malvada Injustiça, travada pelos protagonistas romanescos é um sinal do que sente a professora que se transformou numa contadora de histórias.

Até os 16 anos, Maria dos Santos escreveu dezenas de contos infantis que acabaram sendo conhecidos por toda a sua vizinhança na periferia de Ipanguaçu. "Escrevi uma caixa, dessas de fogão, bem cheinha de histórias".

Neste tempo, foi vítima de suas próprias criações. Uma senhora se encantou pelo seu trabalho e os trouxe para Mossoró na tentativa de encontrar alguém que os quisesse publicar. 

Cinco anos mais tarde, isso se concretizou, mas não como ela esperava. Maria dos Santos afirma ter sido lesada por essa senhora - que ela prefere não revelar o nome - que publicou algumas das histórias como sendo dela.

"Fiquei tão revoltada e triste com o acontecido que parei de escrever", confessou Maria. Contra a apropriação indébita de propriedade intelectual ela nunca fez nada, como também nunca procurou a criminosa. Só voltou a escrever mais de 10 anos depois desse episódio, porque foi incentivada pelos colegas de trabalho.

Maria nunca publicou um livro, embora boa parte de Ipanguaçu já tenha lido os seus contos. Neste ano, a prefeitura garantiu publicar um trabalho seu de poesia. Mais recente, o ex-secretário de cultura do Estado e editor Crispiniano Neto, da editora IMEPH, se comprometeu em olhar uma de suas obras infantis.

Contação de história
Professora da rede municipal de ensino, Maria dos Santos é mola mestra de um projeto que tem projetado Ipanguaçu no cenário dos municípios leitores. A atração de projetos voltados à educação e ao incentivo à leitura faz parte de uma mudança comportamental, não só da administração, mas também da comunidade escolar.

A professora começou a contar história para suas turmas do Educação de Jovens e Adultos (EJA), mas despertou o interesse da Secretaria de Educação que a convidou para contar história em todas as séries da rede municipal.

O resultado pedagógico desse trabalho complementa um projeto, chamado: Ipanguaçu, cidade que lê, lançado em 2009, para incentivar a leitura em sala de aula.

Maria, conta estórias em todas as séries do ensino fundamental - do 1º ao nono ano - desenvolvendo uma metodologia diferente em cada uma delas, mas sempre trabalhando com aquilo que ela escreve. "Para as crianças eu leio meus contos de fada: uso fantoches; sento-me no chão e faço com que eles participem criando as estorinhas comigo. Já com os adolescentes das séries mais avançadas, escrevo coisas relacionadas à suas idades: bulling, drogas e outros assuntos que possibilitem uma reflexão. Sempre trabalho uma lição no final", contou Maria.

Maria diz que a literatura é, para ela, uma necessidade e sente que para muitos dos seus alunos é a mesma coisa. "Tenho uma aluna que diz que escreve para ela mesma por não ter com quem conversar", acrescentou.

A Secretaria de Educação investe nesse projeto. Para a secretária Jeane Dantas, o investimento não é muito, mas os resultados são. "Estamos plantando uma sementizinha que um dia vai brotar. A educação não acontece em curto prazo, mas as pequenas ações fazem uma grande diferença no futuro", acrescentou.


Ipanguaçu: uma cidade que lê
Em 2009, quando lançou o projeto Ipanguaçu, uma cidade que lê, a secretária Jeane Dantas não imaginava quantas pessoas se envolveriam no projeto. Logo de início conseguiu o apoio de uma editora que enviou mais de 600 quites de livros, atendendo centenas de alunos. "Com esse pequeno passo implantamos "a hora da leitura" na escola, que prevê que, numa hora comum, todas as escolas parem suas atividades para fazerem a leitura de algum gênero literário", contou. Jeane explica que nem todas as escolas conseguem manter a ideia viva, por vários motivos, mas só a iniciativa possibilitou uma mudança de hábitos em muitos alunos.

O aparecimento de Maria dos Santos foi outra iniciativa que fortaleceu o projeto inicial. Hoje, Ipanguaçu é uma das poucas cidades do Estado que mantém esse tipo de atividade pedagógica. "Uma de nossas metas é fazer com que nosso aluno termine o ensino fundamental lendo, escrevendo e interpretando. É o que a educação nacional chama de "criança leiturizada", uma terceira fase do processo educacional que começa com a criança letrada e alfabetizada", explica Jeane.

As atividades de leitura também são realizadas na rua. Dentro do projeto "cidade que lê", foi instituído três momentos: o Tenda Literária, que é quando as crianças fazem recital, leituras e apresentação de peças, e o Literatura na Praça, com as mesmas atividades, só que em maior escala. Ambos acontecem toda sexta-feira última de cada mês.

O último momento é o Fest Leitura, que reúne em dezembro todas as escolas em cortejos pelas ruas da cidade até um local específico, onde é realizado um grande momento literário. Neste ano, o tema será literatura e, embora só aconteça em dezembro, as escolas já estão se programando. O evento acontece na semana de emancipação política do município.

Fonte: Jornal de Fato/JOTTA PAIVA
De Ipanguaçu