i

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Mães participam de curso oferecido pelo IFRN


O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), campus Ipanguaçu, em parceria com Prefeitura Municipal de Ipanguaçu através do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) deram inicio nesta quarta-feira (13) do curso para a geração de renda, uso próprio e economia doméstica na criação de horta comunitária.

As atividades estão sendo desenvolvidas com as mães do grupo de convivência familiar do CRAS, gratuitamente.

Segundo a assistente social do instituto, Valmara Fernandes, o curso contará com dez encontros envolvendo aulas teóricas e praticas que serão ministradas pelo aluno do quinto período do curso de agroecologia, Adriano Fernandes de Souza. “O curso ajudará as famílias a criarem sua própria horta de forma fácil e pratica, onde aprenderão a cultivar pequenas hortas e também manejar alimentos para o consumo ou, até mesmo, para comercialização” disse Valmara Fernandes.

Ipanguaçu discute sobre Segurança Alimentar e Nutricional


A prefeitura Municipal de Ipanguaçu através da Secretaria Municipal de Administração em parceria com as secretarias de Saúde, Educação e Assistência Social realizaram nesta quarta-feira, dia 13, nas dependências da Câmara de Vereadores do município o I Fórum Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional.

O fórum aconteceu como objetivo promover a articulação e integração dos órgãos, entidades da administração pública, não governamentais e sociedade civil para que possam ser criadas as políticas públicas que garantam o acesso regular e permanente a alimentos de qualidade e em quantidade suficiente às famílias.

Segundo a nutricionista, Virginia Nereyda, a segurança alimentar e nutricional é prevista na Lei Federal 11.346, de setembro de 2006, e consiste na realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras de saúde que respeitem a diversidade cultural e que sejam ambiental, cultural, econômica e socialmente sustentáveis.

“A segurança alimentar é um dos problemas mais importantes de saúde pública em todo o mundo. Nos tempos modernos, a distribuição dos alimentos é global, por isso, se um alimento se torna perigoso para a saúde, o risco de disseminação alargado de doença é elevado. As causas têm de ser identificadas rapidamente e os consumidores precisam ser informados do perigo” disse a nutricionista.

A vice-prefeita, Vera Lúcia, destaca que a segurança alimentar é um fator de grande importância para o poder publico municipal, garantir total segurança na alimentação escolar é um dos fatores primordiais. “A Segurança alimentar e nutricional é a realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, por isso é necessário criar políticas publicas que ajudem a melhorar a qualidade dos alimentos, mudando o habito alimentar das famílias” frisa a vice-prefeita.

No fórum foi proposto a criação do Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (CMSAN). A criação do conselho é uma das solicitações da comissão do pró-selo UNICEF de Ipanguaçu, para a melhoria da qualidade de vida das crianças e adolescentes do município.

Açude de Pataxó continua sangrando




A sangria teve inicio na manhã de ontem (12), por volta das 10hs da manhã com a lamina de 4cm.
Segundo membro do NUDECs – Núcleos de Defesa Civil do município de Ipanguaçu, José Erenildo Cavalcante, residente na comunidade de Pataxó, na manhã de hoje (13) por volta das 09h30min o açude encontrava-se com uma lamina de 7cm, ele disse que a previsão e de que a lamina de sangria aumente ainda nesta tarde, podendo chegar aos 15cm.

Defesa Civil 
Em matéria publicada nesta quarta-feira no Jornal De Fato, Luis Alberto da Silva explicou que a água do Açude Pataxó só atinge a cidade se houver um sangramento com uma lâmina de água superior a 70 centímetros. "O sangramento do açude não representa qualquer risco para a população. Está tudo sobre controle, normal", garantiu Luis.

O coordenador da defesa civil ressaltou também que as cheias que castigam Ipanguaçu são causadas pelo sangramento da Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, localizada no município de Itajá, que atualmente está a 1,8 metro de sangrar.
Luis Alberto reiterou que a população deve ficar tranquila e informou que a Prefeitura já elaborou um plano de contenção como forma de prevenção para caso de nova enchente. "Devemos lembrar também que as chuvas não estão sendo fortes nas cabeceiras dos açudes e barragens que mandam água para o Açude Pataxó", acrescentou.




Açude Pataxó sangra, mas não preocupa

O Açude Pataxó, localizado no município de Ipanguaçu, sangrou na manhã dessa terça-feira, 12.
Segundo o coordenador da Defesa Civil municipal, Luis Alberto da Silva, por volta das 10 horas da manhã, a água do açude lavou a parede de contenção chegando a uma lâmina de água de quatro centímetros.O sangramento foi provocado pela água que desceu do Açude Angicos, que também sangrou no início da semana por conta das fortes chuvas do final de semana.
O sangramento de um açude geralmente é motivo de comemoração, mas, nesse caso, o despertar do Açude Pataxó trás muito mais preocupação.

A população das comunidades próximas ao reservatório teme novas cheias, que tantas vezes já castigaram milhares de famílias.
Porém, ainda não há motivo para preocupação.
Luis Alberto da Silva explicou que a água do Açude Pataxó só atinge a cidade se houver um sangramento com uma lâmina de água superior a 70 centímetros. "O sangramento do açude não representa qualquer risco para a população. Está tudo sobre controle, normal", garantiu Luis.

O coordenador da defesa civil ressaltou também que as cheias que castigam Ipanguaçu são causadas pelo sangramento da Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, localizada no município de Itajá, que atualmente está a 1,8 metro de sangrar.

Luis Alberto reiterou que a população deve ficar tranquila e informou que a Prefeitura já elaborou um plano de contenção como forma de prevenção para caso de nova enchente. "Devemos lembrar também que as chuvas não estão sendo fortes nas cabeceiras dos açudes e barragens que mandam água para o Açude Pataxó", acrescentou.
O Açude Pataxó tem capacidade de 24,5 milhões de metros cúbicos de água e o seu sangramento em larga proporção atinge principalmente as localidades de Maria Romana, Ubarana, Frei Damião e Manoel Bonifácio.


Fonte: Jornal de Fato