i

sábado, 31 de agosto de 2013

Segunda audiência destinada a discutir reivindicações dos operários rurais é definida

Operários querem reajuste salarial e melhores condições de trabalho Operários querem reajuste salarial e melhores condições de trabalho
Em razão da necessidade alegada pelo patronato de dispor de tempo hábil para analisar a proposta encaminhada pelos sindicatos e a Federação dos Trabalhadores na agricultura do Rio Grande do Norte (Fetarn), foi agendada para o dia 10 de setembro, uma terça-feira, a segunda audiência no seguimento da rodada de negociações em torno da pauta reivindicatória e salarial dos trabalhadores do segmento agroindustrial do Estado.

A informação é dada pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Ipanguaçu, João Batista Moura de Oliveira, "João das Peças". A exemplo da primeira rodada de conversações entre as partes, ocorrida dia 20 de agosto corrente, quando houve a apresentação oficial da pauta, o segundo instante ocorrerá na sede da representação do Ministério do Trabalho e Emprego (TEM), na cidade de Mossoró, às 14h. 

A primeira audiência, terça-feira da última semana, dia 20, serviu somente para a apresentação oficial da pauta que, agora, vai ser analisada pelos patrões que, em seguida, encaminharão a contraproposta. "João das Peças" frisou que, para a segunda reunião, além da presença dos líderes sindicais, trabalhadores estarão sendo convidados para que possam testemunhar pessoalmente o que será tratado no diálogo com o patronato rural.

Sindicato espera sensibilidade da classe empresarial
O sindicalista "João das Peças" explica que a entrega da pauta, dia 20, serviu para assegurar a data-base para a categoria no caso de instalação de dissídio coletivo. 

O líder sindical rural disse esperar que os patrões possam ter a sensibilidade para exibir uma contraproposta admissível e não se repita o que, conforme frisou, ocorreu no ano passado. "Espero que não haja o que houve em 2012, quando [os dirigentes patronais] vieram com uma proposta indecente", disse.

Pontos 
Naquela ocasião, relembrou, o patronato rural propôs o congelamento da remuneração dos trabalhadores rurais. "Realmente foi um fato inaceitável e que mereceu imediato repúdio por parte dos sindicatos e da Federação", recordou. A pauta reivindicatória e salarial enumera mais de 40 cláusulas. Porém, o item que atrai maior atenção dos operários rurais é a proposta remuneratória. "Sem dúvida, o valor do piso é o que mais interessa aos trabalhadores", reconheceu o dirigente. A proposta sugerida pelos sindicatos foi de vencimento básico no valor de R$ 800,00.

O mossoroense

PMDB rompe com Rosalba, mas libera aliança com o DEM nos municípios

Henrique oficializa rompimentoHenrique oficializa rompimento
Após cerca de duas horas de discussão interna, o PMDB potiguar anunciou afastamento do governo Rosalba Ciarlini (DEM).

A decisão foi comunicada em entrevista coletiva concedida pelo presidente estadual da sigla, Henrique Alves, que também preside a Câmara dos Deputados. 

De acordo com Henrique Alves, a decisão será explicada a prefeitos, vice-prefeitos e vereadores na próxima semana. Ele garantiu de antemão que a medida não afetará alianças do PMDB com o DEM em nível municipal e isso inclui Mossoró. "A decisão é em nível estadual. Não afeta os municípios. Os diretórios têm autonomia para se aliar a DEM, PT ou qualquer outra legenda. Isso não afeta as alianças municipais. Isso não afeta a autonomia do partido nos municípios", acrescentou.


Na coletiva, o termo rompimento foi tratado como um tabu. Henrique preferiu usar termos como "afastamento do projeto político e pessoal da governadora" ou "adotar uma posição de independência".

Em seguida, Henrique deu o tom do que justificaria tamanha cautela em relação ao governo. "Ela sempre teve um tratamento respeitoso e carinhoso com todos nós, mas a maneira como ela trata a política não foi possível realizar esse projeto com essa aliança", explicou tentando indicar que questões de ordem pessoal não influenciaram na decisão.
Sobre a possibilidade de outros partidos seguirem o PMDB, Henrique declarou não ser da alçada dele abordar essa questão. "Não cobraremos nada de nenhum dos partidos aliados. Esse é um caminho do PMDB", acrescentou. Espera-se que PR, PMN e PSDB também deixem a aliança com o DEM.

Sobre as eleições, Henrique disse que o PMDB está aberto ao diálogo com as legendas de oposição e até mesmo o DEM via o senador José Agripino. "Vamos dialogar com todos os partidos", garantiu.

Ele acrescentou que isso também vale para a chapa proporcional. "Tenho tido conversas informais com vários partidos sobre a proporcional, mas nada é definitivo", disse.
O presidente do PMDB estadual também indicou que o rompimento de ontem não terá efeitos em questões administrativas. "O que o Estado precisar contará 100% com o meu esforço e o do ministro Garibaldi", concluiu.

Confira a matéria completa no O Mossoroense (aqui).

Quem recebe até salário mínimo tem direito a desconto na energia

energiaOs consumidores residenciais no RN com renda per capita de até um salário mínimo e usuários em tratamento de saúde que precisam de usar aparelhos com elevado consumo de energia e possuem renda familiar em até 3 salários mínimos, podem ser beneficiados com o desconto na conta da energia elétrica.
Segundo a Cosern, o desconto varia de 10% a 65% . Cerca de 400 mil famílias já são beneficiadas e 230 mil estão aptas a receber o desconto.
Os consumidores podem solicitar o serviço, desde que atenda os critérios definidos pelo Governo Federal. Os interessados podem procurar a Cosern com o CPF, documento de identidade com foto e com o número do NIS (Número de Identificação Social) de algum programa social do Governo Federal.

Preocupações excessivas afetam QI dos mais pobres, segundo estudo

QI e inteligencia realPaga-se um alto preço por ser pobre. O deficit não é só na conta bancária, mas nas capacidades cognitivas. Diversos estudos já fizeram a correlação entre baixa renda e comportamento contraprodutivo: pessoas que ganham mal são menos propensas a seguir corretamente um tratamento médico, tendem a se endividar, têm mais dificuldades para levar um negócio adiante e costumam desistir de compromissos assumidos, o que renova o ciclo da pobreza.
De acordo com uma pesquisa publicada na edição desta semana da revista Science, o problema não está na falta de escolaridade formal, uma das explicações mais comuns para essas condutas. Os cientistas alegam que as preocupações dos pobres são tantas que eles acabam consumidos mentalmente, a ponto de afetar o QI, coeficiente de inteligência.
“Não estamos dizendo que os pobres são menos inteligentes que os outros”, esclarece o economista Sendhil Mullainathan, pesquisador de Harvard e principal autor do estudo. Segundo ele, o que acontece é que os problemas são tantos que as pessoas não conseguem se concentrar, dificultando a execução de tarefas que exigem compromisso intelectual. Isso não significa, contudo, que a condição cognitiva seja permanente. À medida que diminuem as preocupações com comida, escola para os filhos, acesso ao serviço de saúde e contas para pagar, entre outras, os indivíduos voltam a ser tão intelectualmente capazes quanto qualquer outro.
Publicado por Robson Pires