i

terça-feira, 24 de abril de 2012

Jornalista é assassinado em restaurante no Maranhão

O jornalista e blogueiro Décio Sá foi assassinado com seis tiros à queima roupa em um restaurante na avenida Litorânea, em São Luís, no Maranhão, por volta das 22h30 de segunda-feira (24). Segundo informações, da Polícia Militar do Estado, Décio Sá estava jantando sozinho em um restaurante quando um homem  se aproximou e disparou seis vezes, acertando quatro tiros na cabeça e dois nas costas. Ele morreu no local.
O assassino fugiu em companhia de outra pessoa, que o esperava do outro lado da avenida em uma motocicleta. Uma viatura estava a cerca de 150 metros do local quando o jornalista foi assassinado, mas os criminosos conseguiram fugir. À 1h30 desta terça-feira, policais montavam barreiras pela cidade e as buscas continuavam, mas ninguém havia sido detido.
Décio Sá trabalhava no jornal “O Estado do Maranhão” – pertencente à família Sarney – e escrevia em um blog famoso por informações de bastidores da política no Maranhão. Ele também trabalhou no jornal “O Imparcial” e chegou a ser correspondente da “Folha de S.Paulo” no final dos anos 90. O jornalista deixa mulher e um filho de 8 anos.

Depoimento de Carla Ubarana aponta novos crimes no TJRN

O conteúdo do depoimento de Carla de Paiva Ubarana Araújo Leal prestado ao Ministério Público Estadual – apesar de estar em sigilo – vazou após ser remetido aos Tribunais Superiores, em Brasília.
TRIBUNA DO NORTE, através do Blog do BG, teve acesso ao conteúdo dos vídeos nos quais a ex-chefe da Divisão dos Precatórios do Tribunal de Justiça – durante 4h37min e 05 segundos – relata como as fraudes eram aplicadas no órgão supremo da Justiça potiguar com a anuência de magistrados, tráfico de influência entre advogados e agentes públicos e venda de sentenças.
Além dos nomes já oficializados à Justiça, em depoimento prestado no dia 30 de março passado ao Juízo da 7ª Vara Criminal, Carla Ubarana apontou novos crimes que envolvem desembargadores.
Visivelmente tranquila e disposta a contribuir com os promotores de Defesa do Patrimônio Público e representantes do Grupo Especializado de Combate à Corrupção (Gaeco), Ubarana teve o cuidado de perguntar, às minúcias, no que consistia a delação premiada antes de assinar o termo que oficializou sua colaboração com o Ministério Público Estadual.
CLIQUE AQUI para conferir a reportagem completa

Teto de igreja evangélica cai em bairro em Ipanguaçu

Veio a baixo na madrugada de ontem (23) por volta das 02h30min da madrugada o teto de uma igreja evangélica no Bairro Maria Romana. O motivo segundo populares é que o prédio passava por reformas, e com a retirada de uma parede que segurava parte da estrutura, veio a cai na madrugada.

Fotos: Jeferson 

Imóvel rural pode ser aproveitado para reforma agrária em Ipanguaçu

Uma área rural situada nas proximidades da localidade de Nova Descoberta, município de Ipanguaçu, pode fazer parte do rol de imóveis rurais do Estado habilitados a participar do Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF), gerido pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).

A propriedade, orçada em R$ 480 mil, foi vistoriada por uma equipe técnica do PNCF, constituída por representantes da Delegacia Federal do MDA e da Secretaria de Estado da Assuntos Fundiários e Apoio à Reforma Agrária (Seara), esta semana.
Segundo a informação, prestada pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Ipanguaçu, João Batista Moura de Oliveira, "João das Peças", as perspectivas quanto ao aproveitamento do terreno são as melhores possíveis. O representante sindical rural disse que o imóvel deverá abrigar um total de 16 famílias de trabalhadores rurais sem-terra do município. "Torço para que dê certo [a compra da propriedade] para que estas famílias de agricultores familiares se instalem e possam começar a plantar e produzir", registrou o líder sindical.
Mesmo sem exibir dados, "João das Peças" informou que Ipanguaçu é o segundo município do Rio Grande do Norte que mais negocia imóveis rurais por intermédio do PNCF. Só é superado pela cidade de Caraúbas, no Oeste potiguar. "É importante ressaltar: o programa é voltado para as famílias rurais que querem trabalhar na Agricultura Familiar", observou. Ele contou que a equipe técnica vistoriou o imóvel desejado na última quarta-feira, dia 18, em companhia de técnicos da cooperativa Conceito, que presta assessoramento na instância do PNCF em Ipanguaçu.

EXPECTATIVA
O dirigente sindical disse que, agora, é esperar pela tramitação do processo até que haja a concretização do negócio e a área seja considerada disponível para o alojamento das 16 famílias rurais já identificadas e cadastradas pela Seara e o MDA. "João das Peças" acredita que o processo poderá transcorrer rapidamente. "Creio que até o fim do mês a compra da terra esteja definida", arriscou. Ele relatou que, pós instalarem-se na propriedade, as famílias terão uma carência de três anos para começar a liquidar o financiamento do PNCF. O prazo total do crédito institucional é de 17 anos.

O mossoroense