i

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Açude Pataxó alcançou 50 cm nesta noite

Situação da Ubarana na noite de hoje(29). Foto: Júnior Santos
A sangria do açude Pataxó alcançou uma lâmina de 50 cm por volta das 20h30.

Quem informou foi a Defesa Civil do município. Várias comunidades estão isoladas, e cerca de 75 casas já foram inundadas nos bairros Maria Romana, Ubarana e Manoel Bonifácio.

A Defesa Civil do município junto a Prefeitura já estar retirando moradores de localidades que podem ser inundadas pelo aumento da sangria, na manhã de sábado(30).

O coordenador estadual de Defesa Civil, tenente coronel Josenildo Acioli, estará no município amanhã (30), para acompanhar as ações desenvolvidas pela coordenadoria municipal de Defesa Civil e pelo Corpo de Bombeiros Militar, no atendimento as vítimas que tiveram suas casas alagadas pelas chuvas.

O coronel também participara de uma reunião com autoridades para traçar ações prioritárias a serem desenvolvidas nos próximos dias no município.


----


Plantão da Defesa Civil de Ipanguaçu: (84) 3335-3901

Prefeitura inicia limpeza do leito do Rio Pataxó em trecho liberado ontem pelo Idema

Cidade vive Estado de Emergência. Mais de 60 famílias foram desabrigadas e treze comunidades rurais estão isoladas.

A prefeitura do município de Ipanguaçu iniciou na manhã de hoje a limpeza do leito do Rio Pataxó, no trecho localizado na propriedade da empresa Finobrasa Agroindustrial SA. Duas máquinas (PC 320) estão no local removendo a vegetação. Desde 2009 que o prefeito Leonardo Oliveira tentava obter junto ao governo do Estado a permissão necessária para realizar esta operação, já que a área é de preservação ambiental. No entanto, apenas na tarde de ontem (28), o Idema enviou ofício com a autorização, em caráter emergencial.

O trabalho é de difícil execução, já que a área está alagada e a vegetação é bastante densa. Uma das máquinas, inclusive, atolou no final da tarde, sendo o trabalho realizado desde então com apenas uma. Além disso, o aluguel das máquinas, por hora, tem valor elevado. “Já se nota uma sensível melhora no escoamento da água nos pontos onde a vegetação está sendo removida. O trabalho é difícil, lento, mas será feito, dia e noite. Independentemente do tempo que demore para ser concluído, nós vamos até o fim”, afirmou o prefeito, em entrevista concedida no local.

O transbordamento do Açude Pataxó, que se iniciou no último dia 12 de abril, tem elevado o nível do Rio Pataxó, provocando a inundação de mais de 73 casas em três bairros da cidade (Maria Romana, Ubarana e Manoel Bonifácio) e isolando treze comunidades (Santa Quitéria, Barra, São Miguel, Luzeiro, Cuó, Lagoa de Pedra, Itú, Picada, Porto, Salinas, Deus nos Guie, Sacramentinho e Pau de Jucá). São muitos os danos humanos, materiais e ambientais, além dos prejuízos à economia local, ainda não contabilizados.

O constante agravamento da situação fez com que o prefeito Leonardo Oliveira acatasse recomendação da Defesa Civil do município e decretasse Estado de Emergência em Ipanguaçu. Dessa forma, a prefeitura pode pedir recursos ao governo federal para ajudar no reparo aos estragos. “Nossos recursos são limitados. Com recursos próprios nós estamos dando assistência a mais de 73 famílias, dando suporte às comunidades isoladas e pagando o aluguel dessas duas máquinas que estão trabalhando no Rio Pataxó. Para podermos fazer mais, é necessário contarmos com a ajuda dos governos Estadual e Federal”, disse Leonardo.

Governadora Rosalba ligou para prestar solidariedade
A governadora do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini, telefonou esta tarde para o prefeito de Ipanguaçu para prestar sua solidariedade. Leonardo Oliveira aproveitou a oportunidade para cobrar ajuda. “Solicitei que o governo do Estado nos ajude, a prefeitura tem um orçamento bastante limitado. Solicitei ainda que o governo envie pelo menos mais duas máquinas para ajudar na remoção da vegetação do Rio Pataxó. A governadora ficou de nos dar uma resposta e eu espero muito que seja positiva”, contou o prefeito.

Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Ipanguaçu

Mais de 50 famílias estão desabrigadas

O inverno deste ano já ganhou proporção de enchente no município de Ipanguaçu. A cada chuva que cai na região do Vale do Açu cresce o tamanho da lâmina de água da sangria do Açude Pataxó e a água avança sobre as casas de centenas de famílias que moram em éreas de risco.

Até a tarde dessa quinta-feira, 28, o número de famílias desabrigadas pela enchente somava mais de 50. A previsão era que mais famílias fossem expulsas de casa por conta do sangramento do Açude Pataxó, que já chegava a 34 centímetros, ainda no dia de ontem.

Três localidades já foram atingidas pela água que desce do Açude. Inicialmente, foi o bairro de Maria Romana, mas nas últimas horas o alagamento também chegou aos bairros de Ubarana e Manoel Bonifácio.

A reportagem do Jornal de Fato esteve no bairro Ubarana e constatou que para sair e entrar em casa as famílias precisam colocar os pés na lama.
Muitas famílias já deixaram suas residências e foram para abrigos ou casas de amigos e parentes.

Quem está insistindo em ficar, sabe que a qualquer momento pode ter que sair também.
É o caso do casal de aposentados Francisco Joaquim da Costa e Anália Bento da Silva.
A água já chegou ao portão da casa deles e se continuar chovendo eles serão os próximos a serem expulsos.

Situação a qual o casal já está acostumado. "Faz nove anos que moramos aqui e enfrentamos sempre o mesmo problema quando tem inverno, relatou Joaquim, criticando, logo na sequência, a falta de atitude do poder público para acabar com os alagamentos em Ipanguaçu".

Anália lembrou que todos os anos são feitas promessas para resolver o problema, "mas nunca é feito nada", lamentou.

A casa dos dois aposentados já está pronta para o pior. Eles resolveram "pendurar" todos os móveis antes mesmo que a água chegue. "No último inverno perdemos vários móveis, que deram um trabalho danado para serem comprados novamente. Por isso, nos preparamos dessa vez", salientou Joaquim.

A enchente expulsa, mas também faz muita gente ficar dentro de casa. Uma dezena de localidades de Ipanguaçu, como Itu, Porto e Água de Pedra, estão ilhadas. Entrar ou sair desses locais só através de canoas.

O agricultor Raimundo de Lima Tavares mora numa parte alta de Ipanguaçu, mas ele também não está livre dos efeitos da enchente. A casa e a propriedade dele estão ilhadas. Para entrar em casa, que fica à beira da RN-118, só encarando a lama. "Olhe (apontando), na minha casa não entra água, mas tem essa dificuldade para entrar e sair por conta dessa água (apontando novamente) que cerca a propriedade", explicou o agricultor, enquanto estava do outro lado da pista.

Neste ano, até o último dia 28, choveu 460.5 milímetros em Ipanguaçu, de acordo com informações da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN).

Moradores fecham RN-118 em protesto
Um protesto de moradores dos bairros alagados pela água que desce do Açude Pataxó em Ipanguaçu interrompeu por toda a manhã dessa quinta-feira, 28, o trânsito na RN-118, que liga Ipanguaçu a municípios como Alto do Rodrigues e Pendências.

Os moradores bloquearam a entrada e saída da cidade, queimando pneus e troncos de árvores, e se utilizando também de um trator, motos e carros.
Foi impedida a passagem de todos os tipos de veículos, que formaram uma longa fila à espera da liberação da pista.

O protesto teve o objetivo de forçar a limpeza do rio Pataxó no trecho localizado em terras pertencentes à empresa Finobrasa.

O agricultor Raimundo de Lima Tavares denunciou que dentro da propriedade da Finobrasa existe uma parede no rio Pataxó formada pela mata ciliar que contribui para o alagamento dos bairros que ficam nas proximidades. "A água que desce do Açude Pataxó não segue o trajeto natural por conta dessa barreira e acaba correndo para dentro das casas", relatou o agricultor.

Os moradores bateram boca com diversos motoristas que queriam furar o bloqueio e chegaram a ser irresponsáveis ao impedir que um veículo com um bebê recém-nascido seguisse viagem.

O bebê ficou exposto ao sol quente e somente seguiu viagem depois que a sua avó conseguiu carona em uma motocicleta.
O protesto foi encerrado às 13h, depois que os moradores ficaram sabendo que o Idema iria avaliar a situação do rio.

Prefeito decreta estado de emergência
O prefeito de Ipanguaçu, Leonardo Oliveira, decretou no final da tarde dessa quinta-feira Estado de Emergência no município. Leonardo declarou que já existiam justificativas suficientes para tomar tal decisão. Ele citou as famílias desabrigadas, as localidades alagadas e ilhadas, além de todos os prejuízos já causados como motivos para assinar o decreto. "Temos que lembrar, por exemplo, que pequenos agricultores perderam suas plantações de milho e feijão, sendo que eles só podem receber o seguro Garantia Safra se a Prefeitura declarar estado de emergência", destacou o prefeito.

Leonardo ressaltou também que o Município precisa do decreto para receber ajuda do Governo Federal.

O prefeito reconheceu a situação difícil vivida por Ipanguaçu, mas observou que medidas adotadas pela prefeitura evitaram que a situação já estivesse ainda pior. "Realizamos ações, como a limpeza do rio e a construção de uma barreira, que impediram que a água chegasse com mais densidade e a alguns bairros, livrando cerca de 400 famílias dos alagamentos", ressaltou.

Leonardo informou que a limpeza do rio foi feita do sítio Itu até a Finobrasa. "Não concluímos a limpeza pela necessidade de termos autorização do Idema", explicou, referindo-se à área de proteção ambiental localizada dentro da Finobrasa.

Um técnico do Idema era aguardado para avaliar o que poderia ser feito para limpar o rio nessa área.

Fonte: MAGNOS ALVES
Da Redação do Jornal de Fato

Barragem Armando Ribeiro atinge cota máxima e começa a sangrar

Foto: Itajá Acontece 

Agora há pouco, por volta das 11h30, o nível da barragem Armando Ribeiro Gonçalves atingiu sua cota máxima: 55,00



As informações de Jailson, funcionário da empresa que presta serviços ao Dnocs, são de que em alguns pontos “a água já está lavando a parede”.

Ainda durante o dia estaremos trazendo novas informações sobre a sangria do reservatório.

Fonte: Rabiscos de Samuel Júnior 

Defesa Civil e Corpo de Bombeiros auxiliam vítimas de alagamentos em Ipanguaçu

O  município de Ipanguaçu, no interior do Estado do RN, passou a enfrentar novos problemas de inundações por causa das chuvas dos últimos dias. O acumulado de chuvas do ano na cidade, situada na região do Vale do Açu, chegou a 637,8 mm segundo o posto pluviométrico da Emater.

O volume de água acumulado no açude Pataxó, com capacidade para 15 milhões de metros cúbicos, já preocupa a população ribeirinha. Nesta sexta-feira, 29, o  açude Pataxó está com uma sangria de 17 centímetros de lâmina d’água.

Segundo informações da Defesa Civil Estadual, trinta residências já foram inundadas e famílias estão desalojadas, sendo conduzidas para casas de parentes e amigos. Outras cinco famílias encontram-se em abrigos temporários cedidos pela Coordenadoria Municipal de Defesa Civil de Ipanguaçu. Os bairros de Maria Romana, Manoel Bonifácio e Ubarana são os mais atingidos pelas chuvas.

O Corpo de Bombeiros Militar foi acionado e está deslocando militares para auxiliarem as vítimas que tiveram suas residências alagadas. De acordo com o Tenente Coronel Josenildo Acioli, Coordenador Estadual da Defesa Civil, uma guarnição do Corpo de Bombeiros permanecerá de plantão no município de Ipanguaçu durante todo o fim de semana para avaliar a situação e oferecer o socorro às vítimas.

“Já repassamos ao Coordenador Municipal de Defesa Civil de Ipanguaçu, Luis Alberto da Silva, todas as orientações de como proceder a “Declaração de Estado de Emergência” e a “Declaração de Calamidade Pública” caso seja necessário. O Governo do Estado, a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros permanecerão em alerta para oferecer todo o suporte logístico e de socorro necessário a população de Ipanguaçu, bem como aos demais municípios atingidos pelas chuvas”, disse o Tenente Coronel Acioli.

O cidadão que desejar acionar a Defesa Civil do Estado deve telefonar para o 193.


Fonte: Tribuna do Norte